Facebook está a ficar velho e a perder amigos jovens para o Snapchat

Estudo no Reino Unido mostra um aumento dos utilizadores com mais de 55 anos e a diminuição dos que têm entre 12 e 24 anos, que estão a migrar para plataformas rivais.

Os adolescentes e jovens adultos estão a trocar o Facebook pelo Snapchat, segundo um estudo no Reino Unido, que mostra pelo contrário um aumento da popularidade da rede de Mark Zuckerberg nos utilizadores com mais de 55 anos.

Em 2018, 6,7 milhões de utilizadores entre os 12 e os 24 anos vão usar o Facebook regularmente no Reino Unido, o que representa menos 700 mil do que no ano passado. Mas, segundo o relatório da eMarketer, citado pelo The Guardian, haverá um aumento de 500 mil novos utilizadores com mais de 55 anos, prevendo-se este ano um total de 6,4 milhões de utilizadores regulares entre 55 e 65 anos.

"Existem vários fatores", indicou Richard Broughton, analista na Ampere. "Uma é que as pessoas mais velhas têm tendência a chegar mais tarde à festa da Internet", indicou. "E com a experiência de vídeo e foto do Facebook é uma plataforma onde podem acompanhar a vida social dos filhos e netos", acrescentou.

O Facebook celebrou 14 anos no início do mês e continua a ser a principal rede social no reino Unido. Contudo, a queda entre os jovens representa um problema. A rede de Zuckerberg está a tentar travar o êxodo de utulizadores através, por exemplo, de uma versão do Messenger para crianças.

"O Facebook tem um problema de adolescentes", disse Bill Fisher, analista da eMarketer, citado pelo jornal britânico. "A última previsão indica que isto é mais do que uma teoria. Até agora, tem conseguido que quem muda plataformas acabe no Instagram", referiu, referindo-se à rede social que o Facebook comprou em 2012. "Contudo, a liderar a mudança para uma nova audiência está o Snapchat. Há agora sinais de que os jovens estão a ser influenciados pelo Snapchat", acrescentou.

Nos últimos três anos, o Snapchat mais do que duplicou a sua taxa de usuários no Reino Unido dentro dos utilizadores de redes sociais para 43%.

Exclusivos