Ministro da Ciência anuncia 20 milhões de euros para investigação clínica

A criação de uma agência para financiar a investigação clínica será debatida amanhã, 15 de fevereiro, no Conselho de Ministros.

O ministro da Ciência, Tecnologia e Ensino Superior, Manuel Heitor, anunciou hoje, no Porto, um investimento em Portugal de "cerca de 20 milhões de euros em investigação clínica, num prazo até 2023".

"A ideia é fazer-se uma agência de financiamento, como têm surgido noutros pontos da Europa, reunindo o esforço público e privado, partilhados igualmente", afirmou Manuel Heitor, que falava aos jornalistas na primeira edição da Gago Conference, evento que hoje reúne, no Porto, investigadores e decisores para debater políticas de saúde na área do cancro.

A criação de uma agência de financiamento para a investigação clínica será debatida no Conselho de Ministros na próxima quinta-feira, que será dedicado à Ciência.

Estamos hoje aqui a antecipar, com um conjunto de cientistas, com o comissário europeu e líderes europeus, como é que Portugal pode acompanhar o grande desafio de até 2030 três em cada quatro doentes de cancro tenham perspetivas de vida longa

Segundo Manuel Heitor, "é preciso investir, reunir um esforço público e privado e é isso que tem sido debatido nos últimos seis meses para se criar um mecanismo novo em Portugal de financiar e de avaliar os chamados centros académicos clínicos".

"Há um ano criámos com o Ministério da Saúde, com as escolas médicas, com os centros de investigação biomédica e com unidades de cuidados de saúde o chamado Conselho Nacional dos Centros Académicos Clínicos e, agora, vamos dar mais um passo na formalização desses centros académicos e na orientação para a criação de uma agência que possa avaliar e financiar e, assim, podermos aproximar-nos da Europa", referiu o ministro.

Justificando a criação de uma nova agência quando já existe a Fundação para a Ciência e Tecnologia, Manuel Heitor disse que "esta área clínica tem mecanismos próprios de avaliação e de financiamento, é uma especificidade tão característica da própria atividade de investigação que muitos países, nomeadamente do centro e norte da Europa, já especializaram os mecanismos de financiamento e avaliação na área, criando agências especializadas".

"É esse o passo que estamos a dar, de especializar o nosso sistema de financiamento e avaliação na área clínica", disse o ministro da Ciência, acrescentando que se pretende uma aproximação da Europa, seguindo as melhores práticas, e este "é um passo decisivo" para melhorar a relação entre o sistema científico e o Serviço Nacional de Saúde.

O ministro disse ainda que Portugal vai integrar, através do Porto.Comprehensive Cancer Center -- consórcio entre o I3S e o IPO-Porto que agrega 24 grupos de investigação -- a mais importante rede europeia de investigação em cancro, o Cancer Core Europe.

Ler mais

Premium

Rosália Amorim

"Sem emoção não há uma boa relação"

A frase calorosa é do primeiro-ministro António Costa, na visita oficial a Angola. Foi recebido com pompa e circunstância, por oito ministros e pelo governador do banco central e com honras de parada militar. Em África a simbologia desta grande receção foi marcante e é verdadeiramente importante. Angola demonstrou, para dentro e para fora, que Portugal continua a ser um parceiro importante. Ontem, o encontro previsto com João Lourenço foi igualmente simbólico e relevante para o futuro desta aliança estratégica.

Premium

João Gobern

Tirar a nódoa

São poucas as "fugas", poucos os desvios à honestidade intelectual que irritem mais do que a apropriação do alheio em conluio com a apresentação do mesmo com outra "assinatura". É vulgarmente referido como plágio e, em muitos casos, serve para disfarçar a preguiça, para fintar a falta de inspiração (ou "bloqueio", se preferirem), para funcionar como via rápida para um destino em que parece não importar o património alheio. No meio jornalístico, tive a sorte de me deparar com poucos casos dessa prática repulsiva - e alguns deles até apresentavam atenuantes profundas. Mas também tive o azar de me cruzar, por alguns meses, tempo ainda assim demasiado, com um diretor que tinha amealhado créditos ao publicar como sua uma tese universitária, revertido para (longo) artigo de jornal. A tese e a história "passaram", o diretor foi ficando. Até hoje, porque muitos desconhecem essa nódoa e outros preferiram olhar para o lado enquanto o promoviam.