Astronauta cresce nove centímetros em três semanas

Japonês receia não caber no assento da nave Soyuz para voltar para casa em junho

"Hoje tenho uma declaração importante. Passei no exame médico com medição dos parâmetros físicos e verificou-se que a minha estatura aumentou nove centímetros. Foi o que cresci em três semanas." Foi desta forma que Norishige Kanai, astronauta japonês, anunciou, ontem, que cresceu nove centímetros desde que está na Estação Espacial Internacional (EEI), receando, por isso, não caber no assento na nave russa que o trará de regresso a casa em junho.

"Isto não me acontecia desde os tempos do ensino secundário. Agora estou preocupado se vou caber no assento da nave espacial Soyuz quando voltar", escreveu no Twitter o astronauta, de 41 anos, que chegou à EEI no dia 19 de dezembro, naquela que é a sua primeira missão espacial.
Devido à falta de gravidade, os astronautas crescem, em média, dois a três centímetros enquanto estão no espaço. Libby Jackson, da Agência Espacial do Reino Unido, disse à BBC News que "nove centímetros é muito, mas é possível, porque o corpo humano é diferente". Como os corpos reagem de maneiras distintas, o crescimento também varia.

Em declarações à agência russa RIA Novosti, o cirurgião Vladimir Joroshev esclareceu como ocorre a mudança de estatura. "O tecido cartilaginoso modifica-se em condições de falta de peso. A nossa coluna espinhal é composta não só por vértebras, que são um tecido ósseo, mas também pelos discos intervertebrais, que são tecido cartilaginoso", explicou o cirurgião, citado pela agência EFE. Esse tecido, adiantou, é flexível e sofre mudanças.

"Quando a carga sobre a coluna vertebral se reduz em dezenas de vezes em condições de imponderabilidade, o tecido cartilaginoso dos discos intervertebrais alarga--se, o que leva ao aumento do comprimento do corpo", concluiu o médico.
De acordo com a mesma fonte, Norishige Kanai chegou à EEI com o russo Anton Shkaplerov e o americano Scott Tingle e vão permanecer no espaço cerca de meio ano, juntamente com outros astronautas, que estão na EEI - a uma distância de 400 quilómetros da Terra - desde setembro.
Nos últimos anos, outros astronautas foram notícia pelas mesmas razões. Um dos casos mais mediáticos é o de Scott Kelly, um astronauta que, após quase um ano no espaço, voltou à Terra, em 2016, cinco centímetros mais alto do que o irmão gémeo. A situação é recorrente, mas os astronautas voltam à estatura inicial ao fim de algum tempo na Terra. Segundo os estudos feitos pela NASA, as pessoas podem crescer até 3% da sua altura num ambiente sem gravidade.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Nuno Artur Silva

Notícias da frente da guerra

Passaram cem anos do fim da Primeira Guerra Mundial. Foi a data do Armistício assinado entre os Aliados e o Império Alemão e do cessar-fogo na Frente Ocidental. As hostilidades continuaram ainda em outras regiões. Duas décadas depois, começava a Segunda Guerra Mundial, "um conflito militar global (...) Marcado por um número significativo de ataques contra civis, incluindo o Holocausto e a única vez em que armas nucleares foram utilizadas em combate, foi o conflito mais letal da história da humanidade, resultando entre 50 e mais de 70 milhões de mortes" (Wikipédia).

Premium

nuno camarneiro

Uma aldeia no centro da cidade

Os vizinhos conhecem-se pelos nomes, cultivam hortas e jardins comunitários, trocam móveis a que já não dão uso, organizam almoços, jogos de futebol e até magustos, como aconteceu no sábado passado. Não estou a descrever uma aldeia do Minho ou da Beira Baixa, tampouco uma comunidade hippie perdida na serra da Lousã, tudo isto acontece em plena Lisboa, numa rua com escadinhas que pertence ao Bairro dos Anjos.

Premium

Rui Pedro Tendinha

O João. Outra vez, o João Salaviza...

Foi neste fim de semana. Um fim de semana em que o cinema português foi notícia e ninguém reparou. Entre ex-presidentes de futebol a serem presos e desmentidos de fake news, parece que a vitória de Chuva É Cantoria na Aldeia dos Mortos, de Renée Nader Messora e João Salaviza, no Festival do Rio, e o anúncio da nomeação de Diamantino, de Daniel Schmidt e Gabriel Abrantes, nos European Film Awards, não deixou o espaço mediático curioso.