Navio encalhado e tripulação não correm risco apesar das condições atmosféricas

O comandante da Capitania do Porto de Lisboa adiantou que "não há qualquer tipo de perigosidade por causa da carga"

A agitação marítima e o vento forte que se têm feito sentir tendem a melhorar durante o dia e, por esse motivo, nem a tripulação, nem o navio encalhado junto ao Bugio correm risco, segundo o comandante Coelho Gil.

"A maré está a descer. É natural que junto ao navio se note mais alguma rebentação, mas a altura da ondulação está claramente a baixar e assim continuará ao longo do dia de hoje, ou seja, as condições meteorológicas vão melhorando quer na altura da ondulação quer na intensidade do vento. Em relação ao impacto do mar junto ao navio à medida que a maré vai baixando, o impacto também vai baixar", disse.

O comandante da Capitania do Porto de Lisboa adiantou também à agência Lusa que "não há qualquer tipo de perigosidade por causa da carga".

"É um navio de carga geral. Está carregado de areia. É uma carga que não é perigosa", adiantou.

O navio "Betanzos" com bandeira espanhola está encalhado desde as 01:00 de hoje junto ao Bugio, na foz do rio Tejo, ao largo de Lisboa, com 10 tripulantes a bordo, que estão bem

O comandante Coelho Gil acrescentou ainda que só vai ser feita alguma coisa depois de o armador apresentar o plano de remoção da embarcação, o que deverá acontecer em breve.

"Primeiro vamos ver plano de remoção, discuti-lo e quando estiverem reunidas as condições avançamos", disse.

O navio "Betanzos" com bandeira espanhola está encalhado desde as 01:00 de hoje junto ao Bugio, na foz do rio Tejo, ao largo de Lisboa, com 10 tripulantes a bordo, que estão bem.

A embarcação, ao contrário do que tinha sido avançado pela autoridade anteriormente, tem 118 metros.

"Cerca da 01:00 o navio teve um 'blackout' total à saída da barra, ficou à deriva e depois a maré acabou por levá-lo à situação em que está agora junto ao Bugio. Está encalhado", disse anteriormente à agência Lusa o comandante da Capitania do Porto de Lisboa, Coelho Gil.

O comandante explicou que o 'blackout' apaga a propulsão, a energia a bordo, ficando o navio à deriva, sem capacidade para se movimentar.

"A maré pegou no navio, devolveu-o ao rio Tejo, mas pelo lado errado, para o Bugio numa área que tem muitos cabeços de areia e ele acabou por encalhar", disse.

O navio tinha saído do terminal do Beato, em Lisboa, rumo a Casablanca [Marrocos]".

Segundo a mesma fonte, a agência, a capitania e a administração do Porto de Lisboa já estão a preparar os rebocadores para proceder à operação para desencalhar o navio.

"A agência responsável por retirar o navio já está a preparar os rebocadores. Agora como a maré está a vazar já não é possível rebocá-lo. Provavelmente só na próxima preia-mar que será às 18:00", explicou.

Até às 18:00, segundo o comandante, vão decorrer os preparativos para levar a cabo a operação, que "não vai ser muito fácil".

"É preciso levar cabos a bordo, pôr os rebocadores numa posição segura. Os rebocadores não vão poder aproximar-se do navio porque está completamente encalhado, por isso, vamos ver por volta das 18:00 como é que isto vai decorrer", referiu.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Ricardo Paes Mamede

A "taxa Robles" e a desqualificação do debate político

A proposta de criação de uma taxa sobre especulação imobiliária, anunciada pelo Bloco de Esquerda (BE) a 9 de setembro, animou os jornais, televisões e redes sociais durante vários dias. Agora que as atenções já se viraram para outras polémicas, vale a pena revistar o debate público sobre a "taxa Robles" e constatar o que ela nos diz sobre a desqualificação da disputa partidária em Portugal nos dias que correm.

Premium

Rosália Amorim

Crédito: teremos aprendido a lição?

Crédito para a habitação, crédito para o carro, crédito para as obras, crédito para as férias, crédito para tudo... Foi assim a vida de muitos portugueses antes da crise, a contrair crédito sobre crédito. Particulares e também os bancos (que facilitaram demais) ficaram com culpas no cartório. A pergunta que vale a pena fazer hoje é se, depois da crise e da intervenção da troika, a realidade terá mudado assim tanto? Parece que não. Hoje não é só o Estado que está sobre-endividado, mas são também os privados, quer as empresas quer os particulares.