O Homem já sobreviveu a uma mudança súbita de clima

Há 11.000 anos, os nossos antepassados sobreviveram a uma queda abrupta de temperaturas. Viveram assim mais de 100 anos

Os cientistas têm alertado para o impacto das alterações climáticas na sobrevivência do próprio ser humano. A boa notícia é que os nossos antepassados já sobreviveram a algo parecido.

Há 11.000 anos, os humanos tiveram de enfrentar uma súbita quebra nas temperaturas: de 10 a 40 graus, que duraram mais de um século. A descoberta foi feita através de vestígios recolhidos no sítio arqueológico Star Carr, no Yorshire do Norte, em Inglaterra, da Idade da Pedra média. As principais conclusões foram publicadas, esta segunda-feira, na revista Nature Ecology & Evolution.

"A população de Star Carr, uma das primeiras colónias na Inglaterra depois da última idade do gelo, teve de ser muito resiliente à instabilidade climática, capaz de preservar e manter uma sociedade estável, apesar do stresse ambiental", justificou Ian Candy, autor do estudos e professor de geografia na Universidade Royal Holloway de Londres, por email enviado à CNN.

Os cientistas das universidades de York e Royal Holloway acreditam que este episódio de queda abrupta das temperaturas é maior do que aquele que aconteceu há 8200 anos e que está já bastante estudado. "Estas descobertas mudam a ideia que tínhamos da interação entre as sociedades pré-históricas e as alterações climáticas. Os eventos climáticos abruptos de Star Carr são tão grandes, se não maiores, do que a magnitude do que aconteceu há 8200 anos e ainda assim as populações foram resilientes perante o impacto desses acontecimentos", acrescentou o professor.

O estudo cruzou as temperaturas que se fizeram sentir naquela época, com os artefactos que foram sendo encontrados em Star Carr. As provas mostram que a presença humana foi uma constante nos 100 anos de temperaturas baixas. Foi nesta altura que os glaciares começaram a recuar e as suas águas frias entraram no Oceano Atlântico norte.

Apesar das florestas terem sido afetadas por este frio, os nossos antepassados caçadores-recolectores sobreviveram porque nunca lhes faltou, por exemplo, as peles e a carne de veados-vermelhos.

A má notícia é que à época, a densidade populacional era bem menor, aumentando as hipóteses de fuga para outros locais. "A população atual coloca muito mais pressão nos recursos dos quais dependemos, muitos dos quais vão ser afetados pelas alterações climáticas futuras. Além disso, a população de Star Carr fazia parte de uma tradição de ultrapassar experiências dramáticas de mudanças de clima no final da última idade, extrema instabilidade climática fazia parte da vida deles. Pelo contrário, a nossa sociedade tem conhecido séculos, ou mesmo milénios de estabilidade climática", explicou Ian Candy.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Henrique Burnay

A ameaça dos campeões europeus

No dia 6 de fevereiro, Margrethe Vestager, numa só decisão, fez várias coisas importantes para o futuro da Europa, mas (quase) só os jornais económicos repararam. A comissária europeia para a Concorrência, ao impedir a compra da Alstom pela Siemens, mostrou que, onde a Comissão manda, manda mais do que os Estados membros, mesmo os grandes; e, por isso mesmo, fez a Alemanha e a França dizerem que querem rever as regras do jogo; relançou o debate sobre se a Europa precisa, ou não (e em que condições), de campeões para competir na economia global; e arrasou com as suas possibilidades (se é que existiam) de vir a suceder a Jean-Claude Juncker.

Premium

Anselmo Borges

Islamofobia e cristianofobia

1. Não há dúvida de que a visita do Papa Francisco aos Emirados Árabes Unidos de 3 a 5 deste mês constituiu uma visita para a história, como aqui procurei mostrar na semana passada. O próprio Francisco caracterizou a sua viagem como "uma nova página no diálogo entre cristianismo e islão". É preciso ler e estudar o "Documento sobre a fraternidade humana", então assinado por ele e pelo grande imã de Al-Azhar. Também foi a primeira vez que um Papa celebrou missa para 150 mil cristãos na Península Arábica, berço do islão, num espaço público.

Premium

Adriano Moreira

Uma ameaça à cidadania

A conquista ocidental, que com ela procurou ocidentalizar o mundo em que agora crescem os emergentes que parecem desenhar-lhe o outono, do modelo democrático-liberal, no qual a cidadania implica o dever de votar, escolhendo entre propostas claras a que lhe parece mais adequada para servir o interesse comum, nacional e internacional, tem sofrido fragilidades que vão para além da reforma do sistema porque vão no sentido de o substituir. Não há muitas décadas, a última foi a da lembrança que deixou rasto na Segunda Guerra Mundial, pelo que a ameaça regressa a várias latitudes.