Rio pede a Hugo Soares para se manter a prazo até ao congresso

O líder eleito do PSD reuniu-se hoje com o presidente do grupo parlamentar social-democrata, no Porto.

No encontro que manteve com o líder da bancada social-democrata, Rui Rio disse querer manter a "estabilidade e a capacidade de intervenção do grupo parlamentar" até ao congresso de 15, 16 e 17 de fevereiro. Só depois o presidente eleito do partido decidirá da liderança da bancada.

Apesar de não se comprometer com a solução futura para a liderança do grupo parlamentar, Rui Rio dá assim sinais de que quererá um novo ciclo pós-congresso, já com outro rosto a liderar os deputados sociais.-democratas.

"E também porque até lá o líder do partido é, por direito próprio, Pedro Passos Coelho, Rui Rio entende que a atual direção da bancada se deve manter na plenitude das suas funções até ao próximo Congresso Nacional, remetendo-se apenas para essa altura a necessária análise política da questão" - afirma Rio em comunicado enviado às redações.

No mesmo documento, refere que o presidente do grupo parlamentar "mostrou-se concordante" com os objetivos do novo líder social-democrata, que quer "evitar qualquer foco de agitação, decorrente do período de transição de liderança".

Na quinta-feira, Rui Rio encontrou-se com o ainda presidente do PSD, Pedro Passos Coelho, na sede do partido, em Lisboa, e, aos jornalistas, falou da existência de "alguma turbulência" após a sua eleição enquanto líder dos sociais-democratas, com 54.1% dos votos.

Questionado se tem sentido unidade, Rui Rio respondeu: "Alguma turbulência, mas a gente vai resolver essa pequena turbulência, não sei se a turbulência é real ou é mais na comunicação social".

O futuro da liderança parlamentar do PSD tem estado no centro do debate interno no partido desde que Rui Rio venceu as eleições, em 13 de janeiro, com os ex-líderes Marques Mendes e Manuela Ferreira Leite a defenderem que Hugo Soares, que apoiou Pedro Santana Lopes, deveria colocar o lugar à disposição.

Entre os vice-presidentes da bancada, sete dos doze deputados apoiaram Pedro Santana Lopes na disputa interna do PSD.

Em entrevista à Antena 1 no início de dezembro, questionado se as eleições internas poderiam ter implicações na direção da bancada, Hugo Soares sublinhou que o seu mandato é de dois anos e que "quem elege a liderança do grupo parlamentar são os deputados".

No entanto, na mesma entrevista, acrescentou que não há lideranças parlamentares contra "a vontade determinada do presidente do partido", sobretudo se as linhas de orientação da futura comissão política forem "completamente antagónicas" com as da direção da bancada.

Hugo Soares foi eleito em 19 de julho do ano passado, para um mandato de dois anos, com 85,4% de votos, correspondentes a 76 votos favoráveis, 12 votos brancos e um nulo, sucedendo no cargo a Luís Montenegro, que atingiu o limite de três mandatos consecutivos.

Depois do anúncio de Passos Coelho de não se recandidatar à presidência do partido, em outubro passado, Hugo Soares tem assumido o protagonismo pelo PSD nos debates quinzenais com o primeiro-ministro, António Costa.

Com Lusa

Ler mais

Exclusivos

Premium

Nuno Artur Silva

Notícias da frente da guerra

Passaram cem anos do fim da Primeira Guerra Mundial. Foi a data do Armistício assinado entre os Aliados e o Império Alemão e do cessar-fogo na Frente Ocidental. As hostilidades continuaram ainda em outras regiões. Duas décadas depois, começava a Segunda Guerra Mundial, "um conflito militar global (...) Marcado por um número significativo de ataques contra civis, incluindo o Holocausto e a única vez em que armas nucleares foram utilizadas em combate, foi o conflito mais letal da história da humanidade, resultando entre 50 e mais de 70 milhões de mortes" (Wikipédia).

Premium

nuno camarneiro

Uma aldeia no centro da cidade

Os vizinhos conhecem-se pelos nomes, cultivam hortas e jardins comunitários, trocam móveis a que já não dão uso, organizam almoços, jogos de futebol e até magustos, como aconteceu no sábado passado. Não estou a descrever uma aldeia do Minho ou da Beira Baixa, tampouco uma comunidade hippie perdida na serra da Lousã, tudo isto acontece em plena Lisboa, numa rua com escadinhas que pertence ao Bairro dos Anjos.

Premium

Rui Pedro Tendinha

O João. Outra vez, o João Salaviza...

Foi neste fim de semana. Um fim de semana em que o cinema português foi notícia e ninguém reparou. Entre ex-presidentes de futebol a serem presos e desmentidos de fake news, parece que a vitória de Chuva É Cantoria na Aldeia dos Mortos, de Renée Nader Messora e João Salaviza, no Festival do Rio, e o anúncio da nomeação de Diamantino, de Daniel Schmidt e Gabriel Abrantes, nos European Film Awards, não deixou o espaço mediático curioso.