Vinculação de 3200 professores arranca antes da Páscoa

Concurso extraordinário vai decorrer em simultâneo com os concursos nacionais interno e externo. Colocações devem ser conhecidas no mês de junho

O Ministério da Educação confirmou ao DN que a " publicação do aviso de abertura do concurso [extraordinário de vinculação]", que dará acesso aos quadros a cerca de 3200 professores contratados, acontecerá na primeira quinzena de abril". Adiantou ainda que esta vinculação vai decorrer "em simultâneo" com os concursos externo (para contratação a termo) e interno (para quadros). Com os diversos prazos dos concursos, as listas de colocação não deverão ser conhecidas antes de meados de junho.

A portaria conjunta da Educação e das Finanças, formalizando a criação das vagas, foi ontem publicada em Diário da República, e não tem novidades em relação ao que foi anunciado pelo Ministério da Educação, na sequência de um processo negocial com os sindicatos que terminou sem acordo. Para acederem aos quadros, os docentes terão de contar com 4380 dias de tempo de serviço, para além de terem contabilizado cinco contratos nos últimos seis anos, incluindo um contrato com horário anual completo em 2016/2017.

Mesmo com estas condicionantes, de acordo com uma contabilidade feita por Arlindo Ferreira, professor e autor de um blogue especializado em contratação de professores, as vagas criadas pelo Ministério serão insuficientes para os candidatos elegíveis: "Tenho apurados entre 4800 e 5000 professores com condições para a vinculação extraordinária, pelo que poderão ficar de fora até 1800 professores", disse,

Para César Israel Paulo, da Associação Nacional de professores Contratados (ANPVC), "há ainda um longo caminho a percorrer" até estarem resolvidas as situações de precariedade de professores com muito tempo de serviço". "E tenho em certeza de que isso vai ficar claro em setembro, quando as escolas voltarem a contratar muitos professores com estas características", vaticinou.

Ainda assim, o porta-voz da ANPVC não deixou de sublinhar que esta "é uma das maiores vinculações de professores feitas de uma vez", considerando também importante que, para efeitos de decisão de quem entra já nos quadros ou fica de fora, "sejam consideradas as listas graduadas".

Exclusivos

Premium

Leonídio Paulo Ferreira

Nuclear: quem tem, quem deixou de ter e quem quer

Guerrilha comunista na Grécia, bloqueio soviético de Berlim Ocidental ou Guerra da Coreia são alguns dos acontecimentos possíveis para datar o início da Guerra Fria, que alguns até fazem remontar à partilha da Europa em esferas de influência por Churchill e Estaline ainda o nazismo não tinha sido derrotado. Mas talvez 29 de agosto de 1949, faz agora 70 anos, seja a melhor opção, afinal nesse dia a União Soviética fez explodir a sua primeira bomba atómica e o monopólio da arma pelos Estados Unidos desapareceu. Sim, foi o teste em Semipalatinsk que estabeleceu o tal equilíbrio do terror, primeiro atómico e depois nuclear, que obrigou as duas superpotências a desistirem de uma Guerra Quente.