Bancos de sementes tentam criar "super feijão" para combater fome em África

O chamado "super feijão", uma variedade de rápido crescimento e alto rendimento, está a ser promovido pelo governo do Uganda

Dois "bancos de sementes" estão no continente africano a tentar descobrir "super feijões" que consigam resistir à seca, para combater a fome e mudanças climáticas que ameaçam África, informou o Centro Internacional de Agricultura Tropical.

De acordo com aquele organismo, os feijões estão a ser criados por meios convencionais para resistir às condições de seca. O grupo opera um dos dois "bancos de sementes" de feijão em África, região onde é esperado que mais consequências das mudanças climáticas, de acordo com o Programa de Desenvolvimento das Nações Unidas.

Um dos campos de testes situa-se no norte do Uganda, onde a chegada recente de mais de um milhão de refugiados do Sudão do Sul, assolado pela guerra, está a levar ao limite as capacidades dos agricultores locais e a própria terra em si.

O chamado "super feijão", uma variedade de rápido crescimento e alto rendimento, está a ser promovido pelo governo do Uganda e por especialistas em agricultura com o objetivo de alimentar zonas propensas à fome em África.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Rosália Amorim

Crédito: teremos aprendido a lição?

Crédito para a habitação, crédito para o carro, crédito para as obras, crédito para as férias, crédito para tudo... Foi assim a vida de muitos portugueses antes da crise, a contrair crédito sobre crédito. Particulares e também os bancos (que facilitaram demais) ficaram com culpas no cartório. A pergunta que vale a pena fazer hoje é se, depois da crise e da intervenção da troika, a realidade terá mudado assim tanto? Parece que não. Hoje não é só o Estado que está sobre-endividado, mas são também os privados, quer as empresas quer os particulares.