PSP na Grande Lisboa com menos de um carro-patrulha por esquadra

No comando de Lisboa há 53 veículos na oficina à espera de arranjo. MAI lançou concurso para aquisição de viaturas

O comando de Lisboa da PSP tem disponível um carro por esquadra, em média, porque algumas não contam com veículos para fazer patrulhas. A falta de automóveis na área do comando (Cometlis) - que inclui cinco divisões na capital e as de Sintra, Cascais, Oeiras, Loures e Amadora - tem-se agravado com o aumento de viaturas paradas à espera de ordem para arranjo.

No total, estão 53 carros-patrulha avariados, 23 dos veículos inoperacionais pertencem a uma das maiores divisões de Lisboa, a 4.ª (Alcântara), onde prestam serviço 330 agentes. Os outros 30 carros avariados são da Divisão da Amadora, zona onde se registam alguns dos maiores problemas de criminalidade na região da Grande Lisboa.

Perante esta questão, o Ministério da Administração Interna já lançou um concurso para a aquisição de 1869 viaturas (912 para a PSP), que devem começar a ser entregues neste ano e até 2021.

Na 4.ª Divisão existem apenas quatro carros-patrulha - um por cada esquadra. Aqui, num total de 38 viaturas de serviço, só 15 estão operacionais. Na PSP da Amadora há seis esquadras e a média é de uma viatura para cada. Uma das esquadras tem ao serviço um carro que foi cedido pela junta de freguesia para assegurar o policiamento de proximidade, adiantou fonte policial ao DN. Na frota da Amadora restam um carro para a equipa de intervenção rápida, um para a brigada de acidentes, outro para a esquadra de investigação criminal e um para o supervisor operacional.

Na cidade de Lisboa, por exemplo, as avarias obrigaram, em novembro, quatro esquadras da 1.ª Divisão da PSP (sede na Rua da Palma) a partilhar um carro no centro da capital. As esquadras do Rato, Rua da Palma, Baixa Pombalina e Bairro Alto estiveram quase meio ano sem veículo próprio, noticiou então o jornal online Observador. Neste momento, já têm três viaturas operacionais, soube o DN.

"O défice de carros-patrulha é grande em Lisboa e em todo o país. Na melhor das hipóteses, uma esquadra tem dois carros-patrulha, mas o normal é ter apenas um a circular", confirmou ao DN Paulo Rodrigues, presidente da ASPP/PSP (Associação Sindical dos Profissionais de Polícia). No total do Cometlis, segundo dados sindicais, haverá pouco mais de 28 carros-patrulha operacionais, o que nem o comando nem a Direção Nacional da PSP quiseram comentar. Já o Ministério da Administração Interna (MAI) informou o DN de que lançou "no final do ano passado, através da ESPap - Entidade de Serviços Partilhados da Administração Pública, um concurso público para a aquisição de 1869 viaturas para as forças e serviços de segurança". Segundo o MAI, para a PSP irão 912 veículos e motociclos, para a GNR serão 901 carros e motos e ao Serviço de Estrangeiros e Fronteiras estão destinadas 56 viaturas. "A medida envolve um investimento de cerca de 50 milhões de euros (IVA incluído) e prevê a entrega das viaturas entre 2018 e 2021." Dos 1869 carros entregues às forças de segurança, a maioria - 1258 - são para ações de patrulhamento.

O ministério garante que "este é o maior procedimento de contratação centralizada de veículos desde que o regime de centralização do Parque de Veículos do Estado foi implementado em 2008". A distribuição territorial será decidida pelas respetivas forças de segurança.

Comentando esta decisão, o dirigente sindical Paulo Rodrigues lembrou ser "importante garantir que esses carros novos trazem logo um orçamento garantido para manutenção. Porque um dos principais problemas em Lisboa e no país são os carros-patrulha avariados que ficam meses parados às espera de ordem de arranjo".

Carros vão para fora da sua zona

Os exemplos da difícil gestão da rotina policial feita nestas condições sucedem-se. Recentemente, um carro da esquadra da PSP de Rio de Mouro foi chamado a ocorrências criminais que estavam a acontecer em Queluz, segundo contou ao DN fonte policial. Apesar de Rio de Mouro e Queluz pertencerem à Divisão de Sintra, distam dez quilómetros entre si. As mesmas fontes contam que uma viatura da Divisão de Oeiras também teve de ir tomar conta de ocorrências a São Marcos (Sintra), a cerca de 15 minutos de distância.

Na Divisão de Sintra, em sete esquadras apenas três têm carro-patrulha, para um efetivo de 573 elementos. A PSP de Cascais tinha no final do ano dois carros-patrulha para acudir a ocorrências num concelho com 206 479 habitantes. Agora, segundo soube o DN, as cinco esquadras de Cascais já têm um veículo ativo em cada uma.

"Há muitas diligências que já são feitas com a patrulha a pé, em vário s locais do país. Por vezes, por causa da falta de carros-patrulha, já aconteceu a polícia demorar 45 minutos a uma hora a chegar ao local", adiantou Paulo Rodrigues. "As divisões têm de ter o número de carros mínimo para garantir que nunca se fica na situação de não ter veículos."

Exclusivos

Premium

Ferreira Fernandes

A angústia de um espanhol no momento do referendo

Fernando Rosales, vou começar a inventá-lo, nasceu em Saucelle, numa margem do rio Douro. Se fosse na outra, seria português. Assim, é espanhol. Prossigo a invenção, verdadeira: era garoto, os seus pais levaram-no de férias a Barcelona. Foram ver um parque. Logo ficou com um daqueles nomes que se transformam no trenó Rosebud das nossas vidas: Parque Güell. Na verdade, saberia só mais tarde, era Barcelona, toda ela.

Premium

Maria Antónia de Almeida Santos

Dos pobres também reza a história

Já era tempo de a humanidade começar a atuar sem ideias preconcebidas sobre como erradicar a pobreza. A atribuição do Prémio Nobel da Economia esta semana a Esther Duflo, ao seu marido Abhijit Vinaayak Banerjee e a Michael Kremer, pela sua abordagem para reduzir a pobreza global, parece indicar que estamos finalmente nesse caminho. Logo à partida, esta escolha reforça a noção de que a pobreza é mesmo um problema global e que deve ser assumido como tal. Em seguida, ilustra a validade do experimentalismo na abordagem que se quer cada vez mais científica às questões económico-sociais. Por último, pela análise que os laureados têm feito de questões específicas e precisas, temos a demonstração da importância das políticas económico-financeiras orientadas para as pessoas.

Premium

Marisa Matias

A invasão ainda não acabou

Há uma semana fomos confrontados com a invasão de territórios curdos no norte da Síria por parte de forças militares turcas. Os Estados Unidos retiraram as suas tropas, na sequência da inenarrável declaração de Trump sobre a falta de apoio dos curdos na Normandia, e as populações de Rojava viram-se, uma vez mais, sob ataque. As tentativas sucessivas de genocídio e de eliminação cultural do povo curdo por parte da Turquia não é, infelizmente, uma novidade, mas não é por repetir-se que se deve naturalizar e abandonar as nossas preocupações.