Dois jovens detidos em Queluz por posse de arma branca

Dois jovens de 17 anos foram detidos na quinta-feira por dois crimes de posse de arma branca perto de uma escola em Queluz, Sintra. Nesse mesmo dia um rapaz de 15 foi detido por agredir outro, também com arma branca, no Cacém.

Dois jovens de 17 anos foram detidos na quinta-feira por dois crimes de posse de arma branca perto de uma escola em Queluz, Sintra, anunciou esta sexta-feira o Comando Metropolitano de Lisboa da Polícia de Segurança Pública (PSP). Estas detenções ocorreram no mesmo dia em que um jovem de 15 anos foi detido após ter utilizado uma faca para agredir um colega de 17 anos numa escola no Cacém.

Em comunicado, a PSP refere que, através dos Polícias da Escola Segura da Divisão Policial de Sintra, foi alertada pelas 15:00 de quinta-feira para uma zona próxima de um estabelecimento de ensino em Queluz, para a existência de várias pessoas, entre elas alguns alunos, em agressões e na posse de armas brancas.

"À chegada da PSP os intervenientes rapidamente colocaram-se em fuga, tendo vindo a ser intercetados dois indivíduos que, durante a fuga, tentaram livrar-se das armas brancas que tinham na sua posse", conta a PSP.

Durante a detenção foram apreendidas duas facas, sendo que das agressões não resultaram feridos.

Os suspeitos foram notificados para comparecer no Tribunal Judicial da Comarca de Lisboa Oeste, Núcleo de Sintra.

Na nota, a PSP apela a "todos os alunos que se abstenham de praticar agressões e que contribuam para um ambiente de segurança e respeito na comunidade escolar, e que qualquer situação que potencie o conflito, de que é exemplo a posse de armas, facas ou outros objetos que possam ser utilizados para agressão, seja de imediato comunicada".

Aliás, foi recentemente anunciado que a dissuasão ao recurso a armas brancas por parte dos jovens é uma das temáticas que a PSP vai abordar este ano letivo nas escolas.

"Para este ano letivo, a PSP reviu o seu portfólio de ações de sensibilização e vai introduzir duas novas temáticas. Uma passa pela adoção de comportamentos de autoproteção nas viagens de finalistas e outra vai ser a prevenção da delinquência juvenil e, em concreto, a dissuasão ao recurso a armas brancas por parte dos jovens", avançou Hugo Guinote, responsável na Polícia de Segurança Pública pela Escola Segura a propósito dos 30 anos do programa.

O intendente disse que a realização destas ações "não resultam necessariamente" dos dados que constam do Relatório Anual de Segurança Interna (RASI) de 2021, mas sim devido ao aumento do uso de armas brancas pelos jovens, "não tanto no espaço escolar", mas nas zonas de diversão noturna.

"Aquilo que nos preocupa é a deteção de armas, mas não tanto no espaço escolar, embora isso também aconteça, mas as nossas operações de fiscalização nas zonas de diversão noturna vão notando isso, que há um aumento do recurso a armas brancas e portanto, nós queremos ajudar os nossos jovens a compreender que isso muitas vezes é um perigo acrescido ao invés de uma proteção", sublinhou.

Mais Notícias

Outros Conteúdos GMG