SEUR falha prazos de Natal nas encomendas da Amazon

Transportadora não consegue dar vazão ao pico de pedidos vindos de Portugal. Tecnológica poderá estar a ponderar queixa formal

Maria João Nogueira acabou por desistir. Cancelou as suas quatro encomendas à Amazon e, no momento em que falava ao DN/Dinheiro Vivo, estava num centro comercial a comprar os presentes que o comércio online não lhe tinha garantido. "Fiz a encomenda a 12 de dezembro. A Amazon assegurava a entrega antes do Natal, para dia 21. Entretanto a SEUR, que me viria trazer os produtos, atualizou os prazos e passou a data para 29. Acabei por cancelar. Não fazia sentido", desabafa. Nunca lhe tinham sucedido atrasos desta ordem e considera-se uma cliente frequente da Amazon. Contudo, Maria João Nogueira assume que esta tinha sido a primeira vez que tinha encomendado através da loja espanhola: "Antes comprava pelo Reino Unido, ou até mesmo pela americana."

No início de novembro, a Amazon tinha anunciado portes de envio grátis para Portugal em encomendas a partir da empresa de Espanha, desde que essas atingissem determinado valor. O comunicado provocou uma avalanche de pedidos e a SEUR, uma das transportadoras que entrega os produtos viu-se sem mãos a medir.

A empresa estimava - e preparou-se - para um crescimento de 20% a atividade na época das festas. Contudo, "estas previsões foram amplamente excedidas, muito pelas promoções mais agressivas e de duração alargada, face a anos anteriores. Estamos a falar de vendas que praticamente duplicaram relativamente ao período homólogo", justifica Mónica Rufino, diretora-geral da SEUR Portugal.

A responsável acrescenta que está inclusivamente a tratar de um reforço de funcionários para dar resposta aos pedidos, prevendo a contratação de 60 profissionais à força de distribuição. "Estamos a colocar todos os nossos esforços e recursos para ajudar os nossos clientes a responder ao crescimento que estão a ter nas suas vendas e a nossa intenção é que recebam as suas remessas, o mais rápido possível. E quando falamos sobre clientes, referimo-nos a todos, independentemente do tamanho ou segmento", sublinha em declarações ao DN/Dinheiro Vivo.

Nas redes sociais, as queixas multiplicam-se e os clientes partilham as suas histórias. Uma utilizadora do Facebook conta que, na resposta à reclamação que fez à Amazon, a gigante tecnológica lhe indicou que iria proceder a uma queixa formal contra a SEUR. Contudo, o DN/Dinheiro Vivo não foi capaz de confirmar essa situação.

Pedro Magalhães foi outro dos clientes que manifestou o seu desconsolo no Twitter. Com uma situação bastante semelhante à de Maria João Nogueira, assume, contudo, ainda estar à espera que as encomendas lhe cheguem a casa. "Cheguei a ir à SEUR de São João da Telha ver o que se passava com os meus pedidos, porque não me respondiam nem pelo telefone nem online. Mas aquilo estava uma confusão e com imensa gente com reclamações como a minha. Não me encontraram a encomenda, mas foram bastante simpáticos", conta ao DN/Dinheiro Vivo.

Uma funcionária chegou a dar-lhe o número de telemóvel pessoal. "Disse-me que ia fazer tudo o que pudesse e para eu lhe ir ligando, para acompanhar a situação. Ainda tenho esperança de ter as minhas compras a tempo do Natal." E se não chegarem? "Logo se vê o que vou fazer."

Ler mais

Exclusivos

Premium

Ruy Castro

À falta do Nobel, o Ig Nobel

Uma das frustrações brasileiras históricas é a de que, até hoje, o Brasil não ganhou um Prémio Nobel. Não por falta de quem o merecesse - se fizesse direitinho o seu dever de casa, a Academia Sueca, que distribui o prémio desde 1901, teria descoberto qualidades no nosso Alberto Santos-Dumont, que foi o verdadeiro inventor do avião, em João Guimarães Rosa, autor do romance Grande Sertão: Veredas, escrito num misto de português e sânscrito arcaico, e, naturalmente, no querido Garrincha, nem que tivessem de providenciar uma categoria especial para ele.

Premium

João Taborda da Gama

Le pénis

Não gosto de fascistas e tenho pouco a dizer sobre pilas, mas abomino qualquer forma de censura de uns ou de outras. Proibir a vista dos pénis de Mapplethorpe é tão condenável como proibir a vinda de Le Pen à Web Summit. A minha geração não viveu qualquer censura, nem a de direita nem a que se lhe seguiu de esquerda. Fomos apenas confrontados com alguns relâmpagos de censura, mais caricatos do que reais, a última ceia do Herman, o Evangelho de Saramago. E as discussões mais recentes - o cancelamento de uma conferência de Jaime Nogueira Pinto na Nova, a conferência com negacionista das alterações climáticas na Universidade do Porto - demonstram o óbvio: por um lado, o ato de proibir o debate seja de quem for é a negação da liberdade sem mas ou ses, mas também a demonstração de que não há entre nós um instinto coletivo de defesa da liberdade de expressão independentemente de concordarmos com o seu conteúdo, e de este ser mais ou menos extremo.

Premium

Alemanha

Lar de Dresden combate demência ao estilo Adeus, Lenin!

Uma moto, numa sala de cinema, num lar de idosos, ajudou a projetar memórias esquecidas. O AlexA, na cidade de Dresden, no leste da Alemanha, tem duas salas dedicadas às recordações da RDA. Dos móveis aos produtos de supermercado, tudo recuperado de uma Alemanha que deixou de existir com a queda do Muro de Berlim. Uma viagem no tempo para ajudar os pacientes com demências.

Premium

Adolfo Mesquita Nunes

A direita definida pela esquerda

Foi a esquerda que definiu a direita portuguesa, que lhe identificou uma linhagem, lhe desenhou uma cosmologia. Fê-lo com precisão, estabelecendo que à direita estariam os que não encaram os mais pobres como prioridade, os que descendem do lado dos exploradores, dos patrões. Já perdi a conta ao número de pessoas que, por genuína adesão ao princípio ou por mero complexo social ou de classe, se diz de esquerda por estar ao lado dos mais vulneráveis. A direita, presumimos dessa asserção, está contra eles.