Pagamento das verbas devidas ao superior ainda não está garantido

Ministro Manuel Heitor pressiona Costa com compromisso assumido

O Ministério da Ciência, Tecnologia e Ensino Superior ainda não garantiu, junto de Mário Centeno, que serão pagas todas as verbas devidas às instituições do ensino superior, tal como está previsto no Compromisso com a Ciência e o Conhecimento celebrado, em 2016, com universidades e institutos politécnicos. "Estamos a trabalhar com as Finanças para tentar garantir o cumprimento dos contratos, mas não temos garantias", admitiu ao DN fonte do Ministério da Ciência, Tecnologia e Ensino Superior.

Ontem, em declarações à Lusa, o ministro Manuel Heitor disse "estar certo de que se trata de um erro"a informação de que as Finanças se propuseram repor as verbas apenas para algumas instituições, que têm menor liquidez de tesouraria, lembrando a existência de "garantias" por parte do primeiro-ministro de que esses compromissos serão honrados.

No entanto, ao que o DN apurou, esta afirmação foi feita mais no sentido de avisar que essa fórmula não resolveria o problema do que de admitir que teria, de facto, existido um erro técnico por parte das Finanças nesta matéria.

Em causa estão valores referentes a medidas da tutela, como a atualização do salário mínimo nacional, a revisão do subsídio de refeição e o aumento salarial dos professores que fizeram provas de agregação, as quais, só no caso dos institutos superiores politécnicos, se traduziram em despesas superiores a sete milhões de euros.

No Compromisso com a Ciência e o Conhecimento, celebrado em julho de 2016, o governo prometeu compensar as instituições do ensino superior por todas estas despesas adicionais. E, já no passado dia 22 de novembro, na sequência de alertas das instituições para situações de "rutura financeira" que o não pagamento estava a gerar, Manuel Heitor garantiu ao DN ter compromissos do primeiro-ministro e do ministro das Finanças de que seria cumprido o prometido.

No entanto, em dois despachos enviados terça-feira ao Conselho de reitores das Universidades Portuguesas (CRUP) e Conselho Coordenador dos Institutos Superiores Politécnicos (CCISP), ambos assinados pelo secretário de Estado do Orçamento, João Leão, as Finanças informaram que apenas seriam repostos estes valores para parte das instituições. Mais concretamente para aquelas que não tinham reservas financeiras.

"As Finanças lançaram um despacho em que é dito que, numas situações essas verbas são repostas e noutras a indicação é que as instituições podem utilizar os saldos de anos anteriores para realizar essas despesas", contou ao DN Nuno Mangas, presidente do CCISP. Em causa, no caso dos politécnicos, estão "valores na casa dos 3,4 milhões de euros" que as finanças já não pretenderiam pagar, tendo sido "dada autorização de reposição de saldos de quatro milhões".

Este cenário - que deverá hoje ser definitivamente confirmado ou desmentido, uma vez que Manuel Heitor revelou à Lusa que irá falar com Mário Centeno - é totalmente inaceitável para as instituições, explicou Nuno Mangas. Em primeiro lugar, por constituir um "evidente tratamento dual" das diferentes instituições. Em segundo, por obrigar as que têm melhor saúde financeira a recorrerem a verbas destinadas a outros fins. "Os valores acumulados, que transitam de orçamentos anteriores, normalmente estão associados a projetos plurianuais. Muitas vezes as instituições recebem adiantamentos que depois têm de utilizar para fazer face a esses projetos. Não são verbas para despesas correntes".

O Conselho de Reitores das Universidades Portuguesas (CRUP) também reagiu com indignação ao despacho das Finanças, lembrando que o acordo , "assinado de boa fé por todos os reitores das universidades públicas em julho de 2016, na presença do Primeiro Ministro, foi igualmente subscrito por diversos membros do Governo, incluindo do Ministério das Finanças".

O DN tentou em vão contactar o gabinete de Mário Centeno.

Ler mais

Premium

Rosália Amorim

OE 2019 e "o último orçamento que acabei de apresentar"

"Menos défice, mais poupança, menos dívida", foi assim que Mário Centeno, ministro das Finanças, anunciou o Orçamento do Estado para 2019. Em jeito de slogan, destacou os temas que mais votos poderão dar ao governo nas eleições legislativas, que vão decorrer no próximo ano. Não é todos os anos que uma conferência de imprensa no Ministério das Finanças, por ocasião do orçamento da nação, começa logo pelos temas do emprego ou dos incentivos ao regresso dos emigrantes. São assuntos que mexem com as vidas das famílias e são temas em que o executivo tem cartas para deitar na mesa.

Premium

nuno camarneiro

Males por bem

Em 2012 uma tempestade atingiu Portugal, eu, que morava na praia da Barra, fiquei sem luz nem água e durante dois dias acompanhei o senhor Clemente (reformado, anjo-da-guarda e dançarino de salão) fixando telhados com sacos de areia, trancando janelas de apartamentos de férias e prendendo os contentores para que não abalroassem automóveis na via pública. Há dois anos, o prédio onde moro sofreu um entupimento do sistema de saneamento e pude assistir ao inferno sético que lentamente me invadiu o pátio e os pesadelos. Os moradores vieram em meu socorro e em pouco tempo (e muito dinheiro) lá conseguimos que um piquete de canalizadores nos exorcizasse de todo mal.

Premium

João Gobern

Há pessoas estranhas. E depois há David Lynch

Ganha-se balanço para o livro - Espaço para Sonhar, coassinado por David Lynch e Kristine McKenna, ed. Elsinore - em nome das melhores recordações, como Blue Velvet (Veludo Azul) ou Mulholland Drive, como essa singular série de TV, com princípio e sempre sem fim, que é Twin Peaks. Ou até em função de "objetos" estranhos e ainda à procura de descodificação definitiva, como Eraserhead ou Inland Empire, manifestos da peculiaridade do cineasta e criador biografado. Um dos primeiros elogios que ganha corpo é de que este longo percurso, dividido entre o relato clássico construído sobretudo a partir de entrevistas a terceiros próximos e envolvidos, por um lado, e as memórias do próprio David Lynch, por outro, nunca se torna pesado, fastidioso ou redundante - algo que merece ser sublinhado se pensarmos que se trata de um volume de 700 páginas, que acompanha o "visado" desde a infância até aos dias de hoje.