O Natal é paz, pensar nos outros, família, prendas...e os doces da avó

A mostrar que aprenderam bem a lição: os mais novos descrevem esta quadra natalícia como sendo de paz e de estar com a família. Mas à medida que crescem, vão-se apercebendo da importância que é dada aos presentes e preferem valorizar o tempo em família. Sem esquecer os mimos que se servem à mesa

O Natal é a época em que as crianças são rainhas. Mas o que pensam elas desta quadra festiva? Como vivem e preparam a festa? "A nossa perceção sobre o Natal vai mudando ao longo da vida", começa por esclarecer Marina Miranda, de 16 anos. Ela e os colegas do Agrupamento de Escolas dos Olivais, em Lisboa, explicam ao DN como vivem a quadra natalícia.

Se os mais velhos são mais contidos, junto dos mais pequeninos, que frequentam a Escola Sarah Afonso (do mesmo agrupamento), a expectativa confirma-se: "Para mim o mais importante do Natal são os presentes", diz Isaac Ribeiro, de 9 anos. Para logo Beatriz, Tiago e Martim concordarem com o colega de turma. Ainda que todos tenham começado por caracterizar o Natal como uma época de "paz e amor", de "família e de felicidade". Martim Catarino junta o desejo de que "o próximo ano seja melhor, que não haja tantas pessoas a morrer e haja mais a nascer".

Beatriz Carvalho é a última a falar e, por isso, sintetiza o Natal como "um momento de estar em família, todos juntos e a receber muitas prendas". Um tema sensível nesta idade é o Pai Natal. Beatriz escreveu-lhe e espera que ele lhe traga os presentes pedidos, mas Isaac mete-se na conversa para anunciar que sabe um segredo, mas não o vai revelar "porque há quem ainda acredite".

No grupo dos mais velhos, alunos da Secundária António Damásio, já não há segredos e pode-se falar sobre a preparação do Natal sem rodeios. "Fazemos uma lista para os primos mais pequenos com o que eles querem e tentamos comprar tudo um bocadinho antes da confusão do Natal. Para os mais velhos compramos assim um licor de canela, só para oferecer qualquer coisa", conta Marta Cunha, aluna do 7.º ano. O seu colega de turma António Freitas também já foi com a mãe escolher o presente do pai: "Fomos ao centro comercial escolher uma camisa, porque ele contenta-se com roupa." A estes presentes, o estudante de 12 anos junta um postal de Natal feito por ele. Mais os chocolates para o avô, que toda a família ajuda "a despachar".

Joana Vaz aproveita o jeito que tem para a cozinha para poupar nas prendas. "Dou algo feito por mim, umas bolachas, por exemplo." Além disso, a aluna do 11.º de Ciências gosta de "pensar em presentes que se adequem às pessoas". "É para a minha irmã [mais velha] que tenho mais cuidado, e ela faz o mesmo comigo."

Ainda a juntar dinheiro para fazer as compras, Inês Medley tem uma parte da família em que usa "o método amigo secreto". "Encontramo-nos antes do Natal, por volta do dia 22, e damos presentes até cinco euros. No ano passado, por exemplo, calhou-me uma almofada que faz o barulho de puns." "É para ser assim coisas engraçadas", justifica, a rir.

Mariana também troca presentes com as amigas - "com limite de cinco euros" - e já fizeram essa troca no último dia de aulas. No seu caso, sabendo que a amiga que lhe calhou no sorteio do amigo secreto gosta de um ator de uma série: "Fiz um cartaz com ele a desejar-lhe bom Natal e mais umas piadas nossas."

À espera de desodorizantes e tricô

As três jovens de 16 anos já têm uma visão menos centrada nos presentes. O que não significa que não estejam ansiosas para saber o que lhes vai calhar no sapatinho. Além das surpresas, estão à espera dos clássicos presentes inesperados, mas que, por isso mesmo, são tão ou mais especiais do que os outros.

Joana Vaz aguarda as peças de tricô que a avó dá às netas. "E nós gostamos sempre muito, porque é algo feito por ela." Além disso, "os meus pais dão-me sempre algo que eu gosto". Este ano, tudo o que vier será bem-vindo, já que Joana não pediu nada.

