Jornada humana "out of África" ocorreu há cerca de 200 mil anos

Descoberta de um fóssil de Homo sapiens com 177 mil a 194 mil anos, em Israel, está a rescrever a história da espécie humana

A pergunta andava no ar e ganhou mais força depois da descoberta, no ano passado, em Marrocos, dos mais antigos fósseis de Homo sapiens, com 315 mil anos. Isso mostrou que os humanos modernos têm mais cem mil anos do que se pensava. No entanto, os fósseis mais antigos de Homo sapiens fora do continente africano tinham apenas cerca de cem mil anos. Daí a pergunta: então, porque tardou tanto essa jornada out of Africa?

A descoberta de um fragmento de maxilar da moderna espécie humana encontrado na caverna de Misliya, em Israel, e com idade estimada entre 177 mil e 190 mil anos, vem resolver o mistério. Afinal, essa viagem primordial que levou os primeiros Homo sapiens para fora de África aconteceu pelo menos 50 mil antes do que pensava, entre há 170 mil e 220 mil anos. É a história humana a ser rescrita em direto, perante os nossos olhos.

Para a equipa que descobriu o precioso fóssil, este é obviamente um momento muito especial, como o exprimiu o investigador e antropólogo Rolf Quam, da Universidade de Binghamton, nos Estados Unidos, e um dos coautores do estudo, que é publicado hoje na revista Science. "Misliya é uma descoberta emocionante", diz ele, porque "fornece a prova mais clara que temos até hoje de que os nossos antepassados primeiro migraram para fora de África muitos antes do que pensávamos".

Outra implicação importante desta antecipação em pelo 50 mil anos da saída do continente-berço da humanidade é a de que a interação entre os humanos modernos (a única espécie do género Homo que não se extinguiu) e os grupos humanos mais arcaicos ganhou em termos de espaço temporal, "com tudo o que isso representou de mais oportunidades de trocas culturais e biológicas", como explica Rolf Quam.

O fragmento de maxilar, ainda com alguns dentes, foi sujeito a registos por scanner, o que permitiu reconstituir o modelo completo e detalhado do maxilar em 3D, para se poder fazer a sua comparação com os outros fósseis conhecidos de hominídeos. Isso revelou as suas formas modernas, bem como algumas características que também se podem encontrar nos Neandertais.

Por isso, um dos desafios deste estudo "foi identificar sinais que são únicos nos humanos modernos", sublinha Rolf Quam. E a verdade é que isso acabou por se confirmar.

Antes deste achado, os restos fossilizados de humanos modernos mais antigos que se conheciam, encontrados fora do continente africano, eram um conjunto de fragmentos de crânios provenientes, mais uma vez, de Israel, de um sítio arqueológico chamado Quafzeh. A sua idade está estimada entre 90 mil e 120 mil anos e o seu estudo foi publicado em 1993.

Há dois anos, a descoberta de uma série de dentes de Homo sapiens com mais ou menos a mesma idade (80 mil a 120 mil anos), num local absolutamente improvável - numa zona remota da China, em Daoxian - pôs os cientistas a coçar a cabeça. Como poderiam estar ali aqueles vestígios tão antigos, se a saída de África da moderna espécie humana ainda nem sequer tinha ocorrido, ou na melhor das hipóteses, estava ainda a iniciar-se? Daoxian dista milhares de quilómetros do corredor de saída pelo Levante, e por isso, muitas questões ficavam por responder.

A adensar o mistério, um estudo genético publicado no ano passado a partir de fósseis de Homo sapiens e Neandertais revelou uma mistura entre ambos muito anterior a tudo o que até então se supunha, datada de há 220 mil anos. E, ainda em 2017, chegou a outra grande novidade: a de que os humanos modernos surgiram em África há pelo menos 300 mil anos.

O estudo hoje publicado na Science, que mostra a presença dos humanos modernos em terras do Levante entre há 177 mil e 194 mil anos, e que comprova que a saída de África do Homo sapiens ocorreu pelo menos 50 mil anos antes do que se pensava, acaba por ser a peça que faltava para solucionar estes enigmas e compor o puzzle.

A equipa que fez o estudo, que incluiu investigadores de vários países, e que foi coordenada por Israel Hershkovitz, da Universidade de Telavive, não tem dúvidas: "Esta descoberta muda a nossa visão acerca da dispersão dos humanos modernos e é consistente com os estudos genéticos recentes que já haviam levantado a possibilidade de uma dispersão do Homo sapiens [a partir de África], há cerca de 220 mil anos".

