TC diz que lei dá resposta ao modelo de fiscalização

Preocupação manifestada pelo presidente do Tribunal Constitucional para fiscalizar contas é respondida pela nova lei

O presidente do Tribunal Constitucional (TC), Manuel da Costa Andrade, entende que a lei do financiamento dos partidos "no essencial dá resposta" à "preocupação relativamente ao modelo de fiscalização das contas dos partidos políticos e das campanhas eleitorais".

Questionado pelo DN sobre se a lei aprovada e as alterações introduzidas nesta legislação respondem às preocupações apresentadas aos grupos parlamentares já em outubro do ano passado, fonte oficial do Palácio Ratton notou "que o Tribunal Constitucional manifestou, ainda em 2016, ao presidente da Assembleia da República e aos deputados, a sua preocupação relativamente ao modelo de fiscalização das contas dos partidos políticos e das campanhas eleitorais". E sentenciou: "No que se refere a esse aspeto, a lei recentemente aprovada pela Assembleia da República reflete essa preocupação, a que no essencial dá resposta."

Os pontos polémicos ficam de fora desta observação, acrescentou a resposta. "Sobre as alterações relativas ao financiamento em si mesmo, o Tribunal Constitucional não se pronuncia."

Noutra nota, tornada pública ontem, a Entidade das Contas e Financiamentos Políticos (ECFP) segue a mesma linha de argumentação do TC, para informar que "entende não dever comentar as alterações legislativas em matéria de financiamento dos partidos políticos, designadamente as que se referem aos limites do financiamento partidário e à isenção do IVA".

Esta entidade - que tem sido muito criticada pelos partidos neste processo - avisa que "o extraordinário aumento de competências que a lei recentemente aprovada pela Assembleia da República lhe confere tem de ser necessariamente acompanhada de um significativo reforço dos seus meios materiais e humanos".

A esta exigência, a Entidade soma um "motivo de grande apreensão", que é "a revogação da norma que lhe atribui competência regulamentar, decisiva para a normalização de procedimentos relativos à apresentação de despesas pelos partidos políticos e campanhas eleitorais".

Manuel da Costa Andrade esteve na origem de um processo (conduzido no segredo dos gabinetes parlamentares) que culminou na aprovação a 21 de dezembro da lei que altera pressupostos no financiamento partidário, nomeadamente com a devolução total de IVA aos partidos e o fim do limite global para donativos.

O presidente do Tribunal Constitucional entregou propostas concretas ao Parlamento, em que enumerou hipóteses de trabalho sobre o processo de fiscalização das contas e campanhas eleitorais. Na altura foi criado um grupo de trabalho - o tal que trabalhou à porta fechada, sem registos escritos e atas dos trabalhos.

"Integrar grandes eventos"

O caderno de encargos de Costa Andrade incluía duas vias para resolver a questão da fiscalização dos partidos, na qual a preferida era "cometer à ECFP a investigação das irregularidades e ilegalidades e, sendo caso disso, a aplicação de coimas, com a possibilidade de recurso para o TC". Numa síntese publicada pelo Público, a 3 de maio, o TC defendia que esta "solução maximizaria a satisfação dos interesses em jogo: eficácia/celeridade (economia processual), alinhamento com a Constituição e com o ordenamento jurídico".

Noutros pontos antecipados pelo juiz conselheiro para serem desatados o nó górdio (como o reforço de meios ou a extinção de partidos, por exemplo), Manuel da Costa Andrade propunha "que o Parlamento" encontrasse "uma forma adequada de integrar estes grandes eventos partidários na lei".

Ler mais

Exclusivos

Premium

Henrique Burnay

Discretamente, sem ninguém ver

Enquanto nos Estados Unidos se discute se o candidato a juiz do Supremo Tribunal de Justiça americano tentou, ou não, há 36 anos abusar, ou mesmo violar, uma colega (quando tinham 17 e 15 anos), para além de tudo o que Kavanauhg pensa, pensou, já disse ou escreveu sobre o que quer que seja, em Portugal ninguém desconfia quem seja, o que pensa ou o que pretende fazer a senhora nomeada procuradora-geral da República, na noite de quinta-feira passada. Enquanto lá se esmiúça, por cá elogia-se (quem elogia) que o primeiro-ministro e o Presidente da República tenham muito discretamente combinado entre si e apanhado toda a gente de surpresa. Aliás, o apanhar toda a gente de surpresa deu, até, direito a que se recordasse como havia aqui genialidade tática. E os jornais que garantiram ter boas fontes a informar que ia ser outra coisa pedem desculpa mas não dizem se enganaram ou foram enganados. A diferença entre lá e cá é monumental.

Premium

Ruy Castro

À falta do Nobel, o Ig Nobel

Uma das frustrações brasileiras históricas é a de que, até hoje, o Brasil não ganhou um Prémio Nobel. Não por falta de quem o merecesse - se fizesse direitinho o seu dever de casa, a Academia Sueca, que distribui o prémio desde 1901, teria descoberto qualidades no nosso Alberto Santos-Dumont, que foi o verdadeiro inventor do avião, em João Guimarães Rosa, autor do romance Grande Sertão: Veredas, escrito num misto de português e sânscrito arcaico, e, naturalmente, no querido Garrincha, nem que tivessem de providenciar uma categoria especial para ele.

Premium

João Taborda da Gama

Le pénis

Não gosto de fascistas e tenho pouco a dizer sobre pilas, mas abomino qualquer forma de censura de uns ou de outras. Proibir a vista dos pénis de Mapplethorpe é tão condenável como proibir a vinda de Le Pen à Web Summit. A minha geração não viveu qualquer censura, nem a de direita nem a que se lhe seguiu de esquerda. Fomos apenas confrontados com alguns relâmpagos de censura, mais caricatos do que reais, a última ceia do Herman, o Evangelho de Saramago. E as discussões mais recentes - o cancelamento de uma conferência de Jaime Nogueira Pinto na Nova, a conferência com negacionista das alterações climáticas na Universidade do Porto - demonstram o óbvio: por um lado, o ato de proibir o debate seja de quem for é a negação da liberdade sem mas ou ses, mas também a demonstração de que não há entre nós um instinto coletivo de defesa da liberdade de expressão independentemente de concordarmos com o seu conteúdo, e de este ser mais ou menos extremo.