Morreu o falcão Margarida, que há três anos nidificava numa floreira na Amadora

Margarida, seis anos, foi encontrada morta no jardim por baixo do seu ninho. A última vez que foi vista com vida foi a 11 de maio

Foi em 2012 que um casal de falcões escolheu uma floreira num apartamento na Amadora para ter os seus ovos. Os donos da casa acolheram os animais aos quais deram o nome de Margarida e Zuzu. Criaram para as aves uma página no Facebook onde iam partilhando com os seguidores - hoje mais de 24 mil - o dia-a-dia dos pássaros.

Foi através da rede social que os donos do andar deram a triste notícia: Margarida, seis anos, tinha sido encontrada morta no jardim.

"Margarida, 6 anos depois de ter feito desta floreira um ninho, abandona-nos de vez. Ela foi encontrada sem vida no jardim, lá em baixo, na direção da floreira. De acordo com alguns especialistas, com quem tive oportunidade de falar, não é fácil apurar as causas de morte só pelo vídeo", explica uma publicação partilhada na rede social.

Foi um vizinho que encontrou Margarida morta e avisou os "donos" da ave.

O dia-a-dia dos pássaros era captado por uma câmara que ativada através do movimento. O último dia em que há registo da presença de Margarida no ninho foi a 11 de maio. "Fui ver as imagens das câmaras e a última vez que a Margarida esteve no ninho foi no dia 11 e acredito que ela tenha caído", disse à TVI, Pedro Cotter, o responsável pelo casal de aves.

O que terá motivado a morte da falcão fêmea é agora a grande questão.

"[Analisando as imagens do último dia em Margarida esteve no ninho] Se por um lado os sintomas que mostra são de um ovo preso, por outro lado esta situação é muito rara na vida selvagem (acontece mais em cativeiro). Outra hipótese é doença ou envenenamento (veneno para os ratos?)", lê-se na página de Facebook de Zuzu e Margarida.

O proprietário do apartamento levou, entretanto, Margarida para a Faculdade de Medicina Veterinária, onde uma voluntária se prontificou a fazer uma necrópsia. Mas, "tendo em conta a data da provável morte, há poucas hipóteses de termos resultados conclusivos", lê-se noutra publicação do Facebook.

Apesar do adeus de Margarida, as redes sociais de Zuzu e da companheira irão ser mantidas ativas. "Muito obrigado a todos pelo apoio durante estes 6 anos. A página será mantida ativa, pois nunca se se sabe o que poderá acontecer", volta a ler-se no posto.

Ler mais

Exclusivos

Premium

nuno camarneiro

Uma aldeia no centro da cidade

Os vizinhos conhecem-se pelos nomes, cultivam hortas e jardins comunitários, trocam móveis a que já não dão uso, organizam almoços, jogos de futebol e até magustos, como aconteceu no sábado passado. Não estou a descrever uma aldeia do Minho ou da Beira Baixa, tampouco uma comunidade hippie perdida na serra da Lousã, tudo isto acontece em plena Lisboa, numa rua com escadinhas que pertence ao Bairro dos Anjos.

Premium

Rui Pedro Tendinha

O João. Outra vez, o João Salaviza...

Foi neste fim de semana. Um fim de semana em que o cinema português foi notícia e ninguém reparou. Entre ex-presidentes de futebol a serem presos e desmentidos de fake news, parece que a vitória de Chuva É Cantoria na Aldeia dos Mortos, de Renée Nader Messora e João Salaviza, no Festival do Rio, e o anúncio da nomeação de Diamantino, de Daniel Schmidt e Gabriel Abrantes, nos European Film Awards, não deixou o espaço mediático curioso.