Baleia salvou bióloga do ataque letal de um tubarão-tigre

Nan Hauser estava debaixo de água e começou a ser empurrada por uma baleia. Só depois viu o tubarão

A bióloga marinha Nan Hauser acredita que uma baleia com mais de 22 toneladas lhe salvou a vida, protegendo-a do ataque potencialmente letal de um tubarão-tigre durante uma expedição nas ilhas Cook, no oceano Pacífico, no passado mês de outubro. As imagens do que aconteceu só agora foram divulgadas e rapidamente se tornaram virais nas redes sociais.

Nan Hauser disse à Time que não estava a compreender as ações da baleia, até que viu o tubarão. Explicando que as baleias são, normalmente, animais "altruístas" que protegem as focas dos predadores, por exemplo, a cientista garante que nunca tinha tido conhecimento de uma baleia agir para proteger um humano. "Se alguém me contasse eu não acreditava", afiançou.

No dia em que tudo aconteceu, a bióloga não se apercebeu da presença do tubarão, mas sentiu a baleia começar a tocar-lhe a empurrá-la com a cabeça. Os colegas que estavam com ela na expedição desligaram um drone submarino que filmava os movimentos da bióloga, receando o pior, mas Hauser deixou a própria câmara a gravar. Sofreu algumas nódoas negras e arranhões, mas acabou por sair ilesa. No vídeo, vê-se depois a bióloga a regressar ao barco, onde a aguardavam os restantes membros da equipa, e a gritar à baleia, que parece vir à tona para se certificar de que estava tudo bem, "I love you too", "também te amo".

Ainda que acredite que foi salva pela baleia, Hauser admite que não faz ideia do que motivou as ações do animal.

Um outro biólogo, James Sulikowski, professor na Universidade de New England, na Austrália, e que estudou os tubarões-tigre, diz não estar convencido de que se tratou de um salvamento: "O tubarão podia estar apenas a passar por ali, não há forma de saber a motivação da baleia", assinala.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Nuno Artur Silva

Notícias da frente da guerra

Passaram cem anos do fim da Primeira Guerra Mundial. Foi a data do Armistício assinado entre os Aliados e o Império Alemão e do cessar-fogo na Frente Ocidental. As hostilidades continuaram ainda em outras regiões. Duas décadas depois, começava a Segunda Guerra Mundial, "um conflito militar global (...) Marcado por um número significativo de ataques contra civis, incluindo o Holocausto e a única vez em que armas nucleares foram utilizadas em combate, foi o conflito mais letal da história da humanidade, resultando entre 50 e mais de 70 milhões de mortes" (Wikipédia).

Premium

nuno camarneiro

Uma aldeia no centro da cidade

Os vizinhos conhecem-se pelos nomes, cultivam hortas e jardins comunitários, trocam móveis a que já não dão uso, organizam almoços, jogos de futebol e até magustos, como aconteceu no sábado passado. Não estou a descrever uma aldeia do Minho ou da Beira Baixa, tampouco uma comunidade hippie perdida na serra da Lousã, tudo isto acontece em plena Lisboa, numa rua com escadinhas que pertence ao Bairro dos Anjos.

Premium

Rui Pedro Tendinha

O João. Outra vez, o João Salaviza...

Foi neste fim de semana. Um fim de semana em que o cinema português foi notícia e ninguém reparou. Entre ex-presidentes de futebol a serem presos e desmentidos de fake news, parece que a vitória de Chuva É Cantoria na Aldeia dos Mortos, de Renée Nader Messora e João Salaviza, no Festival do Rio, e o anúncio da nomeação de Diamantino, de Daniel Schmidt e Gabriel Abrantes, nos European Film Awards, não deixou o espaço mediático curioso.