O seu estudo mostra também que esses primeiros habitantes modernos da caverna de Misliya usavam e controlavam o fogo, produziam ferramentas de pedra e eram exímios caçadores de grandes animais, como os veados.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Ricardo Paes Mamede

O populismo entre nós

O sucesso eleitoral de movimentos e líderes populistas conservadores um pouco por todo o mundo (EUA, Brasil, Filipinas, Turquia, Itália, França, Alemanha, etc.) suscita apreensão nos países que ainda não foram contagiados pelo vírus. Em Portugal vários grupúsculos e pequenos líderes tentam aproveitar o ar dos tempos, aspirando a tornar-se os Trumps, Bolsonaros ou Salvinis lusitanos. Até prova em contrário, estas imitações de baixa qualidade parecem condenadas ao fracasso. Isso não significa, porém, que o país esteja livre de populismos da mesma espécie. Os riscos, porém, vêm de outras paragens, a mais óbvia das quais já é antiga, mas perdura por boas e más razões - o populismo territorial.

Premium

João Gobern

Navegar é preciso. Aventuras e Piqueniques

Uma leitura cruzada, à cata de outras realidades e acontecimentos, deixa-me diante de uma data que, confesso, chega e sobra para impressionar: na próxima semana - mais exatamente a 28 de novembro - cumpre-se meio século sobre a morte de Enid Blyton (1897-1968). Acontece que a controversa escritora inglesa, um daqueles exemplos que justifica a ideia que cabe na expressão "vícios privados, públicas virtudes", foi a minha primeira grande referência na aproximação aos livros. Com a ajuda das circunstâncias, é certo - uma doença, chata e "comprida", obrigou-me a um "repouso" de vários meses, longe da escola, dos recreios e dos amigos nos idos pré-históricos de 1966. Esse "retiro" foi mitigado em duas frentes: a chegada de um televisor para servir o agregado familiar - com direito a escalas militantes e fervorosas no Mundial de Futebol jogado em Inglaterra, mas sobretudo entregue a Eusébio e aos Magriços, e os livros dos Cinco (no original The Famous Five), nada menos do que 21, todos lidos nesse "período de convalescença", de um forma febril - o que, em concreto, nada a tinha que ver com a maleita.

Premium

Henrique Burnay

O momento Trump de Macron

Há uns bons anos atrás, durante uns dias, a quem pesquisasse, no Yahoo ou Google, já não me lembro, por "great French military victories" era sugerido se não quereria antes dizer "great French military defeats". A brincadeira de algum hacker com sentido de ironia histórica foi mais ou menos repetida há dias, só que desta vez pelo presidente dos Estados Unidos, depois de Macron ter dito a frase mais grave que podia dizer sobre a defesa europeia. Ao contrário do hacker de há uns anos, porém, nem o presidente francês nem Donald Trump parecem ter querido fazer humor ou, mais grave, percebido a História e o presente.

Premium

Ruy Castro

Um Vinicius que você não conheceu

Foi em dezembro de 1967 ou janeiro de 1968. Toquei a campainha da casa na Gávea, bairro delicioso do Rio, onde morava Vinicius de Moraes. Vinicius, você sabe: o poeta, o compositor, o letrista, o showman, o diplomata, o boémio, o apaixonado, o homem do mundo. Ia entrevistá-lo para a Manchete, revista em que eu trabalhava. Um empregado me conduziu à sala e mandou esperar. De repente, passaram por mim, vindas lá de dentro, duas estagiárias de jornal ou, talvez, estudantes de jornalismo - lindas de morrer, usando perturbadoras minissaias (era a moda na época), sobraçando livros ou um caderno de anotações, rindo muito, e foram embora. E só então Vinicius apareceu e me disse olá. Vestia a sua tradicional camisa preta, existencialista, de malha, arregaçada nos cotovelos, a calça cor de gelo, os sapatos sem meias - e cheirava a talco ou sabonete, como se tivesse acabado de sair do banho.

Premium

Maria do Rosário Pedreira

Dispensar o real

A minha mãe levou muito a sério aquele slogan dos anos 1970 que há quem atribua a Alexandre O'Neill - "Há sempre um Portugal desconhecido que espera por si" - e todos os domingos nos metia no carro para conhecermos o país, visitando igrejas, monumentos, jardins e museus e brindando-nos no final com um lanche em que provávamos a doçaria típica da região (cavacas nas Caldas, pastéis em Tentúgal). Conheci Santarém muito antes de ser a "Capital do Gótico" e a Capela dos Ossos foi o meu primeiro filme de terror.