Lavar as mãos, o hábito simples que pode salvar milhões de vidas

É nos hospitais que existe o maior perigo por causa das bactérias multirresistentes e onde estão internadas as pessoas mais frágeis. Hoje é o Dia Mundial da Lavagem das Mãos

Onde quer que as mãos toquem, há bactérias. E a zona onde mais se concentram é na ponta dos dedos. É por isso que o mote para o Dia Mundial da Lavagem das Mãos, que se assinala hoje, é "tornar a lavagem das mãos um hábito" que tem de começar logo de pequenino e que é tão importante para as famílias como nos hospitais. Antes de comer, depois de ir à casa de banho, quando se chega a casa ou numa visita ao médico. E se lavar as mãos é importante no nosso dia-a-dia, pode mesmo fazer a diferença e salvar literalmente milhões de vidas em zonas subdesenvolvidas, como na África subsariana ou no sudeste asiático, onde todos os anos morrem cerca de 2,5 milhões de crianças com infeções respiratórias ou diarreia.

Não é por acaso que lavar as mãos tem dois dias mundiais: um criado pela Organização Mundial de Saúde a 5 de maio e outro, o que se assinala hoje, que surge de um movimento que junta entidades privadas e publicas como a Unicef. Estudos feitos por todo o mundo, incluindo Portugal, mostram que nos hospitais os únicos sítios sem bactérias são os caixotes do lixo porque se usam os pés para abrir e que há bactérias que deixaram o ambiente hospitalar e foram encontradas nos autocarros que circulam mais próximos dos hospitais.

"As bactérias não se veem e as pessoas não têm noção do perigo. Se tivermos a prática de lavar as mãos quando chegamos a casa, de certeza que a probabilidade de apanhar uma gripe ou outra doença é menor. Quando era criança, aprendi que se tinha de lavar as mãos sempre antes de uma refeição. É preciso introduzir esta prática, tal como se diz bom dia e boa tarde", afirma Luís Lapão, investigador do Instituto de Higiene e Medicina Tropical na área de saúde pública internacional.

É nos hospitais que concentra o maior perigo porque "é onde estão as pessoas mais fragilizadas". "Há bactérias normais para as quais os médicos prescrevem um antibiótico que as mata. A questão é que o excesso de antibióticos está a levar à existência de resistências. A bactéria é um sistema vivo e se as alimentarmos com antibióticos que as tornam mais fortes é um perigo. Quando têm de passar de um lado para o outro, as bactérias precisam de um vetor. E aqui está o problema da higiene das mãos. Queremos hospitais seguros e a lavagem das mãos é uma das medidas", aponta.

"Quando temos falta de recursos, uma arquitetura dos serviços desadequada, a realidade sobrepõe-se ao que se deve fazer. Temos em teste um sistema de informação que permite medir quando os enfermeiros estão próximos e quando higienizam as mãos. É uma espécie de jogo que dá pontos quando o fazem", explica. Mas será que lavar as mãos é assim tão simples? "Pedimos a um enfermeiro para durante o turno de sete horas lavasse as mãos com todas as regras em todas as ocasiões para calcularmos o tempo. Do total das sete horas, perto de uma foi na lavagem das mãos. Terão sido mais de uma centena de vezes ao longo dia. É preciso reconhecer a complexidade do problema e é muito importante o apoio dos conselhos de administração", diz Luís Lapão.

Mesmo sem tanta técnica, ensine em casa o fundamental às crianças: molhar o suficiente as mãos com água, usar sabonete e esfregar durante 20 segundos para fazer espuma e enxaguar em água corrente para que fiquem bem limpas.

Ler mais

Exclusivos

Opinião

DN+ João

Os floristas da Rua da Alegria, no Porto, receberam uma encomenda de cravos vermelhos para o dia seguinte e não havia cravos vermelhos. Pediram para que lhes enviassem alguns do Montijo, onde havia 20, de maneira a estarem no Porto no dia 18 de julho. Assim foi, chegaram no dia marcado. A pessoa que os encomendou foi buscá-los pela manhã. Ela queria-os todos soltos, para que pudessem, assim livres, passar de mão em mão. Quando foi buscar os cravos, os floristas da Rua da Alegria perguntaram-lhe algo parecido com isto: "Desculpe a pergunta, estes cravos são para o funeral do Dr. João Semedo?" A mulher anuiu. Os floristas da Rua da Alegria não aceitaram um cêntimo pelos cravos, os últimos que encontraram, e que tinham mandado vir no dia anterior do Montijo. Nem pensar. Os cravos eram para o Dr. João Semedo e eles queriam oferecê-los, não havia discussão possível. Os cravos que alguns e algumas de nós levámos na mão eram a prenda dos floristas da Rua da Alegria.

Opinião

DN+ Quem defende o mar português?

Já Pascal notava que através do "divertimento" (divertissement) os indivíduos deixam-se mergulhar no torpor da futilidade agitada, afastando-se da dura meditação sobre a nossa condição finita e mortal. Com os povos acontece o mesmo. Se a história do presente tiver alguém que a queira e possa escrever no futuro, este pobre país - expropriado de alavancas económicas fundamentais e com escassa capacidade de controlar o seu destino coletivo - transformou 2018 numa espécie de ano do "triunfo dos porcos". São incontáveis as criaturas de mérito duvidoso que através do futebol, ou dos casos de polícia envolvendo tribalismo motorizado ou corrupção de alto nível, ocupam a agenda pública, transformando-se nos sátiros da nossa incapacidade de pensar o que é essencial.

Opinião

DN+ A Cimeira da CPLP em Cabo Verde: a identidade e o poder pelo diálogo

Não é possível falar da CPLP sem falar de identidade. Seja ela geográfica e territorial, linguística, económica, cultural ou política, ao falarmos da CPLP ou de uma outra sua congénere, estaremos sempre a falar de identidade. Esta constatação parece por de mais óbvia e por de menos necessária, se não vivêssemos nos tempos em que vivemos. Estes tempos, a nível das questões da identidade coletiva, são mais perigosos do que os de antigamente? À luz do que a humanidade já viveu até agora, não temos, globalmente, o direito de afirmar que sim. Mas nunca como agora foi tão fácil influenciar o processo de construção da identidade de um grupo, de uma comunidade e, inclusivamente, de um povo.