O prazer de desenvolver um modelo e vê-lo aplicado em dois meses

Hovione. Empresa exportadora de princípios ativos para a indústria farmacêutica já é o maior empregador privado de doutorados do país

Aos olhos de um leigo, a "máquina" assemelha-se aos tanques de inox utilizados na produção de bebidas alcoólicas. Mas Íris Duarte e Diana Fernandes observam e comentam o equipamento, recém-instalado, com o entusiasmo de um apreciador de automóveis que acaba de deparar-se com o último modelo da Lamborghini.

A "máquina" é um equipamento de spray drying - secagem por atomização -, técnica em que a Hovione, exportadora de princípios ativos para a indústria farmacêutica, foi pioneira no seu setor. As duas raparigas são engenheiras biológicas, Diana ainda a concluir o doutoramento, e fazem parte da geração de jovens altamente qualificados em que a empresa portuguesa aposta cada vez mais para continuar a afirmar-se nos mercados mais competitivos do planeta.

A empresa - que também tem unidades produtivas em Macau, Irlanda e Estados Unidos - já é o maior recrutador privado nacional de doutorados. Só em Loures, emprega 57, dos quais 17 contratados no ano passado. E muitos deles, como é o caso de Íris e poderá vir a ser o de Diana, formaram-se na própria empresa. Há oito anos, a Hovione começou a unir-se a instituições do ensino superior nacionais para oferecer bolsas de doutoramento empresa (BDE). Atualmente também já tem parcerias internacionais, incluindo com Cambrigde e o MIT. EM 2016, chegou a ter sete doutoramentos a decorrer em simultâneo e, recentemente, lançou um programa, chamado "9 ºW", que desafia a sociedade científica e académica a ajudá-la a superar determinados desafios tecnológicos.

Filipe Gaspar, vice-presidente com o pelouro de Investigação e Desenvolvimento (I&D), diz que estas apostas, quer nos programas doutorais quer na nova iniciativa, têm uma componente de "devolução ao país" do que este deu à empresa, fundada em 1959 pelo imigrante húngaro Ivan Villax. Mas é sobretudo uma forma de a Hovione "estar preparada" para acompanhar as exigências do mercado.

"Tem sido um modelo muito bom, para as pessoas que fazem os doutoramentos e para os nossos cientistas porque, ao orientarem estes trabalhos, mantêm-se ligados às universidades e ao estado da arte nas várias áreas", conta.

E a investigação produzida entre alunos e cientistas residentes já está a dar frutos: "Os trabalhos que são feitos pelos nossos alunos de doutoramento são muito de ciência aplicada", conta. "É muito usual eles desenvolverem determinado modelo, uma metodologia, uma nova técnica e passado um mês estamos a apresentar isto a nossos clientes e passados dois meses estamos a aplicar isto na prática".

João Vicente, já com o nome inscrito em quatro patentes, pode orgulhar-se de ter sido o aluno que deu origem a todo o processo. Há oito anos, quando estudava no Instituto Superior Técnico - também Engenharia Biológica - concorreu a um estágio na empresa. Correu tão bem que quiseram mantê-lo, criando a primeira BDE da Hovione. Sente-se no sítio certo, a fazer investigação e a vê-la materializar-se em técnicas e produtos."Este é um dos aspetos mais gratificantes do ponto de vista do aluno", conta. "Eu trabalhei também em investigação universitária e esta aplicabilidade é mais gratificante. O aluno investiga, cria qualquer coisa e está em uso rapidamente".

Também Íris, há sete anos na empresa, tendo defendido a tese de doutoramento no ano passado, se confessa "uma sortuda" por estar a fazer o que quer, numa área ainda muito específica, sem ter precisado de passar a fronteira para o conseguir: "Trabalho em Portugal, posso contribuir de certa forma para o meu país, estou numa empresa portuguesa, desafiante, o trabalho não é igual todos os dias, não há monotonia aqui", garante. "As pessoas podem não saber isto mas a Engenharia Biológica é uma área relativamente recente. Muitas empresas preferiam apostar em engenheiros químicos", acrescenta Diana.

Filipe Gaspar explica que, embora "tenha sido feliz" com os seus formandos, a empresa "não garante emprego ". Até porque este "depende das oportunidades de crescimento, que têm sido bastantes nos últimos anos". João, Íris e Diana têm a sorte - ou o mérito - de terem apostado numa área "estratégica" para a Hovione, que cresceu produzindo substâncias "de síntese química" mas espera entrar no mercado dos biofarmacêuticos.

Exclusivos

Premium

Viriato Soromenho Marques

Madrid ou a vergonha de Prometeu

O que está a acontecer na COP 25 de Madrid é muito mais do que parece. Metaforicamente falando, poderíamos dizer que nas últimas quatro décadas confirmámos o que apenas uma elite de argutos observadores, com olhos de águia, havia percebido antes: não precisamos de temer o que vem do espaço. Nenhum asteroide constitui ameaça provável à existência da Terra. Na verdade, a única ameaça existencial à vida (ainda) exuberante no único planeta habitado conhecido do universo somos nós, a espécie humana. A COP 25 reproduz também outra figura da nossa iconografia ocidental. Pela 25.ª vez, Sísifo, desta vez corporizado pela imensa maquinaria da diplomacia ambiental, transportará a sua pedra penitencial até ao alto de mais uma cimeira, para a deixar rolar de novo, numa repetição ritual e aparentemente inútil.

Premium

Maria do Rosário Pedreira

Agendas

Disse Pessoa que "o poeta é um fingidor", mas, curiosamente, é a palavra "ficção", geralmente associada à narrativa em prosa, que tem origem no verbo latino fingire. E, em ficção, quanto mais verdadeiro parecer o faz-de-conta melhor, mesmo que a história esteja longe de ser real. Exímios nisto, alguns escritores conseguem transformar o fingido em algo tão vivo que chegamos a apaixonar-nos por personagens que, para nosso bem, não podem saltar do papel. Falo dos criminosos, vilões e malandros que, regra geral, animam a literatura e os leitores. De facto, haveria Crime e Castigo se o estudante não matasse a onzeneira? Com uma Bovary fiel ao marido, ainda nos lembraríamos de Flaubert? Nabokov ter-se-ia tornado célebre se Humbert Humbert não andasse a babar-se por uma menor? E poderia Stanley Kowalski ser amoroso com Blanche DuBois sem o público abandonar a peça antes do intervalo e a bocejar? Enfim, tratando-se de ficção, é um gozo encontrar um desses bonitões que levam a rapariga para a cama sem a mais pequena intenção de se envolverem com ela, ou até figuras capazes de ferir de morte com o refinamento do seu silêncio, como a mãe da protagonista de Uma Barragem contra o Pacífico quando recebe a visita do pretendente da filha: vê-o chegar com um embrulho descomunal, mas não só o pousa toda a santa tarde numa mesa sem o abrir, como nem sequer se digna perguntar o que é...

Premium

Maria Antónia de Almeida Santos

"O clima das gerações"

Greta Thunberg chegou nesta semana a Lisboa num dia cheio de luz. À chegada, disse: "In order to change everything, we need everyone." Respondemos-lhe, dizendo que Portugal não tem energia nuclear, que 54% da eletricidade consumida no país é proveniente de fontes renováveis e que somos o primeiro país do mundo a assumir o compromisso de alcançar a neutralidade de carbono em 2050. Sabemos - tal como ela - que isso não chega e que o atraso na ação climática é global. Mas vamos no caminho certo.