Salvador Sobral já saiu dos cuidados intensivos

Informação foi confirmada no Facebook de Salvador Sobral

"O Salvador Sobral já abandonou a Unidade de Cuidados Intensivos, encontrando-se agora nos Cuidados Intermédios". A informação revelada na página de Facebook de Salvador Sobral acrescenta que a "sua recuperação, que será longa, continua a evoluir de forma muito positiva."

No dia 12 , a Direção Clínica do Centro Hospitalar de Lisboa Ocidental, em comunicado, afirmava que "Salvador Sobral encontra-se bem, a fazer a sua recuperação com uma evolução dentro do esperado".

De acordo com esse comunicado, Salvador Sobral "está bem-disposto e já iniciou um programa de fisioterapia e reabilitação, encontrando-se nas condições habituais de isolamento das transplantações".

O músico, que venceu o último festival Eurovisão da canção, foi submetido a um transplante cardíaco, no Hospital de Santa Cruz, em Carnaxide, Oeiras.

Numa conferência de imprensa, realizada no sábado dia 8, a equipa que operou o músico disse que a recuperação será demorada, o que é normal neste tipo de transplantes, mas que o músico "vai ter uma vida completamente normal" se tudo correr bem.

Ao acordar, Salvador Sobral, de 27 anos, "agradeceu à equipa", disse o cirurgião cardiotorácico. "E disse-o com boa voz", acrescentou José Pedro Neves, diretor de serviço de Cirurgia Cardiotorácica do Centro Hospitalar de Lisboa Ocidental. A conferência de imprensa aconteceu menos de 24 horas depois da intervenção. "Posso dizer que o Salvador está muito animado, muito bem-disposto", afirmou o médico Miguel Abecasis, que operou o intérprete de Amar Pelos Dois. A intervenção demorou o tempo "normal", cerca de 4 horas.

"Esteve muitos meses em lista de espera, esteve muitos meses internado, esteve rodeado de cardiologistas, uma equipa enorme, houve várias decisões clínicas no manejo deste doente e ontem calhou a vez de ter o seu coração e o Dr. Miguel [Abecassis] procedeu à cirurgia", enquadrou o diretor do serviço de Cirurgia Cardiotorácico deste hospital, o mesmo onde, há 31 anos, Eva Pinto se tornou na primeira pessoa a receber um transplante de coração em Portugal.

A notícia de que existia um coração compatível foi recebida "com naturalidade", garantiu o clínico. "Fomos falando com ele, foi percebendo as dificuldades deste tipo de procedimento, portanto estava muito bem preparado". A insuficiência cardíaca de Salvador Sobral levou o cantor a despedir-se dos palcos no dia 8 de setembro. No final desse mês foi hospitalizado, à espera de um órgão compatível.

"Podia ter sido mais cedo, podia ter sido mais tarde. Foi agora porque só agora as condições todas se reuniram", disse Miguel Abecasis.

Entre o momento em que se sabe que há um coração disponível e a decisão de avançar para a cirurgia medeiam "entre 4 a 6 horas", disse o cirurgião. O tempo necessário para avaliar a compatibilidade com o recetor. Neste caso, Salvador Sobral.

Detalhes sobre o dador não existem. "Impossível", disse, firme, José Pedro Neves. A identidade permanecerá anónima.

O cantor disse "três coisas" ao médico antes da operação: "[Perguntou-me] Se eu estava em forma, ao que respondi que sim; se podíamos pôr música e eu perguntei que música queria, ele disse música clássica; e, o que me sensibilizou muito, desejou-me sorte", revelou Miguel Abecasis.

Internado nos cuidados intensivos, segue-se um período de convalescença. "Há uma série de cautelas a ter nestas primeiras duas semanas. É uma recuperação longa que vai envolver novamente uma série de profissionais", adiantou o cirurgião.

A medicação acompanhará a vida de Salvador, mas, embora cauteloso, Miguel Abecasis, afirma que "se tudo correr bem, ele cairá no grupo de 85% que, à volta dos cincos anos, tem uma vida normal". Para já, mantém-se no Hospital de Santa Cruz, sem data de saída.

Exclusivos

Premium

Legionela

Maioria das vítimas quer "alguma justiça" e indemnização do Estado

Cinco anos depois do surto de legionela que matou 12 pessoas e infetou mais de 400, em Vila Franca de Xira, a maioria das vítimas reclama por indemnização. "Queremos que se faça alguma justiça, porque nunca será completa", defende a associação das vítimas, no dia em que começa a fase de instrução do processo, no tribunal de Loures, que contempla apenas 73 casos.