Roubos de ATM: PGR desafia polícias e magistrados para nova estratégia

Joana Marques Vidal determinou a criação de uma equipa de "análise" ao fenómeno dos assaltos às caixas ATM

A Procuradoria-Geral da República (PGR) deu o prazo de três meses a uma equipa de "análise", que junta polícias e procuradores, para propor estratégias de investigação para travar os assaltos aos ATM. O despacho, assinado pela Procuradora-Geral, Joana Marques Vidal, no passado dia seis de dezembro, é mais um passo dado pelas autoridades para o combate a este fenómeno criminal que se agravou desde início deste ano. Há duas semanas foi o ministro da Administração Interna (MAI), Eduardo Cabrita, a tomar a iniciativa de reunir polícias, os representantes da banca e da SIBS, empresa que gere os equipamentos multibanco, e ouvir soluções de prevenção possíveis. Até ao final do mês passado tinham sido assaltadas, com recurso à explosão, 175 caixas de levantamento automático, tendo sido roubados mais de dois milhões de euros.

"O elevado número de casos, a sua dispersão territorial e a forma como os agentes dos factos têm concretizado a atividade criminosa, tornam fundamental que o Ministério Público (MP) crie as condições necessárias e adequadas a que a investigação de desenvolva com conhecimento global do fenómeno, de forma integrada, articulada e coordenada entre os seus departamentos e os órgãos de polícia criminal, de modo a reforçar, com eficácia, a capacidade de resposta", justificou Joana Marques Vidal no seu despacho que determina a criação de uma "Equipa Conjunta de análise".

Este grupo de investigadores é composto por elementos da Polícia Judiciária (PJ), que tem assumido a investigação criminal deste fenómeno, da GNR e da PSP, bem como por representantes do Departamento Central de Investigação e Ação Penal (DCIAP) e das Procuradorias-Gerais Distritais. Estes últimos elementos têm origem nos distritos onde se concentram os inquéritos abertos relacionados com estes assaltos: Lisboa, Porto, Coimbra, Leiria e Évora. A PGR quer que a "Equipa Conjunta" de análise apresente "informação com proposta de definição de estratégia e metodologias de investigação no prazo de três meses".

Marques Vidal salienta o "aumento significativo" deste género de assaltos, "praticados, em regra, com recurso a armas de grande calibre e explosivos ou meios equiparados e que, para além dos prejuízos decorrentes da subtração de elevados valores em dinheiro, colocam em risco a vida e a integridade física dos cidadãos". Para a PGR "o estatuto e a responsabilidade da magistratura do MP impõe que a sua intervenção, em todas as áreas da sua competência e, no caso, no domínio da investigação criminal e exercício da ação penal, se processe com otimização dos meios, acautelando valores de eficácia na defesa dos interesses que lhe estão constitucionalmente cometidos".

Medidas preventivas na gaveta

Conforme o DN noticiou no passado dia 28 de novembro, um conjunto de medidas propostas pelas polícias em 2012 - em sede de uma equipa mista de prevenção criminal criada no Sistema de Segurança Interna - esteve na gaveta cinco anos. Depois de uma série de detenções destes assaltantes, este crime registou poucos casos nos anos seguintes. Uma portaria de 2013 remetia para despacho do MAI a definição dos "requisitos mínimos de segurança" para instalar um ATM, mas o anterior governo não avançou. Só em maio deste ano, já depois do número de assaltos se ter agravado, a ex-ministra da Administração Interna, Constança Urbano de Sousa, publicou o despacho para dar início à execução dessas medidas. Entre elas está a obrigatoriedade de os bancos pedirem à GNR ou à PSP uma avaliação de risco em relação ao local onde querem instalar o ATM e a cumprir as medidas de segurança determinadas, a instalação de videovigilância, a ancoragem ao chão dos equipamentos, um sistema inibidor do gás utilizado pelos assaltantes nas explosões e a tintagem das notas.

Há cerca de duas semanas, o ministro Eduardo Cabrita reuniu dirigentes das polícias (GNR, PJ e PSP), a Associação Portuguesa de Bancos (APB) e a SIBS, e exigiu soluções. As forças de segurança defenderam que a tintagem das notas que estão nos ATM será o método mais eficaz de prevenção. Mas da parte da banca houve alguma resistência, tendo em conta o investimento necessário. A ABP não revela quantos equipamentos já estão protegidos com este sistema, mas fontes policiais admitiram ao DN que "é um número muito reduzido". De acordo com uma estimativa feita a pedido do DN por um perito em segurança bancária, o custo para a tintagem é de cerca de 2000 euros por ATM, o que multiplicando pelas cerca 11000 operacionais, seria necessário um investimento de cerca de 22 milhões de euros. No entanto é admitido que a despesa possa descer para quase metade se for imposto para o total das caixas.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Rosália Amorim

"Sem emoção não há uma boa relação"

A frase calorosa é do primeiro-ministro António Costa, na visita oficial a Angola. Foi recebido com pompa e circunstância, por oito ministros e pelo governador do banco central e com honras de parada militar. Em África a simbologia desta grande receção foi marcante e é verdadeiramente importante. Angola demonstrou, para dentro e para fora, que Portugal continua a ser um parceiro importante. Ontem, o encontro previsto com João Lourenço foi igualmente simbólico e relevante para o futuro desta aliança estratégica.

Premium

João Gobern

Tirar a nódoa

São poucas as "fugas", poucos os desvios à honestidade intelectual que irritem mais do que a apropriação do alheio em conluio com a apresentação do mesmo com outra "assinatura". É vulgarmente referido como plágio e, em muitos casos, serve para disfarçar a preguiça, para fintar a falta de inspiração (ou "bloqueio", se preferirem), para funcionar como via rápida para um destino em que parece não importar o património alheio. No meio jornalístico, tive a sorte de me deparar com poucos casos dessa prática repulsiva - e alguns deles até apresentavam atenuantes profundas. Mas também tive o azar de me cruzar, por alguns meses, tempo ainda assim demasiado, com um diretor que tinha amealhado créditos ao publicar como sua uma tese universitária, revertido para (longo) artigo de jornal. A tese e a história "passaram", o diretor foi ficando. Até hoje, porque muitos desconhecem essa nódoa e outros preferiram olhar para o lado enquanto o promoviam.