Explicado mistério do desaparecimento do pombo migrador norte-americano

Estes animais prosperaram durante dezenas de milhares de anos até terem uma extinção súbita

O mistério da extinção súbita do pombo migrador norte-americano no início do século XX explica-se porque era geneticamente incapaz de viver em grupos pequenos, segundo um estudo publicado quinta-feira na revista Science.

A população de pombos quando os primeiros colonos chegaram à América estava entre os três e cinco mil milhões de animais, mas apesar desses números, a caça intensiva no século XIX fez com que chegasse à extinção.

"Os pombos migradores norte-americanos prosperaram durante dezenas de milhares de anos até terem uma extinção súbita. Paradoxalmente, a sua enorme população pode ter sido um fator determinante", afirmou a investigadora Beth Shapiro, professora de biologia e ecologia na Universidade da Califórnia.

Estudando o ADN de pombos conservados em museus, conseguiram determinar a sua diversidade genética e descobriram que a seleção natural era extremamente eficaz na espécie. Por ser tão numersa, as mutações genéticas benéficas propagavam-se rapidamente e as negativas desapareciam também rapidamente.

Assim, havia pouca diversidade genética na espécie, o que não a impediu de ter estabilizado durante pelo menos 20.000 anos, estimam os biólogos, porque antes da colonização vivia em grupos enormes que eram melhores a defender-se dos predadores, encontrar alimento e reproduzir-se.

Do estudo conclui-se que os pombos, que estavam adaptados a um modo de vida gregário, não conseguiram sobreviver em pequenos grupos quando começaram a ser caçados em larga escala.

Os cientistas tiram daqui conclusões mais vastas para as espécies, demonstrando que até as grandes populações podem desaparecer rapidamente.

Ler mais

Premium

Anselmo Borges

Francisco ​​​​​​​em Pequim?

1. A perseguição aos cristãos foi particularmente feroz durante a Revolução Cultural no tempo de Mao. Mas a situação está a mudar de modo rápido e surpreendente. Desde 1976, com a morte de Mao, as igrejas começaram a reabrir e há quem pense que a China poderá tornar-se mais rapidamente do que se julgava não só a primeira potência económica mundial mas também o país com maior número de cristãos. "Segundo os meus cálculos, a China está destinada a tornar-se muito rapidamente o maior país cristão do mundo", disse Fenggang Yang, professor na Universidade de Purdue (Indiana, Estados Unidos) e autor do livro Religion in China. Survival and Revival under Communist Rule (Religião na China. Sobrevivência e Renascimento sob o Regime Comunista). Isso "vai acontecer em menos de uma geração. Não há muitas pessoas preparadas para esta mudança assombrosa".