"A mobilidade e a solidariedade na Europa" debatidas no Media Lab DN

Escola Secundária D. João V e o Externato Álvares Cabral aceitaram o desafio de serem jornalistas da Europa por um dia

Os jovens estudantes tiveram a oportunidade de conversar um pouco com Fernanda Fernandes, do Espaço Europa, sobre as oportunidades de empregabilidade e mobilidade na UE, referindo, neste âmbito, o programa ERASMUS+ e o Corpo Europeu de Solidariedade. Os alunos participaram na última sessão deste ano do workshop temático "Falando da Europa", organizado em parceria com a Representação da Comissão Europeia em Portugal - Espaço Público Europeu, sobre o tema "Portugueses pela UE: oportunidades".

O tema desta sessão, apresentado por Fernanda Fernandes, foi "A mobilidade e a solidariedade na Europa", como formas de os estudantes se inserirem no mercado de trabalho e adquiriram experiências positivas, que serão uma mais-valia na sua vida profissional futura, uma vez que estão em contacto com diversas culturas, línguas e formas de pensar e agir, tendo a possibilidade de alargarem os seus horizontes.

No final da exposição oral, os jovens repórteres colocaram as suas questões à oradora convidada, numa pequena entrevista gravada em formato vídeo e áudio. Todos foram repórteres do dia, tendo como tema principal a Europa. Em diferentes suportes (papel, vídeo e rádio), tiveram oportunidade de pesquisar e escrever notícias, para depois criarem um noticiário. A experiência terminou com uma visita à redação do Diário de Notícias.

O centro educativo Media Lab tem como principal objetivo promover a literacia mediática e formar cidadãos ativos. Visite o projeto em www.medialab.dn.pt.

Ler mais

Premium

JAIME NOGUEIRA PINTO

O arauto da revolta popular

Rejeição. Não é, por enquanto, senão isso. Não pelos reaccionários, pelos latifundiários, pelos generais golpistas, pelos fascistas declarados ou encapotados, mas pelo povo brasileiro, que vota agora contra a esquerda dita idealista - e notoriamente irrealista quanto à natureza humana (sobretudo à própria) - que montou um "mecanismo" de enriquecimento ilícito e de perpetuação no poder digno dos piores hábitos do coronelismo e do caciquismo que os seus antepassados ideológicos, de Josué de Castro a Celso Furtado, tanto criticaram. Um povo zangado, enganado, roubado, manipulado pelos fariseus da tolerância, dos direitos humanos e das flores de retórica do melhor dos mundos, pelos donos de tudo - do pensamento único aos recursos do Estado.