Touradas com bolinha na TV e sem apoios do Estado

BE atira espetáculos tauromáquicos para altas horas da noite na televisão e rejeita qualquer financiamento estatal

O Bloco de Esquerda quer acabar com o financiamento público das touradas e limitar a sua transmissão televisiva a horário para notívagos, com bolinha vermelha no canto, de acordo com dois projetos de lei entregues no Parlamento, a que o DN teve acesso.

A primeira proposta "impede o apoio institucional à realização de espetáculos que inflijam sofrimento físico ou psíquico ou provoquem a morte de animais", a segunda designa os "espetáculos tauromáquicos como suscetíveis de influírem negativamente na formação da personalidade de crianças e adolescentes".

Estas duas iniciativas serão discutidas no Parlamento a 6 de julho, juntamente com outra do PAN, que vai mais longe e pretende abolir todas as touradas, num projeto de lei de 24 páginas de exposição de motivos (históricos, estatísticos e sociais) e dois únicos artigos que determinam "a abolição de corridas de touros em Portugal", sem mais e sem qualquer exceção.

Para a deputada Maria Manuel Rola, o BE vê com "bons olhos" a "vontade" expressa pelo projeto do deputado André Silva, mas sublinha que "a forma de concretizar tem de ser mais pragmática". Não se pode passar do 8 ao 80. Em declarações ao DN, Maria Manuel defendeu que os projetos da sua bancada "acrescentam a forma" como se pode evoluir para a abolição dessas touradas: por um lado, retirando o financiamento e outros apoios públicos, por outro lado, atirando a sua difusão televisiva para horas tardias.

Notando que os animais sencientes, como "elefantes, leões, touros e cavalos são seres capazes de sentir prazer ou sofrimento", o projeto bloquista refere que "os espetáculos que na sua preparação ou realização incluam atos de violência física ou psicológica (como a privação de comida) relativamente a animais implicam, necessariamente, a imposição de sofrimento aos mesmos".

Não é só o "bem-estar dos animais que participam" nestes espetáculos que preocupa o BE. Para os bloquistas, "um número crescente de estudos demonstra que a exposição pública de touradas parece causar um impacto emocional negativo em quem assiste, com particular incidência nos níveis de agressividade e ansiedade das crianças".

Somando o "sofrimento animal" e as "consequências nos humanos da visualização desses atos", o BE nota que "o abandono dessa prática corresponde a um avanço para a sociedade", tratando-se da "escolha de uma sociedade com padrões éticos elevados e que não aceita que o sofrimento animal seja um divertimento".

No projeto do grupo parlamentar do BE recorda-se o regime de exceção introduzido para as touradas na legislação que protege os animais, cuja realização a lei diz ser "lícita", uma contradição que os bloquistas querem sanar, reapresentando um projeto que "considera que a realização de espetáculos com animais que impliquem o seu sofrimento físico ou psíquico não pode ser alvo de apoio institucional".

Para os bloquistas, "nenhum recurso ou apoio público pode contribuir para este tipo de práticas", proibindo-se a Presidência da República, o Governo, os governos regionais, as autarquias, as comunidades intermunicipais, as empresas participadas do Estado e do setor empresarial local, os institutos públicos e entidades públicas independentes de o fazerem. Apoios institucionais traduzem-se, na interpretação do projeto do BE, pela "atribuição de qualquer subsídio", a "criação ou aplicação de qualquer isenção de taxa a que o evento seja sujeito" e "a cedência de palcos ou outros recursos".

Já na chamada Lei da Televisão, o BE quer introduzir uma alteração que designe "espetáculos tauromáquicos como suscetíveis de influírem negativamente na formação da personalidade de crianças e adolescentes", limitando a transmissão destes espetáculos ao período entre as 22.30 e as 6.00 da manhã, como já decidiu o tribunal, em 2008, quando da decisão de uma providência cautelar contra a RTP que pretendia transmitir uma corrida de touros pelas 17.00.

Na proposta bloquista, qualquer tourada que seja transmitida na televisão terá de ser acompanhada com uma bolinha vermelha, "identificativo visual apropriado" para "programas suscetíveis de influírem de modo negativo na formação da personalidade das crianças ou de adolescentes".

Se este projeto for aprovado, a RTP ficará também ela inibida de organizar e promover a sua Grande Corrida TV. "Se a RTP tem financiamento público, esse financiamento não pode financiar touradas, pode ser antes dirigido para projetos de bem-estar animal", apontou Maria Manuel Rola.

A deputada do BE está na expectativa quanto à votação. No passado, idênticas iniciativas foram chumbadas. "É um processo dinâmico. Mas não deixamos de fazer esse caminho", considerou.

Ler mais

Exclusivos

Opinião

DN+ O sentido das coisas

O apaziguamento da arena de conflitos em que perigosamente tem sido escrita a história das relações entre as potências no ano corrente implica uma difícil operação de entendimento entre os respetivos competidores. A questão é que a decisão da reunião das duas Coreias, e a pacificação entre a Coreia do Norte e os EUA, não pode deixar de exigir aos intervenientes o tema dos valores de referência que presidam aos encontros da decisão, porque a previsão, que cada um tem necessariamente de construir, será diferente no caso de a referência de valores comuns presidir a uma nova ordem procurada, ou se um efeito apenas de armistício, se conseguido, for orientado pela avaliação dos resultados contraditórios que cada um procura realizar no futuro.

Opinião

DN+ João

Os floristas da Rua da Alegria, no Porto, receberam uma encomenda de cravos vermelhos para o dia seguinte e não havia cravos vermelhos. Pediram para que lhes enviassem alguns do Montijo, onde havia 20, de maneira a estarem no Porto no dia 18 de julho. Assim foi, chegaram no dia marcado. A pessoa que os encomendou foi buscá-los pela manhã. Ela queria-os todos soltos, para que pudessem, assim livres, passar de mão em mão. Quando foi buscar os cravos, os floristas da Rua da Alegria perguntaram-lhe algo parecido com isto: "Desculpe a pergunta, estes cravos são para o funeral do Dr. João Semedo?" A mulher anuiu. Os floristas da Rua da Alegria não aceitaram um cêntimo pelos cravos, os últimos que encontraram, e que tinham mandado vir no dia anterior do Montijo. Nem pensar. Os cravos eram para o Dr. João Semedo e eles queriam oferecê-los, não havia discussão possível. Os cravos que alguns e algumas de nós levámos na mão eram a prenda dos floristas da Rua da Alegria.

Opinião

DN+ Quem defende o mar português?

Já Pascal notava que através do "divertimento" (divertissement) os indivíduos deixam-se mergulhar no torpor da futilidade agitada, afastando-se da dura meditação sobre a nossa condição finita e mortal. Com os povos acontece o mesmo. Se a história do presente tiver alguém que a queira e possa escrever no futuro, este pobre país - expropriado de alavancas económicas fundamentais e com escassa capacidade de controlar o seu destino coletivo - transformou 2018 numa espécie de ano do "triunfo dos porcos". São incontáveis as criaturas de mérito duvidoso que através do futebol, ou dos casos de polícia envolvendo tribalismo motorizado ou corrupção de alto nível, ocupam a agenda pública, transformando-se nos sátiros da nossa incapacidade de pensar o que é essencial.