PGR compra software para travar fugas de informação

Aplicação informática custou 574 mil euros

A Procuradoria-Geral da República comprou uma aplicação informática que permitirá controlar quem tem acesso aos processos judiciais e, assim, travar as fugas de informação e as violações do segredo de justiça, avança hoje o Expresso. Segundo o semanário, o SIC-MP custou 574 mil euros.

Este software permite saber quem teve acesso aos processos e, em caso de suspeitas de violação do segredo de justiça, limitar o universo de potenciais autores deste crime.

A aplicação só deverá entrar em funcionamento até ao final de 2020, estando neste momento funcionários da PDM&FC - que a vendeu por ajuste direto - e uma equipa de magistrados especializados em informática a trabalhar para operacionalizar o sistema.

Este software, que vai substituir o Citius, permitira pôr um fim ao papel na fase de inquérito e fazer tudo através da Internet.

Ler mais

Premium

DN Life

DN Life. «Não se trata o cancro ou as bactérias só com a mente. Eles estão a borrifar-se para o placebo»

O efeito placebo continua a gerar discussão entre a comunidade científica e médica. Um novo estudo sugere que há traços de personalidade mais suscetíveis de reagir com sucesso ao referido efeito. O reumatologista José António Pereira da Silva discorda da necessidade de definir personalidades favoráveis ao placebo e vai mais longe ao afirmar que "não há qualquer hipótese ética de usar o efeito placebo abertamente".