Mil deslocados e pelo menos três mortos nos incêndios da Madeira

As chamas consumiram várias casas no centro da cidade do Funchal. O emblemático hotel Choupana Hills ardeu na totalidade

Três pessoas morreram na terça-feira, no Funchal, na sequência dos incêndios que deflagraram no concelho na segunda-feira, disse hoje fonte do Governo Regional da Madeira.

As mortes ocorreram na zona da Pena, na freguesia de Santa Luzia, na travessa Silvestre Quintino de Freitas, sendo moradores de duas das residências atingidas pelo fogo.

Na terça-feira, fonte do Governo regional já tinha adiantado a morte de uma idosa que estava acamada numa das habitações afetadas.

A mesma fonte do governo regional adiantou que uma pessoa está dada como desaparecida.

Cerca de mil pessoas já tiveram de ser retiradas de casas e hotéis para vários locais do concelho do Funchal, Madeira, disse hoje o presidente da autarquia. "Temos cerca de mil deslocados de casas e hotéis, são residentes e turistas. Cerca de 600 estão no Regimento de Guarnição n.º 3 (Exército), 300 estão no estádio dos Barreiros e 50 no centro cívico de São Martinho", afirmou à agência Lusa Paulo Cafôfo pelas 03:00, quando se encontrava neste último local e já depois de ter passado pelas instalações do Exército.

Terça-feira à noite o fogo desceu à baixa do Funchal, depois de ter deflagrado na tarde de segunda-feira na zona alta, em São Roque e de se ter alastrado a outras áreas. Há também chamas a lavrar noutros concelhos da ilha.

Assinalando ser "impossível" fazer, neste momento, a contabilidade do número de edifícios que arderam, porque a preocupação está centrada na "intervenção rápida e eficaz" no combate ao incêndio, Paulo Cafôfo confirmou, contudo, que o emblemático hotel Choupana Hills ardeu. O autarca adiantou que as pessoas estão a ser acompanhadas com apoio psicológico e por voluntários e, "embora desgostosas com o que se está a passar, estão tranquilas".

O presidente do maior município da Região Autónoma da Madeira acrescentou àquela hora existirem duas situações a gerar "maior preocupação", o incêndio no núcleo histórico de São Pedro e um reacendimento nas Babosas, no Monte. No primeiro caso, Paulo Cafôfo esclareceu que "se se mantiverem as condições meteorológicas, serão necessárias mais duas ou três horas de trabalho", acreditando que "o pior já passou, mas ainda há o combate ao fogo em alguns edifícios, a que se segue a fase de rescaldo". Na zona das Babosas, que "já tinha tido problemas, está com reacendimento e estão a ser deslocados meios para o local".

As chamas deflagraram nas zonas altas do Funchal, em São Roque, pelas 15:30 de segunda-feira e, na terça-feira à noite, o fogo desceu à baixa do Funchal, havendo ainda incêndios a lavrar noutros concelhos da ilha.

Os incêndios já provocaram um morto, centenas de desalojados, dois feridos graves e evacuações de dois hospitais, lares de idosos e alguns hotéis. Há avultados danos materiais. As elevadas temperaturas e o vento forte têm estado a dificultar as operações de combate às chamas.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Ricardo Paes Mamede

O populismo entre nós

O sucesso eleitoral de movimentos e líderes populistas conservadores um pouco por todo o mundo (EUA, Brasil, Filipinas, Turquia, Itália, França, Alemanha, etc.) suscita apreensão nos países que ainda não foram contagiados pelo vírus. Em Portugal vários grupúsculos e pequenos líderes tentam aproveitar o ar dos tempos, aspirando a tornar-se os Trumps, Bolsonaros ou Salvinis lusitanos. Até prova em contrário, estas imitações de baixa qualidade parecem condenadas ao fracasso. Isso não significa, porém, que o país esteja livre de populismos da mesma espécie. Os riscos, porém, vêm de outras paragens, a mais óbvia das quais já é antiga, mas perdura por boas e más razões - o populismo territorial.

Premium

João Gobern

Navegar é preciso. Aventuras e Piqueniques

Uma leitura cruzada, à cata de outras realidades e acontecimentos, deixa-me diante de uma data que, confesso, chega e sobra para impressionar: na próxima semana - mais exatamente a 28 de novembro - cumpre-se meio século sobre a morte de Enid Blyton (1897-1968). Acontece que a controversa escritora inglesa, um daqueles exemplos que justifica a ideia que cabe na expressão "vícios privados, públicas virtudes", foi a minha primeira grande referência na aproximação aos livros. Com a ajuda das circunstâncias, é certo - uma doença, chata e "comprida", obrigou-me a um "repouso" de vários meses, longe da escola, dos recreios e dos amigos nos idos pré-históricos de 1966. Esse "retiro" foi mitigado em duas frentes: a chegada de um televisor para servir o agregado familiar - com direito a escalas militantes e fervorosas no Mundial de Futebol jogado em Inglaterra, mas sobretudo entregue a Eusébio e aos Magriços, e os livros dos Cinco (no original The Famous Five), nada menos do que 21, todos lidos nesse "período de convalescença", de um forma febril - o que, em concreto, nada a tinha que ver com a maleita.