Aparelho permite ler pensamentos e passá-los a palavras

Chama-se AlterEgo e permite que tudo o que se pense seja transcrito. A ideia foi desenvolvida no MIT e o objetivo é tornar menos constrangedores os contactos com interfaces como a Siri, da Apple

Parece ficção científica, mas não é. Investigadores do MIT - Instituto de Tecnologia de Massachusetts criaram um fone que lê a mente humana, permitindo que eles deem indicações sem falar em voz alta.

O AlterEgo, assim se chama o mecanismo, transcreve aquilo que os utilizadores pensam sem verbalizar, através de um sistema de elétrodos conectados à pele que passa tudo para um computador.

"A nossa ideia era ter uma plataforma de computação interna, que junte humanos a máquinas e que proporcione uma extensão da nossa própria cognição", explicou ao site da faculdade Arnav Kapur, o jovem que liderou o desenvolvimento do sistema no Media Lab do MIT.

Kapur descreve o aparelho como um "dispositivo de aumento de inteligência" ou de Inteligência Artificial e segundo o britânico The Guardian, foi apresentado na Association for Computing Machinery em Tóquio.

Como funciona

É preso por cima da orelha e usado ao redor da mandíbula e do queixo. Quatro elétrodos sob o dispositivo de plástico entram em contato com a pele e captam os sinais neuromusculares que são acionados quando uma pessoa pensa.

Ou seja, quando alguém fala consigo próprio, a inteligência artificial no dispositivo descodifica sinais e palavras específicas, verbalizando-as num computador.

O dispositivo AlterEgo já foi testado. O resultado é surpreendente. Num teste realizado durante 15 minutos, com 10 pessoas, o aparelho conseguiu uma média de 92 por cento de precisão na transcrição do que cada um pensava.

Mas qual é o objetivo deste projeto? Tornar a comunicação com interfaces como o Assistente do Google, o Alexa da Amazon ou o Siri da Apple, menos constrangedores e mais íntimos na sua relação com os donos, permitindo que estes se comuniquem com eles de maneira silenciosa para o mundo exterior.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Henrique Burnay

Discretamente, sem ninguém ver

Enquanto nos Estados Unidos se discute se o candidato a juiz do Supremo Tribunal de Justiça americano tentou, ou não, há 36 anos abusar, ou mesmo violar, uma colega (quando tinham 17 e 15 anos), para além de tudo o que Kavanauhg pensa, pensou, já disse ou escreveu sobre o que quer que seja, em Portugal ninguém desconfia quem seja, o que pensa ou o que pretende fazer a senhora nomeada procuradora-geral da República, na noite de quinta-feira passada. Enquanto lá se esmiúça, por cá elogia-se (quem elogia) que o primeiro-ministro e o Presidente da República tenham muito discretamente combinado entre si e apanhado toda a gente de surpresa. Aliás, o apanhar toda a gente de surpresa deu, até, direito a que se recordasse como havia aqui genialidade tática. E os jornais que garantiram ter boas fontes a informar que ia ser outra coisa pedem desculpa mas não dizem se enganaram ou foram enganados. A diferença entre lá e cá é monumental.

Premium

Ruy Castro

À falta do Nobel, o Ig Nobel

Uma das frustrações brasileiras históricas é a de que, até hoje, o Brasil não ganhou um Prémio Nobel. Não por falta de quem o merecesse - se fizesse direitinho o seu dever de casa, a Academia Sueca, que distribui o prémio desde 1901, teria descoberto qualidades no nosso Alberto Santos-Dumont, que foi o verdadeiro inventor do avião, em João Guimarães Rosa, autor do romance Grande Sertão: Veredas, escrito num misto de português e sânscrito arcaico, e, naturalmente, no querido Garrincha, nem que tivessem de providenciar uma categoria especial para ele.