Manifesto a defender Portugal do domínio espanhol da banca

Um dos promotores da iniciativa é do empresário Alexandre Patrício Gouveia. João Salgueiro, ex-banqueiro e antigo presidente da Associação Portuguesa de Bancos, é outra das figuras associada a esta iniciativa, que ainda estará numa fase embrionária.

O objetivo dos impulsionadores do manifesto é de que, pelo menos, 50 personalidades portuguesas, entre empresários e economistas, subscrevam o documento.

Patrício Gouveia foi igualmente um dos promotores do manifesto, há 10 anos, designado "Compromisso Portugal", que defendia a manutenção dos centros de decisão no nosso país.
João Salgueiro também questionou recentemente a venda do Banif aos espanhóis do Santander e considerou que o negócio "merece e merecia ter sido melhor explicado".

Foi Marques Mendes quem revelou ontem, na SIC, a preparação do documento sobre um assunto que tem agitado a política portuguesa nos últimos dias e que tem provado reações da direita à esquerda.
A ameaça da "espanholização" dos bancos nacionais, com a consequente transferência para Madrid das decisões sobre os financiamentos aos vários setores atividade da economia nacional, levaram a uma concertação entre Marcelo Rebelo de Sousa e António Costa. Sem hostilizar Espanha, o objetivo é produzir orientações de visão a longo prazo para travar a concentração da banca num único país estrangeiro, ajudando a encontrar soluções para as necessárias recapitalizações.

As maiores confederações de patrões, dos setores empresarial, industrial, comercial e serviços, agrícola, do turismo, da construção e do imobiliário, também manifestaram a sua preocupação. Bruno Bobone, presidente da Câmara de Comércio e Indústria, lançou mesmo um repto aos empresários portugueses, desafiando-os a criar um banco português ou a juntar capital para comprar uma instituição bancária existente.

Da parte dos protagonistas políticos, foi Marcelo Rebelo de Sousa quem deu primeiro a cara pelo acordo de Queluz, quando, na sua visita a Espanha, fez declarações sobre o risco de domínio espanhol na banca em Portugal. "É importante haver uma participação significativa, o que é diferente de haver um exclusivo. É uma posição de fundo. Nenhuma economia deve ter uma posição exclusiva noutra economia", frisou.

No sábado, o Expresso noticiou que António Costa e a empresária angolana Isabel dos Santos, para ultrapassar o impasse no BPI, reuniram-se em Lisboa e terão conciliado posições com o grupo financeiro espanhol La Caixa, com a filha do Presidente de Angola a vender a sua participação no BPI aos espanhóis e o BPI a ceder as suas ações do banco angolano BFA a capitais angolanos.
O líder da oposição, Pedro Passos Coelho, exigiu explicações a Costa sobre a alegada "interferência" e nem Marcelo escapou às críticas. "Não temos boa memória dos tempos em que os governos e os primeiros-ministros se envolviam em processos societários que não respeitam ao Estado, respeitam aos privados, e era muito importante que houvesse um cabal esclarecimento dessa matéria", afirmou em Vila Real.

O presidente do PSD entende que esta ",não é uma matéria em que o Governo se deva envolver. O primeiro-ministro não tem competência nenhuma nesta matéria, nem o Presidente da República, pela mesma ordem de razão".

A controvérsia também mereceu a atenção de Jerónimo de Sousa, que não perdeu a oportunidade para sugerir o "controlo público" da banca, como a única solução para de poder "decidir soberanamente sobre o nosso setor financeiro".

"Andam para aí notícias hoje onde se discute a questão do futuro do BPI, se vai para os espanhóis, se vai para os angolanos, pois nós queremos dizer que o problema não está no capital angolano, nem no capital espanhol, ou seja de quem for, o problema é que tratando-se da banca, temos que afirmar a nossa soberania", referiu.

Catarina Martins, a porta-voz nacional do BE, questionada pelos jornalistas, não quis comentar. Do CDS, o "silêncio" foi também a resposta, embora fonte do partido o tenha explicado como "propositado". "O partido não se mete nessa guerra. São questões nacionais, não partidárias", sublinhou, demarcando-se assim do PSD.

No congresso de há uma semana, Paulo Portas tinha, no entanto, alertou quanto às análises de crédito e risco em relação às necessidades das empresas portuguesas são diferentes caso sejam feitas em Portugal ou em Espanha."Peço a todos que tenham sentido estratégico na reestruturação do nosso sistema financeiro, seria indesejável que ficássemos com um sistema financeiro que se dividisse apenas entre Espanha de um lado e Caixa Geral de Depósitos de outro",disse.

Exclusivos