Consumidores acusam Via Verde de esquema de burla com identificadores. Empresa desmente

Portal da Queixa confirma aumento de reclamações face a pedidos de substituição dos equipamentos de identificação da Via Verde. Empresa nega e reage.

Vários consumidores acusam a Via Verde de praticar um alegado "esquema" envolvendo os identificadores, tendo surgido dezenas de reclamações no Portal da Queixa em novembro - um crescimento de 50% do número das queixas face ao mês anterior.

De acordo com a descrição dos consumidores nas reclamações apresentadas, a empresa envia uma comunicação aos clientes, na qual informa sobre o registo de falhas no identificador do aderente e solicita a sua substituição. Através de e-mails, os consumidores referem pedidos de substituição do dispositivo de identificação, ainda que os aparelhos estejam a funcionar corretamente.

Na opinião dos queixosos, esta situação trata-se de "uma estratégia para o cliente aderir a uma nova modalidade de pagamento mensal ou anual sobre o equipamento" e denunciam que a empresa "está a agir de má fé e enganar os clientes".

A Via Verde está assim a ser acusada de "pressão", "esquema", "manobra de fidelização" e "burla", por parte dos seus clientes que não apontam falhas nos seus equipamentos em funcionamento.

Em reação a estas acusações, a empresa reagiu, em comunicado enviado ao DN, negando qualquer má prática.

"A Via Verde tem sempre como objetivo garantir o melhor serviço aos seus clientes e, por isso, sempre que um cliente passa numa portagem e a transação falha, a Via Verde comunica diretamente com o cliente a dar conta de um eventual problema", pode ler-se no esclarecimento, acrescentando: "A Via Verde apenas contacta o cliente quando aparece uma luz amarela na passagem da portagem, indiciando um potencial problema".

"Este alerta visa sempre proteger os clientes, tendo em conta que em causa estão transações financeiras cuja segurança é fundamental".

Em conclusão, diz a empresa, "se o problema for confirmado, o cliente pode subscrever um plano Via Verde ou, se assim preferir, comprar um identificador novo. A decisão final é sempre do cliente".

Notícia atualizada às 19:30 com reação da Via Verde

Mais Notícias

Outros Conteúdos GMG