Ministro diz que "infelizmente" existem cativações na FCT

Manuel Heitor foi confrontado pelo PSD, na discussão da especialidade do OE2018, relativamente à falta de execução em 76,7 milhões de euros em 2016

O ministro da tutela justificou esta terça-feira a falta de execução orçamental da Fundação para a Ciência e Tecnologia (FCT) em 2016, em 76,7 milhões de euros, com a cativação de verbas aprovadas pelo parlamento.

A justificação foi dada pelo ministro da Ciência, Tecnologia e do Ensino Superior, Manuel Heitor, na discussão na especialidade da proposta de Orçamento do Estado 2018 (OE2018), quando confrontado pelo PSD com a falta de execução orçamental da FCT em 76,7 milhões de euros em 2016.

"Infelizmente há cativações na FCT, como sempre houve", afirmou Manuel Heitor, assinalando que os montantes cativos foram aprovados pelo parlamento e "afetaram a execução orçamental" da principal entidade financiadora da investigação em Portugal.

O titular da pasta da Ciência ressalvou que, apesar das cativações, não extensíveis ao ensino superior, "houve um aumento da despesa pública" na investigação e desenvolvimento.

O deputado do BE Luís Monteiro considerou "a execução orçamental" da FCT como "vergonhosa", apontando "as cativações cegas" que, em seu entender, foram "cortes efetivos" no orçamento da fundação.

O Bloco de Esquerda criticou o que classificou como "atraso estrutural" da FCT, refutado pelo ministro, que apresentou a Fundação para a Ciência e Tecnologia como a "agência mais eficiente da Europa", embora reconhecendo a necessidade de mais financiamento.

"Estamos cá para melhorar o financiamento da FCT", afirmou.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Henrique Burnay

Discretamente, sem ninguém ver

Enquanto nos Estados Unidos se discute se o candidato a juiz do Supremo Tribunal de Justiça americano tentou, ou não, há 36 anos abusar, ou mesmo violar, uma colega (quando tinham 17 e 15 anos), para além de tudo o que Kavanauhg pensa, pensou, já disse ou escreveu sobre o que quer que seja, em Portugal ninguém desconfia quem seja, o que pensa ou o que pretende fazer a senhora nomeada procuradora-geral da República, na noite de quinta-feira passada. Enquanto lá se esmiúça, por cá elogia-se (quem elogia) que o primeiro-ministro e o Presidente da República tenham muito discretamente combinado entre si e apanhado toda a gente de surpresa. Aliás, o apanhar toda a gente de surpresa deu, até, direito a que se recordasse como havia aqui genialidade tática. E os jornais que garantiram ter boas fontes a informar que ia ser outra coisa pedem desculpa mas não dizem se enganaram ou foram enganados. A diferença entre lá e cá é monumental.

Premium

Ruy Castro

À falta do Nobel, o Ig Nobel

Uma das frustrações brasileiras históricas é a de que, até hoje, o Brasil não ganhou um Prémio Nobel. Não por falta de quem o merecesse - se fizesse direitinho o seu dever de casa, a Academia Sueca, que distribui o prémio desde 1901, teria descoberto qualidades no nosso Alberto Santos-Dumont, que foi o verdadeiro inventor do avião, em João Guimarães Rosa, autor do romance Grande Sertão: Veredas, escrito num misto de português e sânscrito arcaico, e, naturalmente, no querido Garrincha, nem que tivessem de providenciar uma categoria especial para ele.