"Se PSD não descolar, é expectável que apareça uma alternativa em 2018"

Entrevista DN. Rui Rui admite que "poderá" ser candidato à liderança do PSD se "não aparecer uma alternativa credível"

É expectável que em 2018 apareça mesmo uma alternativa de liderança no PSD?

Se, até lá, o partido não conseguir descolar - como se costuma dizer -, acho que sim. Será sinal de falta de vitalidade interna se o PSD continuar com grandes dificuldades de aceitação junto das pessoas e se, mesmo assim, não aparecer uma alternativa credível a disputar a liderança.

Poderá ser o Rui Rio?

Poderá.

E que fatores vão pesar na hora de tomar a decisão?

Diversos. Perceber se os apoios que eu possa ter são convictos e se acreditam mesmo em mim. Se as outras alternativas são suficientemente credíveis e robustas para servirem o PSD e o país. Se há espaço para implementar o fundamental das minhas ideias e da minha maneira de ser, que como sabe tendem a ser um pouco disruptivas relativamente à política na sua forma mais tradicional. Se sinto condições para gerar uma dinâmica de mudança e de desenvolvimento em Portugal. E, até, se tenho os inimigos políticos corretos.

Inimigos ou adversários?

Inimigos! Inimigos políticos, claro está. Os adversários sabemos quem são. São aqueles que connosco disputam lealmente o poder.

E os inimigos?

A avaliação de uma pessoa não se faz apenas pelos amigos que escolhe, faz-se também pelos inimigos que gera no quadro da sua atuação e da sua maneira de ser. Há pessoas inteligentes e honestas que, se se tornarem meus inimigos, me deixarão perturbado, porque deveriam ser adversários e não inimigos. Mas há outras que me posso orgulhar de ter como inimigos, porque isso significa que estou a seguir no caminho correto. No tempo em que fui presidente da câmara tive excelentes amigos. Mas também tive excelentes inimigos, dos mais diversos quadrantes, que tiveram uma importância crucial.

E se Pedro Passos Coelho insistir em ser o candidato a primeiro-ministro nas próximas legislativas, como defende o líder parlamentar do PSD, Luís Montenegro, isso não o condiciona?

Depende. Nas últimas eleições diretas condicionou, porque ele tinha acabado de conseguir ser o mais votado em eleições nacionais muito recentes, queria continuar e tinha o apoio da maioria dos militantes. Hoje, o quadro já não é bem o mesmo e no futuro logo se verá.

Tem sido pressionado por militantes do PSD para se perfilar como candidato?

Tenho. Por militantes e por não militantes. Mas é preciso ter a noção de que, se as eleições internas não forem antecipadas, elas só se realizarão em fevereiro ou março de 2018. Daqui a quase um ano e meio.

Mas há quem diga que já está a preparar uma candidatura?

Há, mas não fui eu que o disse, foram as tradicionais fontes anónimas ou próximas. Especular que eu estaria - a mais de um ano de distância - a preparar uma candidatura é tentar que as pessoas fiquem desiludidas comigo, porque pensam que agora é que vai ser e depois, no curto prazo, não acontece nada... Porque nada pode acontecer.

Diz que estão a especular?

Sim. Notícias exageradas para depois se poder tirar uma conclusão do género "ele não sabe o que quer. Ora vou ora não vou". É do tipo: "Agarrem-me se não eu mato-o, etc." E eu sentado na plateia a ver. A ver uma manipulação que, segundo o politicamente correto, se chama liberdade de imprensa ou de informação... conforme os gostos.

Se fala com outros militantes e não militantes - como reconheceu nesta entrevista - sobre a hipótese de vir a liderar o PSD, não é legítimo que exista quem veja nessa conversa a preparação de uma candidatura?

Não, não é legítimo. Uma coisa é as pessoas falarem comigo, poderem mostrar desconforto com a situação atual, quererem uma mudança e expressarem o desejo de me ver a liderar o PSD. Outra, completamente diferente, seria se eu estivesse no terreno a juntar apoios, a formar equipas e a cumprir uma estratégia consistente e calendarizada. São, obviamente, coisas bem diferentes.

NOTA: Por sugestão de Rui Rio, aceite pelo Diário de Notícias, esta entrevista foi feita primeiro por escrito. Enviadas as perguntas, recebidas as respostas, a entrevista foi posteriormente consolidada com uma conversa presencial.

Mais Notícias

Outros conteúdos GMG