Descobertos vestígios de um novo dinossauro

Os cientistas estimam que o animal não mediria mais do que uma avestruz

Vestígios de uma nova espécie de dinossauro herbívoro foram descobertos em rochas com 113 milhões de anos no sudeste australiano, foi hoje divulgado.

Segundo um artigo da revista científica PeerJ, a descoberta de uma cauda fossilizada e de ossos das patas permite ter uma nova visão sobre a diversidade dos pequenos dinossauros herbívoros e bípedes chamados ornitópodes, que percorreram um grande vale de rifte (complexo de falhas geológicas) que existiu entre a Austrália e a Antártida.

O novo dinossauro foi batizado com o nome "Diluvicursor pickeringi", em homenagem a David Pickering, antigo curador das coleções de paleontologia de vertebrados dos museus de Vitória, na Austrália, que morreu em 2016.

Os restos do animal pré-histórico - cujos exemplares maiores seriam do tamanho de uma avestruz e os mais pequenos do tamanho de um peru - foram encontrados em 2005 numa plataforma rochosa, perto do cabo Otway, na costa sul do estado de Vitória.

A reconstrução preliminar da musculatura da cauda do "Diluvicursor pickeringi" sugere, de acordo com os autores do artigo científico, que o dinossauro era um grande corredor.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Nuno Artur Silva

Notícias da frente da guerra

Passaram cem anos do fim da Primeira Guerra Mundial. Foi a data do Armistício assinado entre os Aliados e o Império Alemão e do cessar-fogo na Frente Ocidental. As hostilidades continuaram ainda em outras regiões. Duas décadas depois, começava a Segunda Guerra Mundial, "um conflito militar global (...) Marcado por um número significativo de ataques contra civis, incluindo o Holocausto e a única vez em que armas nucleares foram utilizadas em combate, foi o conflito mais letal da história da humanidade, resultando entre 50 e mais de 70 milhões de mortes" (Wikipédia).

Premium

nuno camarneiro

Uma aldeia no centro da cidade

Os vizinhos conhecem-se pelos nomes, cultivam hortas e jardins comunitários, trocam móveis a que já não dão uso, organizam almoços, jogos de futebol e até magustos, como aconteceu no sábado passado. Não estou a descrever uma aldeia do Minho ou da Beira Baixa, tampouco uma comunidade hippie perdida na serra da Lousã, tudo isto acontece em plena Lisboa, numa rua com escadinhas que pertence ao Bairro dos Anjos.

Premium

Rui Pedro Tendinha

O João. Outra vez, o João Salaviza...

Foi neste fim de semana. Um fim de semana em que o cinema português foi notícia e ninguém reparou. Entre ex-presidentes de futebol a serem presos e desmentidos de fake news, parece que a vitória de Chuva É Cantoria na Aldeia dos Mortos, de Renée Nader Messora e João Salaviza, no Festival do Rio, e o anúncio da nomeação de Diamantino, de Daniel Schmidt e Gabriel Abrantes, nos European Film Awards, não deixou o espaço mediático curioso.