"É despropositado e malicioso associar o meu nome" ao caso Tecnoforma

O ex-governante diz que não tem nada a ver com o caso e lembra que Ministério Público arquivou o processo

O ex-governante Miguel Relvas rejeita qualquer ligação a atos de gestão da empresa Tecnoforma, considerando mesmo que referências a essa suposta ligação lesam a sua honra. É "despropositado e malicioso associar o meu nome a eventuais atos concretos de aplicação dos programas, realizados pelas empresas referenciadas", diz Relvas, em comunicado.

Em reação à notícia que dá conta de que Bruxelas considera que houve fraude no caso Tecnoforma, ao contrário do Ministério Público, que arquivou o processo, Relvas salienta que exerceu funções de secretário de Estado entre 2002 e 2004, quando a investigação do gabinete anti-fraude da Comissão Europeia (OLAF) abrange o período entre 2000 e 2013. E ainda que não lhe cabia a ele, enquanto secretário de Estado, mas sim à CCDR da Região Centro, aprovar os projetos financiados por fundos europeus.

A investigação do OLAF foi realizada no âmbito de um pedido de apoio que lhe foi dirigido pelas autoridades judiciais portuguesas, em 2013. O DCIAP avaliava o eventual favorecimento da Tecnoforma por parte de políticos, principalmente Miguel Relvas, que era o secretário de Estado responsável pelo programa europeu Foral, ao abrigo do qual a Tecnoforma foi financiada entre 2000 e 2006. O DIAP de Coimbra investigava também o possível favorecimento da empresa e a gestão das verbas para formação de pessoal para aeródromos e heliportos municipais da região Centro. Ambos os inquéritos foram arquivados, mas para o OLAF a conduta da Tecnoforma foi fraudulenta e a empresa deve restituir aos cofres europeus o montante de 6.747.462 euros.

O ex-ministro, por outro lado, lembra que a PJ concluiu, depois de fazer buscas, "não existirem indícios da prática de qualquer ilícito criminal" e que o procurador decidiu arquivar o processo - concluindo que "não existem elementos probatórios suficientes que permitam concluir que a Tecnoforma tenha, de algum modo, sido favorecida, lícita ou ilicitamente, pela Secretaria de Estado da Administração Local".

"Tudo assuntos, repito, que em circunstância alguma têm a ver comigo ou com a minha atividade política passada que sempre pautei pelo escrupuloso respeito do interesse público", conclui Miguel Relvas.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Anselmo Borges

Francisco ​​​​​​​em Pequim?

1. A perseguição aos cristãos foi particularmente feroz durante a Revolução Cultural no tempo de Mao. Mas a situação está a mudar de modo rápido e surpreendente. Desde 1976, com a morte de Mao, as igrejas começaram a reabrir e há quem pense que a China poderá tornar-se mais rapidamente do que se julgava não só a primeira potência económica mundial mas também o país com maior número de cristãos. "Segundo os meus cálculos, a China está destinada a tornar-se muito rapidamente o maior país cristão do mundo", disse Fenggang Yang, professor na Universidade de Purdue (Indiana, Estados Unidos) e autor do livro Religion in China. Survival and Revival under Communist Rule (Religião na China. Sobrevivência e Renascimento sob o Regime Comunista). Isso "vai acontecer em menos de uma geração. Não há muitas pessoas preparadas para esta mudança assombrosa".