"Através de uma respiração cheia de gargalhadas  passamos para um lugar de quietude"  

O músico americano Laraaji é das grandes atrações do Fórum do Futuro, que começa hoje no Porto, onde vai praticar a meditação através do riso

Como é que a meditação apareceu na sua vida?
No início da década de 1970, em Nova Iorque, enquanto atuava em anúncios de televisão, filmes e peças de teatro, senti uma grande necessidade de me pôr em contacto com o meu estado meditativo interior... procurava um sentido de centro mais profundo, a partir do qual pudesse contribuir conscientemente com o meu talento nos meios de comunicação. Pesquisei muitos professores, ensinamentos e práticas para descobrir a orientação com a qual me sentisse em sintonia. O livro de Richard Hittleman sobre meditação e yoga foi uma leitura que desmistificou suficientemente o tema para eu o explorar e experimentar até que comecei a entrar em lugares muito profundos de vivências profundas.
O que é a meditação pelo riso?
É a prática do movimento consciente e intencional de energia para a libertação e o relaxamento. Ao utilizarmos o comportamento de riso experimental divertido exploramos a libertação da respiração e da linguagem corporal; ao usarmos a imaginação criativa e a intenção de cura fazemos vibrar o nosso corpo físico e os nossos centros de energia. A posição final é a savasana ou posição de cadáver, que consiste em ficar deitado, liberto e relaxado, e disponível para uma meditação feliz e a experiência de uma corrente interna de sons cósmicos.
Mas como é que podemos meditar quando estamos a rir?
Através de uma respiração corporal cheia de gargalhadas passamos para um lugar de quietude e de resolução serenas onde nos espera a paz e a compreensão naturais da meditação.
E qual é a importância da meditação?
A meditação permite-me equilibrar a minha vida quotidiana de assuntos exteriores, locais e temporários, com o sentido interior, não local e eterno, de quem sou. Assim, não sou sequestrado por sensações e impressões exteriores. A meditação é a minha maneira de reservar espaço para a presença eterna, aqui e agora, no meio do mundo exterior de acontecimentos passageiros. A meditação contribui para a expansão da consciência da minha eternidade para além da vida pessoal do corpo.
É possível meditar no meio das pessoas, da confusão?
Quando me identifico com a presença eterna, fazendo disso uma prática contínua, vejo o temporário e sei que isto é passageiro, vejo como sou eterno... ao ponto de os meus mudras e mantras estarem bem integrados na minha vida, pois a meditação é a respiração certa, o movimento certo, o foco certo, a intenção certa.
Pode dar-nos alguns conselhos para meditarmos? Alguns exercícios?
Os exercícios de meditação para principiantes podem ser:
1- Ler textos ou ensinamentos inspiracionais.
2 - Respirar profundamente.
3 - Desfazer-se de todos os nomes, títulos, papéis, classificações e sentar-se com o que restar durante 21 minutos, no mínimo, a 02.30m por dia.
4 - Sentar-se durante 21 minutos sem se mexer enquanto se concentra num único ponto do ambiente que o rodeia ou da sala, e não se agarrar a nenhuma corrente de pensamentos ou atividade externa.
5 - Meditação dos movimentos dos Cinco Ritmos (internacional).
6 - Prática diária e autêntica de yoga que termina com a meditação savasana.
7 - Respeitar a omnipresente corrente interior de sons cósmicos. Deixar-se imergir na sua eternidade, na sua felicidade, na sua luz transcendental.
Acha que o Porto vai ser um bom lugar para meditar hoje à noite?
Apenas o verdadeiro eu é um bom lugar para a felicidade meditativa. O verdadeiro eu está para além do sítio ou da hora local; não esteja apenas no Porto ou em Lisboa, esteja conscientemente presente aqui e agora, pois a meditação eterna é a primeira e última natureza do seu verdadeiro eu. Ao compreendermos isto sabemos que a nossa meditação já está em todo o lado, independentemente da zona e da hora.
O que podemos esperar da sua intervenção no Fórum do Futuro?
Pode esperar estar aqui e agora a apreender uma noção totalmente nova da sua presença eterna.

Ler mais

Premium

João Gobern

Tirar a nódoa

São poucas as "fugas", poucos os desvios à honestidade intelectual que irritem mais do que a apropriação do alheio em conluio com a apresentação do mesmo com outra "assinatura". É vulgarmente referido como plágio e, em muitos casos, serve para disfarçar a preguiça, para fintar a falta de inspiração (ou "bloqueio", se preferirem), para funcionar como via rápida para um destino em que parece não importar o património alheio. No meio jornalístico, tive a sorte de me deparar com poucos casos dessa prática repulsiva - e alguns deles até apresentavam atenuantes profundas. Mas também tive o azar de me cruzar, por alguns meses, tempo ainda assim demasiado, com um diretor que tinha amealhado créditos ao publicar como sua uma tese universitária, revertido para (longo) artigo de jornal. A tese e a história "passaram", o diretor foi ficando. Até hoje, porque muitos desconhecem essa nódoa e outros preferiram olhar para o lado enquanto o promoviam.

Premium

Rogério Casanova

Três mil anos de pesca e praia

Parecem cagalhões... Tudo podre, caralho... A minha sanita depois de eu cagar é mais limpa do que isto!" Foi com esta retórica inspiradora - uma montagem de excertos poéticos da primeira edição - que começou a nova temporada de Pesadelo na Cozinha (TVI), versão nacional da franchise Kitchen Nightmares, um dos pontos altos dessa heroica vaga de programas televisivos do início do século, baseados na criativa destruição psicológica de pessoas sem qualquer jeito para fazer aquilo que desejavam fazer - um riquíssimo filão que nos legou relíquias culturais como Gordon Ramsay, Simon Cowell, Moura dos Santos e o futuro Presidente dos Estados Unidos. O formato em apreço é de uma elegante simplicidade: um restaurante em dificuldades pede ajuda a um reputado chefe de cozinha, que aparece no estabelecimento, renova o equipamento e insulta filantropicamente todo o pessoal, num esforço generoso para protelar a inevitável falência durante seis meses, enquanto várias câmaras trémulas o filmam a arremessar frigideiras pela janela ou a pronunciar aos gritos o nome de vários legumes.