Charles Landry: "Podes viver em Lisboa e estar separado dela"

Desde a década de 80 do século passado que Charles Landry (direita na foto) estuda as cidades.

Esteve nas Caldas da Rainha a convite da Associação Destino Caldas/projeto Silos - Contentor Criativo, onde deu uma palestra sobre o papel da criatividade no sucesso das cidades. Considerou que aquela cidade não é a mais bonita do mundo, mas que tem potencial criativo. Ao DN, defendeu que é necessário estar-se atento às rápidas mudanças na sociedade e ao que os cidadãos exigem. Por exemplo, querem participar mais na vida do local onde residem.

Ajuda as cidades a tornarem-se "à prova de futuro". Como se prepara uma cidade para ser "à prova de futuro"?

Devem estar alertas e serem relativamente flexíveis para entenderem a dinâmica do mundo envolvente e compreender os novos problemas de forma a poderem resolvê-los. Tem de se compreender os desafios das sociedades e estar aberto a novas ideias.

Na sua opinião quais as "doenças" que as cidades sofrem? E como se pode transformar as cidades?

Temos de distinguir as pequenas cidades e as grandes cidades; as que estão a crescer ou não. Se falamos das que estão a crescer, como Lisboa ou Porto, a questão é se as grandes mudanças são bem recebidas pelos indivíduos. Obviamente também há problemas. Demasiado barulho, por exemplo; não haver uma grande mobilidade. Tudo isto gera stress. Por isso, por vezes as cidades mais pequenas são melhores e mais populares. É um grande desafio porque podes viver em Lisboa e estar separado dela.

O que é preciso fazer para que os habitantes tenham uma fruição melhor das suas cidades?

Em alguma das democracias ocidentais, a maioria na Europa, estamos a passar da democracia representativa para uma democracia participativa. Há cada vez mais grupos de cidadãos que querem participar nos desenvolvimentos da cidade, porque sentem que há cada vez mais coisas a fugir do seu controlo. O mundo é cada vez mais diversificado, as coisas estão a mudar cada vez mais rapidamente. As pessoas querem ter uma palavra a dizer: no cimo das suas preocupações está a tentativa de ter uma melhor qualidade de vida. Um dos problemas é a desertificação. A administração pública tem de falar com o setor privado e a sociedade para encontrar soluções além das tradicionais, para as questões sociais, comerciais, direitos cívicos etc. É preciso haver uma plataforma de diálogo. Também é importante analisar os problemas que surgem - como a divisão entre ricos e pobres. Se as cidades querem crescer têm de começar a pensar em algumas destas questões.

De todos os projetos em que já esteve envolvido quais os mais desafiantes? E que propostas fez?

Os projetos mais desafiantes em que estive envolvido recentemente foi quando vivi em Berlim por três meses. Está a crescer muito, tem muitas pessoas de fora a chegar, os preços do mercado imobiliário estão a subir. Está a ser muito especulativo. Tem de tentar ter controlo nos preços [do mercado imobiliário]. Se andar de helicóptero vê o crescimento e os diferentes tipos de cidade. E isto pode ser questões que surgem em qualquer cidade. Para mim, o que foi desafiante foi tentar descrever o que se tornaram e como se consegue controlar. Muito dos interesses que vi em Berlim, e em Lisboa também, estão a acontecer, estão ligados ao aumento do turismo. Muitos dos bairros em Berlim têm turistas que não trazem nada para a cidade. Tomando Berlim como exemplo, e Amesterdão também porque não querem muita mais gente a chegar, o turismo está a fazer muita pressão. Já nas pequenas cidades o desafio é dizer: esta é a minha cidade, é a minha vida, é o meu sonho. A cidade tem de ser um território aberto a novas ideias e projetos.

Nesta sua visita às Caldas da Rainha com que impressão ficou? Do que conhece que conselhos pode dar?