Na mesma expectativa está Mariana Miranda. "Este ano, sinceramente estou com mais espírito de dar do que de receber. Nem pensei em nada, por isso, não pedi nada, logo tudo o que receber será surpresa." Até os presentes, sempre certeiros da tia: "Ela dá-nos sempre desodorizantes e coisas assim. No ano passado, os rapazes receberam aftershave num conjunto de cremes, e as raparigas, um livrinho que parecia um diário."

Inês recebe sempre algo que pediu: "A minha família pergunta sempre aos meus pais o que é que eu gosto." Mas há uma coisa a que não acha muita piada: "Receber dinheiro." Ou pelo menos, notas sem estarem embrulhadas. "Gosto daquela euforia de rasgar o papel de embrulho, até podia ser uma caixinha com dinheiro, mas com um embrulho. Também não gosto de receber vales de oferta. Depois são cinco euros na Fnac. O que é que eu compro com cinco euros na Fnac?", questiona, para logo explicar que às vezes recebe apenas uma lembrança no Natal, porque o seu aniversário é um pouco antes.

À exceção de livros, Marta não tem mais nada específico pedido este ano. "Os presentes servem para dizer que nos importamos com as pessoas e já me contento com um pinheiro ou qualquer coisa." António também pediu "dois ou três livros" e já sabe que vai acabar por receber "cinco ou seis". As suas escolhas vão para J. K. Rowling, explicando que é a autora da saga Harry Potter, que já leu toda, e David Walliams - "o autor da Avozinha Gangster, que é muito giro".

Ao interesse literário, há outra espécie de presente que António quer conquistar: recuperar o seu iPhone, substituído por estes dias por "um telefone de teclas". "Talvez tenha ficado sem o meu telemóvel por me ter portado um bocadinho mal", resume. António espera ainda encontrar no sapatinho "monopólios" que gosta de jogar com o pai e a mãe e até com a gata, que "tem mau perder e rouba as peças".

Mais fáceis de contentar são Beatriz, Tiago, Martim e Isaac. "Desde que haja brinquedos e roupa", resume Beatriz, e todos concordam. Embora, Martim e Tiago sejam mais concretos: "Um helicóptero", diz o primeiro, "jogos para a consola", prefere o segundo.

Martim e o engorda maridos da avó

A partilhar a consoada com 29 familiares, Martim está ansioso por engordar "dois quilos" com o espera-maridos, a especialidade da avó. "É um bolo com doce de ovos, só de comer uma fatia engordei dois quilos, mas emagreci logo um quilo passado uma hora", esclarece, sem exageros.

Apenas Martim, Beatriz e António passam a quadra fora de Lisboa e ocasionalmente Marta também. António vai para Castelo Branco onde é recebido com as delícias da época. "O Natal é uma desculpa para dar presentes e engordar." A sua consoada é passada essencialmente à mesa - os presentes só se abrem na manhã seguinte, "é uma tradição da minha mãe" - e António perde-se com o bacalhau, o peru e "muitas sobremesas". "A minha família é pequena e então o Natal para mim é a minha avó e a minha mãe a cozinharem e nós a enchermos a barriga."

Beatriz vai "pela primeira vez no Natal a casa da tia, na Benedita". O dia 24 ainda é passado por Lisboa, com os pais, a irmã mais velha e os avós, mas a menina de 9 anos não esconde o entusiasmo de ir para fora. Não é fã de bacalhau, mas espera ter arroz-doce. "Ai é tão bom."

Tiago vai ter de certeza o arroz-doce da avó, já que esta guloseima "não pode faltar". Já Isaac, que passa em Lisboa, mal pode esperar "pelo bolo de chocolate", mostrando não gostar "nada de bolo-rei". O que Martim gostava de ter na sua ceia de Natal, quer passe na serra da Estrela, na Sertã ou em Lisboa, era hambúrgueres, mas vai ter de se contentar "com bacalhau com natas".

No meio de uma família grande - "tenho uma irmã mais velha, só primos direitos são uns 15, mais os primos em segundo grau, é uma grande confusão, somos uns 40, 50" -, Marta vai até Torres Novas ou a Batalha, dependendo dos anos, onde há sempre a sua perdição: "Chocolates."

