SEUR falha prazos de Natal nas encomendas da Amazon

Transportadora não consegue dar vazão ao pico de pedidos vindos de Portugal. Tecnológica poderá estar a ponderar queixa formal

Maria João Nogueira acabou por desistir. Cancelou as suas quatro encomendas à Amazon e, no momento em que falava ao DN/Dinheiro Vivo, estava num centro comercial a comprar os presentes que o comércio online não lhe tinha garantido. "Fiz a encomenda a 12 de dezembro. A Amazon assegurava a entrega antes do Natal, para dia 21. Entretanto a SEUR, que me viria trazer os produtos, atualizou os prazos e passou a data para 29. Acabei por cancelar. Não fazia sentido", desabafa. Nunca lhe tinham sucedido atrasos desta ordem e considera-se uma cliente frequente da Amazon. Contudo, Maria João Nogueira assume que esta tinha sido a primeira vez que tinha encomendado através da loja espanhola: "Antes comprava pelo Reino Unido, ou até mesmo pela americana."

No início de novembro, a Amazon tinha anunciado portes de envio grátis para Portugal em encomendas a partir da empresa de Espanha, desde que essas atingissem determinado valor. O comunicado provocou uma avalanche de pedidos e a SEUR, uma das transportadoras que entrega os produtos viu-se sem mãos a medir.

A empresa estimava - e preparou-se - para um crescimento de 20% a atividade na época das festas. Contudo, "estas previsões foram amplamente excedidas, muito pelas promoções mais agressivas e de duração alargada, face a anos anteriores. Estamos a falar de vendas que praticamente duplicaram relativamente ao período homólogo", justifica Mónica Rufino, diretora-geral da SEUR Portugal.

A responsável acrescenta que está inclusivamente a tratar de um reforço de funcionários para dar resposta aos pedidos, prevendo a contratação de 60 profissionais à força de distribuição. "Estamos a colocar todos os nossos esforços e recursos para ajudar os nossos clientes a responder ao crescimento que estão a ter nas suas vendas e a nossa intenção é que recebam as suas remessas, o mais rápido possível. E quando falamos sobre clientes, referimo-nos a todos, independentemente do tamanho ou segmento", sublinha em declarações ao DN/Dinheiro Vivo.

Nas redes sociais, as queixas multiplicam-se e os clientes partilham as suas histórias. Uma utilizadora do Facebook conta que, na resposta à reclamação que fez à Amazon, a gigante tecnológica lhe indicou que iria proceder a uma queixa formal contra a SEUR. Contudo, o DN/Dinheiro Vivo não foi capaz de confirmar essa situação.

Pedro Magalhães foi outro dos clientes que manifestou o seu desconsolo no Twitter. Com uma situação bastante semelhante à de Maria João Nogueira, assume, contudo, ainda estar à espera que as encomendas lhe cheguem a casa. "Cheguei a ir à SEUR de São João da Telha ver o que se passava com os meus pedidos, porque não me respondiam nem pelo telefone nem online. Mas aquilo estava uma confusão e com imensa gente com reclamações como a minha. Não me encontraram a encomenda, mas foram bastante simpáticos", conta ao DN/Dinheiro Vivo.

Uma funcionária chegou a dar-lhe o número de telemóvel pessoal. "Disse-me que ia fazer tudo o que pudesse e para eu lhe ir ligando, para acompanhar a situação. Ainda tenho esperança de ter as minhas compras a tempo do Natal." E se não chegarem? "Logo se vê o que vou fazer."

Ler mais

Exclusivos

Premium

Ferreira Fernandes

Conhecem a última anedota do Brexit?

Quando uma anedota é uma anedota merece ser tratada como piada. E se a tal anedota ocupa um importante cargo histórico não pode ser levada a sério lá porque anda com sapatos de tigresa. Então, se a sua morada oficial é em Downing Street, o nome da rua - "Downing", que traduzido diz "cai, desaba, vai para o galheiro..." - vale como atual e certeira análise política. Tal endereço, tal país. Também o número da porta de Downing Street, o "10", serve hoje para fazer interpretações políticas. Se o algarismo 1 é pela função, mora lá a primeira-ministra, o algarismo 0 qualifica a atual inquilina. Para ser mais exato: apesar de ela ser conservadora, trata-se de um zero à esquerda. Resumindo, o que dizer de uma poderosa governante que se expõe ao desprezo quotidiano do carteiro?

Premium

Adolfo Mesquita Nunes

A escolha de uma liberdade

A projeção pública da nossa atividade, sobretudo quando, como é o caso da política profissional, essa atividade é, ela própria, pública e publicamente financiada, envolve uma certa perda de liberdade com que nunca me senti confortável. Não se trata apenas da exposição, que o tempo mediático, por ser mais veloz do que o tempo real das horas e dos dias, alargou para além da justíssima sindicância. E a velocidade desse tempo, que chega a substituir o tempo real porque respondemos e reagimos ao que se diz que é, e não ao que é, não vai abrandar, como também se não vai atenuar a inversão do ónus da prova em que a política vive.

Premium

Marisa Matias

Penalizações antecipadas

Um estudo da OCDE publicado nesta semana mostra que Portugal é dos países que mais penalizam quem se reforma antecipadamente e menos beneficia quem trabalha mais anos do que deve. A atual idade de reforma é de 66 anos e cinco meses. Se se sair do mercado de trabalho antes do previsto, o corte é de 36% se for um ano e de 45%, se forem três anos. Ou seja, em três anos é possível perder quase metade do rendimento para o qual se trabalhou uma vida. As penalizações são injustas para quem passou, literalmente, a vida toda a trabalhar e não tem como vislumbrar a possibilidade de deixar de fazê-lo.

Premium

Maria Antónia de Almeida Santos

O planeta dos sustentáveis 

Ao ambiente e ao planeta já não basta a simples manifestação da amizade e da esperança. Devemos-lhes a prática do respeito. Esta é, basicamente, a mensagem da jovem e global ativista Greta Thunberg. É uma mensagem positiva e inesperada. Positiva, porque em matéria de respeito pelo ambiente, demonstra que já chegámos à consciencialização urgente de que a ação já está atrasada em relação à emergência de catástrofes como a de Moçambique. Inesperada (ao ponto do embaraço para todos), pela constatação de que foi a nossa juventude, de facto e pela onda da sua ação, a globalizar a oportunidade para operacionalizar a esperança.