Área queimada no noroeste de Portugal subiu desde 1975. Na Galiza diminuiu

Fogos em Portugal são mais frequentes, mas na Galiza, quando acontecem, são mais graves

A área queimada do noroeste de Portugal aumentou, entre 1975 e 2014, enquanto na Galiza diminuiu, indicou hoje um investigador do Instituto Superior de Agronomia, situação que justifica com a densidade populacional, a meteorologia e os comportamentos das populações.

Na Galiza, "há uma tendência estatisticamente significativa, clara, de diminuição da área queimada, entre 1975 e 2014, e no noroeste, desde o Porto, Resende, até Arcos de Valdevez, na diagonal, há a tendência precisamente oposta, nesse mesmo período, de aumento", disse à agência Lusa o investigador José Miguel Pereira.

"Há uma componente climática mais desfavorável para nós, mas tem de haver um efeito bastante importante de diferenças de comportamentos humanos e de uso da terra", defendeu o especialista.

José Miguel Pereira comentava a situação grave de incêndios florestais vivida em Portugal, que já destruiu mato, árvores, casas, além de ter provocado a morte de quatro pessoas, três delas na Madeira.

O investigador referiu existir "um contraste muito forte entre a densidade populacional no Minho, na área com os maiores problemas em Portugal, e na Galiza".

No noroeste português há uma dinâmica de paisagem com áreas urbanas a ficarem mais próximas e em coexistência com o espaço rural, criando "zonas de interface entre densidade populacional alta e muita vegetação, onde, com facilidade, qualquer ignição pode dar origem a um fogo mais difícil de controlar", explicou.

A meteorologia é um fator "um bocadinho diferente, nós temos com maior frequência estes episódios extremos de calor e secura do que na Galiza" e, "eventualmente, eles estarão mais organizados e serão mais eficazes no combate" aos fogos, apontou José Miguel Pereira.

Há ainda um padrão que contrasta do ponto de vista da geografia, com o rio Minho a demarcar uma fronteira clara, mas o investigador recordou que há dez anos a Galiza teve "um episódio brutal" de fogo, quando foi afetada por ventos de leste.

"Nós temos fogos mais frequentes, eles têm [incêndios] mais raros, mas quando acontecem são muito extremos e muito graves", resumiu.

Altas temperaturas e vento levaram a várias situações complicadas de incêndios nos últimos dias e, a meio da tarde de hoje, a Autoridade Nacional de Proteção Civil dava conta de sete grandes fogos florestais a ser combatidos no continente português, por mais de 1.500 operacionais, ao mesmo tempo que, na Madeira, havia ainda um foco ativo, que mobilizava mais de cem elementos.

Mais Notícias

Outros Conteúdos GMG