Regulamento de Proteção de Dados pode originar perda de informação

A secretária de Estado do Ensino Superior alertou que é preciso "respeitar, em quaisquer circunstâncias, a privacidade e defesa dos direitos", mas com "equilíbrio e bom senso"

A secretária de Estado da Ciência, Tecnologia e Ensino Superior alertou esta segunda-feira em Leiria para os riscos de perda de informação historicamente relevante com a aplicação do Regulamento Geral de Proteção de Dados (RGPD) no ensino superior.

Maria Fernanda Rollo que abriu o seminário "Regulamento Geral de Proteção de Dados - Uma visão para o Ensino Superior", organizado pelo Conselho Coordenador dos Institutos Superiores Politécnicos na Escola Superior de Tecnologia e Gestão de Leiria, sublinhou as "duas dimensões" da proteção de dados.

"O direito de ser esquecido é legítimo. Mas o direito a querer recordar também o é", disse, recorrendo à formação enquanto historiadora para recordar que, "a prazo, muitos destes dados, são dados de investigação" e "mesmo os dados administrativos podem ser úteis no futuro".

Para Fernanda Rollo, é preciso "respeitar, em quaisquer circunstâncias, a privacidade e defesa dos direitos", mas com "equilíbrio e bom senso".

"Compete-nos a nós, na área da ciência, apresentar algumas soluções", nomeadamente para a preservação de informação em condições de utilização "num futuro mais longo".

A secretária de Estado lembrou o papel dos registos paroquiais que, antes da generalização dos registos civis, permitem que hoje se aceda a dados históricos sobre nascimentos e óbitos:

"Graças a eles é que temos essa informação. Temos a responsabilidade de pensar mais além e estar atentos à vertigem de digitalização. A facilidade com que apagamos dados é absolutamente impressionante".

Considerando a discussão sobre o RGPD "um momento histórico", Maria Fernanda Rollo lembra que "nem tudo deve ser guardado", mas a definição de um critério para "acautelar a história digital do futuro" assume-se como "um desafio muito complexo"

A par disso, Maria Fernanda Bello comentou também a perspetiva segundo a qual os dados são encarados como "o petróleo do futuro":

"São de facto, mas nós também somos as pessoas do presente e do futuro. Sem ética e boas práticas, não conseguiremos lidar bem com esta questão".

O presidente do Conselho Coordenador dos Institutos Superiores Politécnicos (CCISP), Nuno Mangas, salienta que o ensino superior é das instituições "que mais dados trata e com uma vastidão muito significativa".

Hoje, contabilizam-se dados de 360 mil estudantes no ensino superior público, privado, universitário e politécnico. Além destes, há ainda informação sobre "milhares e milhares" de antigos e potenciais alunos, portugueses e estrangeiros, e múltiplos outros sobre parceiros a diversos níveis.

"Temos uma responsabilidade claramente acrescida. Não somos uma mera instituição: somos uma instituição que deve ter valores e princípios, que devem estar sempre presentes. Devemos dar o exemplo para a sociedade e para outro tipo de instituições", concluiu o presidente do CCISP.

Exclusivos

Premium

Viriato Soromenho Marques

Madrid ou a vergonha de Prometeu

O que está a acontecer na COP 25 de Madrid é muito mais do que parece. Metaforicamente falando, poderíamos dizer que nas últimas quatro décadas confirmámos o que apenas uma elite de argutos observadores, com olhos de águia, havia percebido antes: não precisamos de temer o que vem do espaço. Nenhum asteroide constitui ameaça provável à existência da Terra. Na verdade, a única ameaça existencial à vida (ainda) exuberante no único planeta habitado conhecido do universo somos nós, a espécie humana. A COP 25 reproduz também outra figura da nossa iconografia ocidental. Pela 25.ª vez, Sísifo, desta vez corporizado pela imensa maquinaria da diplomacia ambiental, transportará a sua pedra penitencial até ao alto de mais uma cimeira, para a deixar rolar de novo, numa repetição ritual e aparentemente inútil.

Premium

Maria do Rosário Pedreira

Agendas

Disse Pessoa que "o poeta é um fingidor", mas, curiosamente, é a palavra "ficção", geralmente associada à narrativa em prosa, que tem origem no verbo latino fingire. E, em ficção, quanto mais verdadeiro parecer o faz-de-conta melhor, mesmo que a história esteja longe de ser real. Exímios nisto, alguns escritores conseguem transformar o fingido em algo tão vivo que chegamos a apaixonar-nos por personagens que, para nosso bem, não podem saltar do papel. Falo dos criminosos, vilões e malandros que, regra geral, animam a literatura e os leitores. De facto, haveria Crime e Castigo se o estudante não matasse a onzeneira? Com uma Bovary fiel ao marido, ainda nos lembraríamos de Flaubert? Nabokov ter-se-ia tornado célebre se Humbert Humbert não andasse a babar-se por uma menor? E poderia Stanley Kowalski ser amoroso com Blanche DuBois sem o público abandonar a peça antes do intervalo e a bocejar? Enfim, tratando-se de ficção, é um gozo encontrar um desses bonitões que levam a rapariga para a cama sem a mais pequena intenção de se envolverem com ela, ou até figuras capazes de ferir de morte com o refinamento do seu silêncio, como a mãe da protagonista de Uma Barragem contra o Pacífico quando recebe a visita do pretendente da filha: vê-o chegar com um embrulho descomunal, mas não só o pousa toda a santa tarde numa mesa sem o abrir, como nem sequer se digna perguntar o que é...

Premium

Maria Antónia de Almeida Santos

"O clima das gerações"

Greta Thunberg chegou nesta semana a Lisboa num dia cheio de luz. À chegada, disse: "In order to change everything, we need everyone." Respondemos-lhe, dizendo que Portugal não tem energia nuclear, que 54% da eletricidade consumida no país é proveniente de fontes renováveis e que somos o primeiro país do mundo a assumir o compromisso de alcançar a neutralidade de carbono em 2050. Sabemos - tal como ela - que isso não chega e que o atraso na ação climática é global. Mas vamos no caminho certo.