Bancos de sementes tentam criar "super feijão" para combater fome em África

O chamado "super feijão", uma variedade de rápido crescimento e alto rendimento, está a ser promovido pelo governo do Uganda

Dois "bancos de sementes" estão no continente africano a tentar descobrir "super feijões" que consigam resistir à seca, para combater a fome e mudanças climáticas que ameaçam África, informou o Centro Internacional de Agricultura Tropical.

De acordo com aquele organismo, os feijões estão a ser criados por meios convencionais para resistir às condições de seca. O grupo opera um dos dois "bancos de sementes" de feijão em África, região onde é esperado que mais consequências das mudanças climáticas, de acordo com o Programa de Desenvolvimento das Nações Unidas.

Um dos campos de testes situa-se no norte do Uganda, onde a chegada recente de mais de um milhão de refugiados do Sudão do Sul, assolado pela guerra, está a levar ao limite as capacidades dos agricultores locais e a própria terra em si.

O chamado "super feijão", uma variedade de rápido crescimento e alto rendimento, está a ser promovido pelo governo do Uganda e por especialistas em agricultura com o objetivo de alimentar zonas propensas à fome em África.

Ler mais

Exclusivos

Opinião

DN+ João

Os floristas da Rua da Alegria, no Porto, receberam uma encomenda de cravos vermelhos para o dia seguinte e não havia cravos vermelhos. Pediram para que lhes enviassem alguns do Montijo, onde havia 20, de maneira a estarem no Porto no dia 18 de julho. Assim foi, chegaram no dia marcado. A pessoa que os encomendou foi buscá-los pela manhã. Ela queria-os todos soltos, para que pudessem, assim livres, passar de mão em mão. Quando foi buscar os cravos, os floristas da Rua da Alegria perguntaram-lhe algo parecido com isto: "Desculpe a pergunta, estes cravos são para o funeral do Dr. João Semedo?" A mulher anuiu. Os floristas da Rua da Alegria não aceitaram um cêntimo pelos cravos, os últimos que encontraram, e que tinham mandado vir no dia anterior do Montijo. Nem pensar. Os cravos eram para o Dr. João Semedo e eles queriam oferecê-los, não havia discussão possível. Os cravos que alguns e algumas de nós levámos na mão eram a prenda dos floristas da Rua da Alegria.

Opinião

DN+ Quem defende o mar português?

Já Pascal notava que através do "divertimento" (divertissement) os indivíduos deixam-se mergulhar no torpor da futilidade agitada, afastando-se da dura meditação sobre a nossa condição finita e mortal. Com os povos acontece o mesmo. Se a história do presente tiver alguém que a queira e possa escrever no futuro, este pobre país - expropriado de alavancas económicas fundamentais e com escassa capacidade de controlar o seu destino coletivo - transformou 2018 numa espécie de ano do "triunfo dos porcos". São incontáveis as criaturas de mérito duvidoso que através do futebol, ou dos casos de polícia envolvendo tribalismo motorizado ou corrupção de alto nível, ocupam a agenda pública, transformando-se nos sátiros da nossa incapacidade de pensar o que é essencial.