Como enfrentar a chuva com congelação? Andar como um pinguim

Fenómeno já aconteceu em Portugal e pode ser muito perigoso para quem tenta viajar. Deslocar-se como o referido animal é mais seguro, dizem os canadianos, habituados à chuva com congelação

O Instituto Português do Mar e da Atmosfera (IPMA) explicou que, a 27 de fevereiro, o continente português viu um fenómeno que não é. de todo, frequente em Portugal: chuva com congelação. O fenómeno, que é mais comum nos EUA e no Canadá, está também previsto para o Reino Unido, onde não acontece desde 2010.

O IPMA deu uma explicação sobre o que acontece: "Esta situação ocorre quando num local existe junto à superfície uma massa de ar frio (e com temperaturas abaixo de 0 °C) e sobre esse local se aproxima uma superfície frontal quente que origina precipitação, e que apresenta temperaturas mais elevadas (e acima de 0 °C) em níveis superiores". Assim, e numa explicação mais geral dada também pelo organismo, o fenómeno consiste na congelação de precipitação que ocorre na forma liquida sobre estruturas que se encontram a temperaturas negativas, como telhados ou árvores.

O Huffington Post, referindo-se ao que está prestes a atingir o Reino Unido, dá basicamente a mesma explicação, dizendo que é um fenómeno em que um tipo de precipitação líquida cai na forma de gotículas muito frias até atingirem uma superfície também fria. Aí, acabam por congelar mais ou menos instantaneamente.

A chuva com congelação acaba por formar uma camada de gelo que tende a ser muito transparente e escorregadia. O resultado é uma superfície muito perigosa para peões, condutores, ciclistas, e qualquer um, independentemente da forma, que tente viajar ou deslocar-se.

Solução é andar como um pinguim

Como evitar acidentes nas superfícies perigosas criadas pela chuva com congelação? Segundo instituições canadianas, que são muito familiares com a situação, a solução é ficar em casa ou andar como um pinguim, como explicam vários tweets, imagens e até um vídeo.

As pessoas são aconselhadas a mudarem um pouco a forma de andar e manter o centro de gravidade na perna da frente. "Tente pensar em si como um pinguim e estará bem", refere um tweet acompanhado por uma imagem explicativa.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Rosália Amorim

"Sem emoção não há uma boa relação"

A frase calorosa é do primeiro-ministro António Costa, na visita oficial a Angola. Foi recebido com pompa e circunstância, por oito ministros e pelo governador do banco central e com honras de parada militar. Em África a simbologia desta grande receção foi marcante e é verdadeiramente importante. Angola demonstrou, para dentro e para fora, que Portugal continua a ser um parceiro importante. Ontem, o encontro previsto com João Lourenço foi igualmente simbólico e relevante para o futuro desta aliança estratégica.

Premium

João Gobern

Tirar a nódoa

São poucas as "fugas", poucos os desvios à honestidade intelectual que irritem mais do que a apropriação do alheio em conluio com a apresentação do mesmo com outra "assinatura". É vulgarmente referido como plágio e, em muitos casos, serve para disfarçar a preguiça, para fintar a falta de inspiração (ou "bloqueio", se preferirem), para funcionar como via rápida para um destino em que parece não importar o património alheio. No meio jornalístico, tive a sorte de me deparar com poucos casos dessa prática repulsiva - e alguns deles até apresentavam atenuantes profundas. Mas também tive o azar de me cruzar, por alguns meses, tempo ainda assim demasiado, com um diretor que tinha amealhado créditos ao publicar como sua uma tese universitária, revertido para (longo) artigo de jornal. A tese e a história "passaram", o diretor foi ficando. Até hoje, porque muitos desconhecem essa nódoa e outros preferiram olhar para o lado enquanto o promoviam.