Como se limpa o espaço? Há uma missão para apanhar o lixo à volta da Terra

Com mais de sete mil de toneladas de lixo a orbitar à volta da Terra, a atenção das agências espaciais está virada para a limpeza do espaço

Fazer limpezas com um arpão ou uma rede? No espaço, são talvez as técnicas mais indicadas. É pelo menos essa a esperança de uma nova missão para limpar o lixo que orbita à volta da Terra, que foi lançada esta segunda-feira e deve chegar à Estação Espacial Internacional na quarta.

Segundo a Agência Espacial Europeia (ESA), há mais de 750 mil objetos com mais de um centímetro a orbitar a Terra. Naves e sondas defuntas, restos de foguetões usados, mas também parafusos e até pedaços de tinta solta - é deste tipo de lixo que falamos e, depois de seis décadas de exploração espacial, há mais de sete mil toneladas no espaço. A maioria foi gerada por mais de 250 explosões.

Este lixo é um perigo para os satélites e para as missões espaciais, nomeadamente para a Estação Espacial internacional (ISS, na sigla em inglês), e para operações futuras. Isto porque a uma velocidade média de 40 mil quilómetros por hora, o impacto gera uma energia semelhante à explosão de uma granada de mão.

Aliás, em 2014, a ISS teve de mudar de lugar três vezes para escapar a detritos espaciais. E há até uma teoria catastrofista, conhecida como síndrome de Kessler, que diz que o volume de detritos na órbita baixa está a crescer tanto que há o risco de se iniciar um conjunto de colisões que vai gerar mais detritos, até chegar a um ponto em afeta o futuro da exploração espacial, inviabilizado novos lançamentos.

Cerca de 18 mil pedaços são grandes o suficiente para serem monitorizados por agências como a ESA, para evitar colisões. E todos os anos cerca de 100 toneladas "caem" na Terra, desintegrando-se em chamas na reentrada na atmosfera. Mas nos últimos anos tornou-se óbvia a necessidade de desenvolver projetos de limpeza do espaço.

O projeto cofinanciado pela Comissão Europeia chama-se RemoveDebris e visa testar tecnologia para resolver este problema: com captura com arpão e com rede. A sonda partiu a bordo do SpaceX Falcon 9, em direção à ISS.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Henrique Burnay

Discretamente, sem ninguém ver

Enquanto nos Estados Unidos se discute se o candidato a juiz do Supremo Tribunal de Justiça americano tentou, ou não, há 36 anos abusar, ou mesmo violar, uma colega (quando tinham 17 e 15 anos), para além de tudo o que Kavanauhg pensa, pensou, já disse ou escreveu sobre o que quer que seja, em Portugal ninguém desconfia quem seja, o que pensa ou o que pretende fazer a senhora nomeada procuradora-geral da República, na noite de quinta-feira passada. Enquanto lá se esmiúça, por cá elogia-se (quem elogia) que o primeiro-ministro e o Presidente da República tenham muito discretamente combinado entre si e apanhado toda a gente de surpresa. Aliás, o apanhar toda a gente de surpresa deu, até, direito a que se recordasse como havia aqui genialidade tática. E os jornais que garantiram ter boas fontes a informar que ia ser outra coisa pedem desculpa mas não dizem se enganaram ou foram enganados. A diferença entre lá e cá é monumental.

Premium

Ruy Castro

À falta do Nobel, o Ig Nobel

Uma das frustrações brasileiras históricas é a de que, até hoje, o Brasil não ganhou um Prémio Nobel. Não por falta de quem o merecesse - se fizesse direitinho o seu dever de casa, a Academia Sueca, que distribui o prémio desde 1901, teria descoberto qualidades no nosso Alberto Santos-Dumont, que foi o verdadeiro inventor do avião, em João Guimarães Rosa, autor do romance Grande Sertão: Veredas, escrito num misto de português e sânscrito arcaico, e, naturalmente, no querido Garrincha, nem que tivessem de providenciar uma categoria especial para ele.