Inês, Mariana e Joana passam o Natal em Lisboa com a família. A primeira tem saudades dos tempo em que "passávamos na casa da minha avó e até metíamos o ténis para receber as prendas". "Antigamente, o Natal era estar com os meus primos - somos uns dez -, era um festival, mas agora há já uns cinco anos que não conseguimos estar todos juntos. Continuo a adorar os filmes e o espírito de Natal, mas já não é a mesma coisa", lamenta. Agora, passa em casa dos pais e a eles juntam-se os avós e alguns tios e primos. Inês acaba por se concentrar nos presentes para os pais: "A minha mãe pede sempre alguma coisa de Natal, o meu pai é mais difícil e acaba por ser sempre coisas neutras, uma caneta ou um isqueiro."

Joana fica "sempre com a família mais próxima, que não é muito grande - somos uns dez -, mas depois junta-se o namorado da prima e é assim, aparece sempre mais alguém". Mariana tem os dois lados da família em Lisboa, fazendo o dia 24 "como lado da mãe" e o dia 25 "com o lado do pai".

À medida que vão crescendo, todos vão vendo a quadra de forma diferente. Mariana Miranda confessa estar mais impressionada com a ideia de que há pessoas mais sozinhas. "Fico mais atenta, na escola ou com aqueles familiares que sei que estão mais sozinhos, mas é claro que não consigo fazer grande diferença." Joana Vaz sempre viveu o Natal "com uma grande alegria". "É uma época de pensar mais nos outros, até a ideia das prendas significarem que alguém pensou em nós, gosto disso."

O Natal parece igual para todos, mas todas as famílias têm pequenas tradições que acabam por ser únicas. O importante é que, no fim, seja como diz António Freitas: "Um Natal bom."

Exclusivos

Premium

Catarina Carvalho

Clima: mais um governo para pôr a cabeça na areia

Poderá o mundo comportar Trump nos EUA, Bolsonaro no Brasil, Erdogan na Turquia e Boris no Reino Unido? Sendo esta a semana do facto consumado do Brexit e coincidindo com a conferência do clima da ONU, vale a pena perguntarmos isto mesmo. E nem só por razões socioideológicas e políticas. Ou sobretudo não por estas razões. Por razões simples de simples sobrevivência do nosso planeta a que chamamos terra - porque é isso que é fundamentalmente: a nossa terra. Todos estes líderes são mais ou menos populistas, todos basearam as suas campanhas e posteriores eleições numa visão do mundo completamente conservadora - e, até, retrógrada - do ponto de vista ambiental. E embora isso seja facilmente explicável pelas razões que os levaram à popularidade, é uma das facetas mais perigosas da sua chegada ao poder. Vem tudo no mesmo sentido: a proteção de quem se sente frágil, num mundo irreconhecível, em acelerada e complexa mudança, tempos de um paradigma digital que liberta tarefas braçais, em que as mulheres têm os mesmos direitos que os homens, em que os jovens podem saber mais do que os mais velhos... e em que nem na meteorologia podemos confiar.

Premium

Pedro Lains

Boris Johnson e a pergunta do momento

Afinal, ao contrário do que esperava, a estratégia do Brexit compensou, isto é, os resultados das eleições desta semana deram uma confortável maioria parlamentar ao homem que prometeu a saída do Reino Unido da União Europeia. A dimensão da vitória põe de lado explicações baseadas na manipulação das redes sociais, da imprensa ou do eleitorado. E também põe de lado explicações que colocam o desfecho como a vitória de uma parte do país contra outras, como se constata da observação do mapa dos resultados eleitorais. Também não se pode usar o argumento de que a vitória dependeu de um melhor uso das redes sociais, pois esse uso estava ao alcance de todos e se o Partido Trabalhista não o fez só ele pode ser responsabilizado. O Partido Conservador foi mais profícuo em mentiras declaradas, mas o Partido Trabalhista prometeu coisas a mais, o que é diferente eticamente, mas não do ponto de vista da política eleitoral. A exceção, importante, mas sempre exceção, dada a dimensão relativa da região, foi a Escócia, onde Boris Johnson não entrou. Mas a verdade é que o Partido Conservador conseguiu importantes vitórias em muitos círculos tradicionalmente trabalhistas. Era nessas áreas que o Manifesto de esquerda tradicional teria mais hipóteses de ganhar, pois são as áreas mais afetadas pela austeridade dos últimos nove anos. Mas tudo saiu ao contrário. Porquê?

