"É preciso mudar a Educação em Portugal. Escolas precisam de carinho"

Eunice Pinto fundou as Academias de Sucesso

Deixou as salas de aula, mas não abandonou o ensino e a educação. Dedicou-se à sua Academia de Sucesso e a fazer dos seus alunos crianças e jovens mais felizes e confiantes. Esse é o objetivo de Eunice Pinto.

Aos 42 anos, é proprietária de duas academias de estudo, cujo trabalho vai além das explicações e dos trabalhos de casa. "Fazemos sessões de coaching individual, baseamos a nossa intervenção no desenvolvimento infantil e na programação neurolinguística."

Licenciada em Gestão de Empresas, Eunice Pinto deu aulas de Economia e Gestão no ensino secundário. Durante seis anos foi professora no ensino público, fundou a Academia de Sucesso, há 12, e acabou por deixar o ensino oficial desencantada com a "falta de liberdade de ensinar de uma forma mais lúdica e mais criativa". A professora acredita "num modelo em que as crianças aprendem por projeto e no reconhecimento de que elas não aprendem todas da mesma maneira".

Por isso, a sua ideia para melhorar o país é "mudar o paradigma da educação em Portugal". Uma necessidade que considera "urgente".

Aos 42 anos, defende esta ideia nas suas duas academias - uma em Corroios e outra em Almada - e também em palestras em escolas. "As nossas escolas precisam de ter muitos mais abraços, amor, carinho e quando não se consegue resolver com abraços e carinhos é porque os abraços foram poucos, a falta de carinho está na base de muitos problemas comportamentais." É esta a mensagem que vai passar às escolas e uma preocupação que vê nos pais. Desde que abraçou esta pedagogia e se tornou trainee internacional de programação neurolinguística que tenta "sensibilizar os professores de que é preciso olharmos para as nossas crianças como mais do que seres que estão ali a aprender".

Nessa lógica e aproveitando os tempos que vivemos, Eunice passa a mensagem para os seus alunos de que vivemos "na globalização" e de que "temos de nos abrir ao mundo". Explicando aos mais novos a importância de recebermos refugiados e ajudarmos quem precisa. "Falamos muito nos refugiados, trabalhamos a partilha e a importância de acolhermos e de recebermos outras pessoas. Eles próprios são impulsionadores dessa partilha."

Eunice sublinha o facto de os mais novos viverem mais abertos para o mundo. "As novas gerações vêm viradas para o mundo, sedentas de informação e com acesso a ela. Cabe-nos a nós ter uma visão muito mais global e de que o nosso mundo não é o nosso quintal."

Uma visão de cidadania mais vasta que Eunice defende e na qual inclui a importância da União Europeia e da presença portuguesa neste espaço. "O que penso para mim tento transmitir às crianças, que é: se elas tiverem uma visão global, Portugal vai crescer e vai fazê-lo como parte da Europa e do mundo. Não podemos estar fechados e centrados nos rankings das escolas, no nosso pequeno mundo."

A fundadora da Academia de Sucesso considera que a chave para uma convivência sem fronteiras assenta na capacidade de ensinar os mais novos "a estarem no lugar dos outros, a estarem atentos ao outro".

Outra vertente essencial na formação de adultos conscientes é que aprendam a ter confiança em si próprios. O que a educadora faz através do clube de inteligência emocional, que tem a funcionar na academia de Almada. "É um espaço criado há dois anos e onde os miúdos falam dos seus medos, da raiva, da falta de confiança. É importante para a vida, termos miúdos confiantes e que acreditam neles próprios." Uma teoria que a própria aplica diariamente aos dois filhos - Catarina, de 11 anos, e Pedro Rafael, de 7. "São os primeiros a quem eu trabalho todos os dias a questão da confiança e de estarem atentos ao outro."

A essência da sua academia é que as crianças só começam a estudar quando estão bem emocionalmente. "Trabalhamos nesta metodologia de respeito pela criança, trabalhamos as convicções limitadoras - quando a criança diz "eu não sou capaz, não consigo" -, se não está bem emocionalmente." Isto porque "a criança é um todo e as questões emocionais estão primeiro, só depois de elas serem resolvidas é que podemos ter resultados escolares surpreendentes".

Isso começa logo na forma como se relacionam os professores e os alunos do 1.º ao 12.º ano, que frequentam as academias. "Não os tratamos por alunos, existe uma amizade, os alunos tratam-nos por tu, há uma conexão bastante forte, tem de haver emoção para haver aprendizagem."

Ler mais

Exclusivos

Premium

Henrique Burnay

Discretamente, sem ninguém ver

Enquanto nos Estados Unidos se discute se o candidato a juiz do Supremo Tribunal de Justiça americano tentou, ou não, há 36 anos abusar, ou mesmo violar, uma colega (quando tinham 17 e 15 anos), para além de tudo o que Kavanauhg pensa, pensou, já disse ou escreveu sobre o que quer que seja, em Portugal ninguém desconfia quem seja, o que pensa ou o que pretende fazer a senhora nomeada procuradora-geral da República, na noite de quinta-feira passada. Enquanto lá se esmiúça, por cá elogia-se (quem elogia) que o primeiro-ministro e o Presidente da República tenham muito discretamente combinado entre si e apanhado toda a gente de surpresa. Aliás, o apanhar toda a gente de surpresa deu, até, direito a que se recordasse como havia aqui genialidade tática. E os jornais que garantiram ter boas fontes a informar que ia ser outra coisa pedem desculpa mas não dizem se enganaram ou foram enganados. A diferença entre lá e cá é monumental.

Premium

Ruy Castro

À falta do Nobel, o Ig Nobel

Uma das frustrações brasileiras históricas é a de que, até hoje, o Brasil não ganhou um Prémio Nobel. Não por falta de quem o merecesse - se fizesse direitinho o seu dever de casa, a Academia Sueca, que distribui o prémio desde 1901, teria descoberto qualidades no nosso Alberto Santos-Dumont, que foi o verdadeiro inventor do avião, em João Guimarães Rosa, autor do romance Grande Sertão: Veredas, escrito num misto de português e sânscrito arcaico, e, naturalmente, no querido Garrincha, nem que tivessem de providenciar uma categoria especial para ele.