Elon Musk acredita que haverá uma nova corrida espacial

Um lançamento espacial histórico, um carro vermelho que queria ser marciano e Marte agora mais à mão. A empresa SpaceX deu um passo decisivo para tornar as viagens espaciais longas mais viáveis e frequentes

Com o estrondoso êxito do lançamento, ontem, do seu foguetão Falcon Heavy, que agora coloca no horizonte do real as viagens para Marte, Elon Musk, o patrão da SpaceX, espera que surja "uma nova corrida no espaço" por parte das empresas privadas e de outros países. Foi isso que escreveu num tweet, numa alusão ao tempo da Guerra Fria, em que os Estados Unidos e a ex-União Soviética levaram a sua rivalidade para o espaço, imprimindo uma aceleração decisiva à conquista espacial, que culminou na chegada à Lua.

Eram 20.45 (hora de Lisboa) de ontem quando o grande lançador, concebido em tempo recorde pela empresa americana SpaceX, se elevou no espaço, a partir de Cabo Canaveral, levando a bordo um carro elétrico da Tesla, de cor vermelha, para ser colocado na órbita de Marte, e assim demonstrar a capacidade do novo foguetão de lançar missões para Marte.

Missão cumprida. Depois de um ano de intensos testes dos seus foguetões Falcon 9 (mais pequenos), a SpaceX conseguiu lançar agora pela primeira vez o seu foguetão pesado, que é feito a partir de três Falcon 9 acoplados entre si e equipados com 27 motores.

É certo que o foguetão central se perdeu, como o próprio Elon Musk confirmou em conferência de imprensa algumas horas após o lançamento, mas o essencial, que era o largada do carro vermelho, o Tesla Roadster, em direção a Marte foi um sucesso, segundo as suas próprias palavras. "Passou além da órbita de Marte e continuou em direção à cintura de asteróides", informou ele já de madrugada, através de um novo tweet.

A SpaceX tem neste momento em curso, através da Internet, uma transmissão a partir do interior do Tesla Roadster. Chama-lhe Live Views of Starman e dali vê-se a Terra. Por isso é bem possível que o carro, o boneco-astronauta que leva a bordo, bem como uma placa em que estão inscritos os nomes dos seis mil trabalhadores da SpaceX fique mesmo por aqui, pela órbita da Terra.

Seja como for, a corrida está lançada. E as viagens espaciais mais ambiciosas, e também mais frequentes, tornaram-se possíveis.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Margarida Balseiro Lopes

Legalização do lobbying

No dia 7 de junho foi aprovada, na Assembleia da República, a legalização do lobbying. Esta regulamentação possibilitará a participação dos cidadãos e das empresas nos processos de formação das decisões públicas, algo fundamental num Estado de direito democrático. Além dos efeitos práticos que terá o controlo desta atividade, a aprovação desta lei traz uma mensagem muito importante para a sociedade: a de que também a classe política está empenhada em aumentar a transparência e em restaurar a confiança dos cidadãos no poder político.

Premium

Viriato Soromenho Marques

Erros de um sonhador

Não é um espetáculo bonito ver Vítor Constâncio contagiado pela amnésia que tem vitimado quase todos os responsáveis da banca portuguesa, chamados a prestar declarações no Parlamento. Contudo, parece-me injusto remeter aquele que foi governador do Banco de Portugal (BdP) nos anos críticos de 2000-2010 para o estatuto de cúmplice de Berardo e instrumento da maior teia de corrupção da história portuguesa, que a justiça tenta, arduamente, deslindar.

Premium

João Taborda da Gama

Por que não votam os açorianos?

Nesta semana, os portugueses, a ciência política em geral, e até o mundo no global, foram presenteados com duas ideias revolucionárias. A primeira, da lavra de Rui Rio, foi a de que o número de deputados do Parlamento fosse móvel tendo em conta os votos brancos e nulos. Mais brancos e nulos, menos deputados, uma versão estica-encolhe do método de Hondt. É a mesma ideia dos lugares vazios para brancos e nulos, que alguns populistas defendem para a abstenção. Mas são lugares vazios na mesma, medida em que, vingando a ideia, havia menos pessoas na sala, a não ser que se fizesse no hemiciclo o que se está a fazer com as cadeiras dos comboios da ponte, ou então que nestes anos com mais brancos e nulos, portanto menos deputados, se passasse a reunir na sala do Senado, que é mais pequenina, mais maneirinha. A ideia é absurda. Mas a esquerda não quis ficar para trás neste concurso de ideias eleitorais e, pela voz do presidente do Governo Regional dos Açores, Vasco Cordeiro, chega-nos a ideia de incentivar votos com dinheiro.