Já estive em Portugal várias vezes, talvez dez. A minha vinda às Caldas foi interessante. Não é uma cidade bonita. Tem a cerâmica que é uma coisa que se conhece. Tem preços mais baixos do que em Lisboa. Tem centros de inovação [Silos - Contentor Criativo, que é um projeto de ateliês low-cost para projetos criativos instalados numa antiga fábrica de moagem]. É o sítio indicado para começar uma startup, por exemplo. Tem gente nova e gente idosa. É um sítio onde podes começar um sonho. Pode ter um papel importante no futuro. Também estou envolvido num projeto em Lisboa chamado construir uma cidade. É ter um olhar estratégico. Tentar antecipar os problemas que irão chegar, no caso de Lisboa, a pressão da desertificação, a diferença entre ricos e pobres, etc. Em termos desta região, é o oposto. O conselho a dar é diferente. Depende das circunstâncias. Óbidos, por exemplo, o turismo interessa, mas as pessoas não podem sair. Nas Caldas da Rainha é mais barato começar uma startup aqui do que em Lisboa. Ou criar um plano para ter condições para as pessoas investirem. Claro que queres que os turistas venham aqui, mas também tens de evitar que sofra com o turismo de massas. Tem de ter soluções imaginativas.

Ao longo dos anos de trabalho relacionado com o urbanismo como considera que as cidades evoluíram? E o que ainda falta mudar nas mentalidades dos responsáveis pelo planeamento das cidades?

O meu maior projeto: a cidade cívica. O outro é sobre a burocracia. A administração pública tem muito talento e qualidade. Só que o sistema tende a diminuir isso. A burocracia impede um novo mundo. Temos de aproveitar as suas qualidades pois a administração pública é um grande player. Nas minhas pesquisas cheguei a falar com pessoas que dizem que trabalham menos 35% do que podiam. Este para mim é um dos grandes desafios do futuro.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Opinião

Pode a clubite tramar um hacker?

O hacker português é provavelmente uma história à portuguesa. Rapaz esperto, licenciado em História e especialista em informática, provavelmente coca-bichinhos, tudo indica, toupeira da internet, fã de futebol, terá descoberto que todos os estes interesses davam uma mistura explosiva, quando combinados. Pôs-se a investigar sites, e-mails de fundos de jogadores, de jogadores, de clubes de jogadores, de agentes de jogadores e de muitas entidades ligadas a esse estranho e grande mundo do futebol.

Premium

Opinião

"Orrrderrr!", começou a campanha europeia

Através do YouTube, faz grande sucesso entre nós um florilégio de gritos de John Bercow - vocês sabem, o speaker do Parlamento britânico. O grito dele é só um, em crescendo, "order, orrderr, ORRRDERRR!", e essa palavra quer dizer o que parece. Aquele "ordem!" proclamada pelo presidente da Câmara dos Comuns demonstra a falta de autoridade de toda a gente vulgar que hoje se senta no Parlamento que iniciou a democracia na velha Europa. Ora, se o grito de Bercow diz muito mais do que parece, o nosso interesse por ele, através do YouTube, diz mais de nós do que de Bercow. E, acreditem, tudo isto tem que ver com a nossa vida, até com a vidinha, e com o mundo em que vivemos.

Premium

Marisa Matias

Mulheres

Nesta semana, um país inteiro juntou-se solidariamente às mulheres andaluzas. Falo do nosso país vizinho, como é óbvio. A chegada ao poder do partido Vox foi a legitimação de um discurso e de uma postura sexistas que julgávamos já eliminadas aqui por estes lados. Pois não é assim. Se durante algumas décadas assistimos ao reforço dos direitos das mulheres, nos últimos anos, a ascensão de forças políticas conservadoras e sexistas mostrou o quão rápida pode ser a destruição de direitos que levaram anos a construir. Na Hungria, as autoridades acham que o lugar da mulher é em casa, na Polónia não podem vestir de preto para não serem confundidas com gente que acha que tem direitos, em Espanha passaram a categoria de segunda na Andaluzia. Os exemplos podiam ser mais extensos, os tempos que vivemos são estes. Mas há sempre quem não desista, e onde se escreve retrocesso nas instituições, soma-se resistência nas ruas.

Premium

Maria Antónia de Almeida Santos

Ser ou não ser, eis a questão

De facto, desde o famoso "to be, or not to be" de Shakespeare que não se assistia a tão intenso dilema britânico. A confirmação do desacordo do Brexit e o chumbo da moção de censura a May agudizaram a imprevisibilidade do modo como o Reino Unido acordará desse mesmo desacordo. Uma das causas do Brexit terá sido certamente a corrente nacionalista, de base populista, com a qual a Europa em geral se debate. Mas não é a única causa. Como deverá a restante Europa reagir? Em primeiro lugar, com calma e serenidade. Em seguida, com muita atenção, pois invariavelmente o único ganho do erro resulta do que aprendemos com o mesmo. Imperativo é também que aprendamos a aprender em conjunto.