Premium

Adolfo Mesquita Nunes

É o que dá prometer nacionalizar tudo o que mexe

A chegada de Jeremy Corbyn à liderança do Partido Trabalhista foi saudada como uma espécie de feliz regresso às origens, aos ideais fundacionais, à verdadeira esquerda. Tanto mais que essa vitória se fez contra as principais figuras do partido, enfrentando o chamado sistema, amparado num discurso profundamente desconfiado da economia de mercado e próximo de experiências socialistas ou comunistas. Nessa narrativa, que se popularizou, Blair representava o abastardamento desses ideais, uma espécie de esquerda vendida, incapaz de resistir aos vis interesses do capitalismo. Já Corbyn, claro, representava a esquerda autêntica, a preocupada com os mais vulneráveis, e por isso capaz de mobilizar toda aquela jovem militância que transvasava para o partido vinda das redes sociais. E à medida que Corbyn foi resistindo aos ataques do chamado baronato do partido, e não o levando ao colapso eleitoral que os barões afiançavam, a narrativa foi ganhando adeptos na opinião publicada e nas redes sociais politizadas, como que confirmando a ideia de que o centro moderado estava morto, enterrado, que o velho socialismo era o novo socialismo, o único capaz de mobilizar a juventude e as massas, o exemplo a seguir. Diga-se que esta ideia de moderação morta e enterrada não se quedou pelos trabalhistas ingleses nem sequer pela esquerda inglesa. Vários partidos socialistas europeus andam com entusiasmos ou ânimos semelhantes (França, Espanha e Portugal são exemplos), como à direita anda muita gente a defender o mesmo (Espanha e Portugal são exemplos também). Mas eis que o colapso eleitoral chegou, e com estrondo. Um resultado ainda pior do que o sofrido por Foot e Kninock, perdendo bastiões que eram seus há décadas. É o que dá defender nacionalizações de tudo e mais alguma coisa e propor um manifesto próprio da esquerda sul-americana. É o que dá confundir indignação com razão, radicalismo com determinação, emoção com inspiração, tudo embalado pelas redes sociais politizadas, dominadas por elites urbanas deslocadas das principais preocupações das pessoas. Mas se o centro não morreu, se a moderação está viva e de boa saúde, como explicar que Boris Johnson, tomado por cá como uma espécie de Trump, como uma direita pouco moderada, tenha tido uma vitória esmagadora? Convém ir além da forma e do estilo e conhecer não só o trajeto executivo de Boris na Câmara de Londres como também o seu manifesto para estas eleições. Conhecendo-o, vejo poucas razões para a direita que desdenha a moderação andar a celebrar esta vitória. Boris funda o seu manifesto numa adesão à economia de mercado e à democracia liberal pouco compatível com os críticos da globalização e da livre circulação, e exalta um cosmopolitismo e um liberalismo social que costumam arrepiar quem acha que isso é marxismo cultural.

Premium

Maria Antónia de Almeida Santos

Contas certas com prioridades certas

Cada vez mais, ouvimos dizer que o vínculo entre os cidadãos e a vida política é, hoje em dia, menos pleno do que antes. Rui Rio, esta semana, falou até de um "divórcio entre a sociedade e os partidos". Percebe-se o recurso a esta metáfora por parte do PSD, devido ao seu clima interno de discórdia. No entanto, constatar o afastamento não basta e não nos isenta. Há também que refletir sobre o conceito de "democracia de proximidade" de que tanto falamos e do que isso significa. O que é - de facto - uma democracia de proximidade? Em primeiro lugar, é a democracia próxima dos problemas e anseios dos cidadãos. Basta olhar para a esfera pública para perceber que se exige cada vez mais à democracia que seja capaz de resolver problemas reais e estruturais.