Sobreiro assobiador português eleito árvore europeia do ano

O sobreiro foi plantado há 234 anos em Águas de Moura, no Alentejo

Um sobreiro assobiador português é a árvore europeia do ano. O sobreiro plantado há 234 anos em Águas de Moura, no Alentejo, foi distinguido numa iniciativa da Environmental Partnership Association (EPA).

O Assobiador (quercus suber) está classificado como "Árvore de Interesse Público" desde 1988 e e inscrito no Livro de Recordes do Guinness como "o maior sobreiro do mundo". Nomeado pela UNAC - União da Floresta Mediterrânica, foi hoje anunciado em Bruxelas como o vencedor, nesta que foi a primeira participação de Portugal nesta competição. O sobreiro português venceu com mais de 26 mil votos.

Em segundo lugar, com cerca de 22 mil votos, ficou um ulmeiro espanhol, e em terceiro um carvalho com o nome "O Velho das Florestas de Belgorod", na Rússia.

"Este prémio é muito importante para o montado, para a fileira da cortiça e para a floresta portuguesas em geral", afirmou, satisfeito, ao DN, a partir de Bruxelas, Nuno Calado, da UNAC - União da Floresta Mediterrânica. Foi esta entidade, que reúne as associações de produtores florestais da Beira Interior até à costa algarvia, que organizou esta primeira participação de Portugal. Foi a UNAC e que escolheu esta árvore emblemática para representar o país nesta estreia no concurso europeu.

"Sendo simbólico, é um prémio muito importante, porque distingue uma gestão florestal ativa e multigeracional, pensada a 50 ou cem anos", numa filosofia "que não é muito comum nos dias de hoje, mas que é a dos produtores florestais", lembra Nuno Calado.

O sobreiro assobiador é uma árvore singular, com 16,2 metros de altura, um perímetro de base de 5,24 metros e uma copa frondosa, com 29,4 metros de diâmetro, que ao fim da tarde se enche de pássaros, que ali procuram refúgio para passar a noite. Por isso lhe chamam assim: assobiador.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Opinião

'Motu proprio' anti-abusos

1. Muitas vezes me tenho referido aqui, e não só aqui, à tragédia da pedofilia na Igreja. Foram milhares de menores e adultos vulneráveis que foram abusados. Mesmo sabendo que o número de pedófilos é muito superior na família e noutras instituições, a gravidade da situação na Igreja é mais dramática. Por várias razões: as pessoas confiavam na Igreja quase sem condições, o que significa que houve uma traição a essa confiança, e o clero e os religiosos têm responsabilidades especiais. O mais execrável: abusou-se e, a seguir, ameaçou-se as crianças para que mantivessem silêncio, pois, de outro modo, cometiam pecado e até poderiam ir para o inferno. Isto é monstruoso, o cume da perversão. E houve bispos, superiores maiores, cardeais, que encobriram, pois preferiram salvaguardar a instituição Igreja, quando a sua obrigação é proteger as pessoas, mais ainda quando as vítimas são crianças. O Papa Francisco chamou a esta situação "abusos sexuais, de poder e de consciência". Também diz, com razão, que a base é o "clericalismo", julgar-se numa situação de superioridade sagrada e, por isso, intocável. Neste abismo, onde é que está a superioridade do exemplo, a única que é legítimo reclamar?