Higiene, sinalização e discriminação foram as infrações detetadas pela ASAE no Urban

Os inspetores da ASAE fizeram várias visitas à Urban Beach, algumas motivadas pela falta de licenciamento para a atividade. Instauram processos contraordenacionais e crime

A Autoridade de Segurança Alimentar e Económica (ASAE) abriu vários processos contraordenacionais e crime aos proprietários da discoteca Urban Beach, em Lisboa. Na origem destas ações, estão "a falta de afixação das informações ao público nos estabelecimento de restauração e bebidas, a recusa em facultar o livro de reclamações e instruções ou ordens com vista à discriminação direta ou indireta", bem como "o incumprimento dos requisitos de higiene" e "a falta de sinalização ou sinalização incorreta".

É a resposta da porta-voz daquela estrutura ao DN sobre as operações de fiscalização realizadas àquele espaço de diversão noturna, umas por iniciativa própria e outras desencadeadas pelos autos de notícia da PSP e por denúncias, nomeadamente de pessoas que se queixam de discriminação no acesso.

Destacam-se como principais matérias, explica a ASAE, "a usurpação de direitos de autor e direitos conexos, a falta de mera comunicação prévia e de afixação das informações a disponibilizar ao público nos estabelecimento de restauração e bebidas, a recusa em facultar o livro de reclamações e instruções ou ordens com vista à discriminação direta ou indireta".

Uma das pessoas que acusa a gerência da Urban Beach de discriminação é o atleta olímpico Nelson Évora, em 2014, mas este tipo de protestos é "recorrente não só neste como em outros espaços noturnos", denunciam os dirigentes do SOS Racismo. E a Comissão para a Igualdade e Contra a Discriminação Racial confirmou ao DN a existência de uma ação este ano.

A falta de licenciamento para a atividade de diversão noturna com dança motivaram várias visitas dos inspetores da ASAE e levaram à instauração de processos contraordenacionais. Há pelo menos dois anos que o documento não era apresentado nas vistorias ao Urban, o que originou contraordenações. A estrutura esclarece, no entanto, que não é da sua responsabilidade o encerramento de um espaço naquelas condições. Segundo o Observador, a PSP instaurou 12 processos por falta de licença de utilização.

As principais infrações detetadas pela ASAE entre 2009 e 2016 referem-se "ao incumprimento dos requisitos gerais e específicos de higiene, à falta de condições de temperaturas de armazenagem e de sinalização ou sinalização incorreta e à desobediência dos requisitos de instalação e de ao funcionamento e classificação". Acrescenta a ASAE que também os outros estabelecimentos do Grupo K foram alvo de inspeção e que não diminuíram as ações de fiscalização aos estabelecimentos noturnos 2016.

A Urban Beach foi inaugurada em 2009 no espaço anteriormente ocupado pelo Kubo, que só abria durante os meses de verão.

O DN tem tentado contactar Paulo Dâmaso, o administrador responsável pela Urban Beach, sem sucesso. Os responsáveis da discoteca apresentaram na quinta-feira uma providência cautelar no Tribunal Administrativo de Lisboa contra o Ministério da Administração Interna. O objetivo é suspender a ordem de encerramento do espaço no dia 3 de novembro. Uma decisão na sequência das agressões de três seguranças a duas pessoas, que foram gravadas e correram as redes sociais. Ouvidos em tribunal, dois ficaram em prisão preventiva, indiciados pelo crime de homicídio na forma tentada, e o terceiro saiu em liberdade com termo de identidade e residência, de ofensas à integridade física.

Ler mais

Exclusivos

Premium

João Gobern

País com poetas

Há muito para elogiar nos que, sem perspectivas de lucro imediato, de retorno garantido, de negócio fácil, sabem aproveitar - e reciclar - o património acumulado noutras eras. Ora, numa fase em que a Poesia se reergue, muitas vezes por vias "alternativas", de esquecimentos e atropelos, merece inteiro destaque a iniciativa da editora Valentim de Carvalho, que decidiu regressar, em edições "revistas e aumentadas", ao seu magnífico espólio de gravações de poetas. Originalmente, na colecção publicada entre 1959 e 1975, o desafio era grande - cabia aos autores a responsabilidade de dizerem as suas próprias criações, acabando por personalizá-las ainda mais, injectando sangue próprio às palavras que já antes tinham posto ao nosso dispor.