Morreu o falcão Margarida, que há três anos nidificava numa floreira na Amadora

Margarida, seis anos, foi encontrada morta no jardim por baixo do seu ninho. A última vez que foi vista com vida foi a 11 de maio

Foi em 2012 que um casal de falcões escolheu uma floreira num apartamento na Amadora para ter os seus ovos. Os donos da casa acolheram os animais aos quais deram o nome de Margarida e Zuzu. Criaram para as aves uma página no Facebook onde iam partilhando com os seguidores - hoje mais de 24 mil - o dia-a-dia dos pássaros.

Foi através da rede social que os donos do andar deram a triste notícia: Margarida, seis anos, tinha sido encontrada morta no jardim.

"Margarida, 6 anos depois de ter feito desta floreira um ninho, abandona-nos de vez. Ela foi encontrada sem vida no jardim, lá em baixo, na direção da floreira. De acordo com alguns especialistas, com quem tive oportunidade de falar, não é fácil apurar as causas de morte só pelo vídeo", explica uma publicação partilhada na rede social.

Foi um vizinho que encontrou Margarida morta e avisou os "donos" da ave.

O dia-a-dia dos pássaros era captado por uma câmara que ativada através do movimento. O último dia em que há registo da presença de Margarida no ninho foi a 11 de maio. "Fui ver as imagens das câmaras e a última vez que a Margarida esteve no ninho foi no dia 11 e acredito que ela tenha caído", disse à TVI, Pedro Cotter, o responsável pelo casal de aves.

O que terá motivado a morte da falcão fêmea é agora a grande questão.

"[Analisando as imagens do último dia em Margarida esteve no ninho] Se por um lado os sintomas que mostra são de um ovo preso, por outro lado esta situação é muito rara na vida selvagem (acontece mais em cativeiro). Outra hipótese é doença ou envenenamento (veneno para os ratos?)", lê-se na página de Facebook de Zuzu e Margarida.

O proprietário do apartamento levou, entretanto, Margarida para a Faculdade de Medicina Veterinária, onde uma voluntária se prontificou a fazer uma necrópsia. Mas, "tendo em conta a data da provável morte, há poucas hipóteses de termos resultados conclusivos", lê-se noutra publicação do Facebook.

Apesar do adeus de Margarida, as redes sociais de Zuzu e da companheira irão ser mantidas ativas. "Muito obrigado a todos pelo apoio durante estes 6 anos. A página será mantida ativa, pois nunca se se sabe o que poderá acontecer", volta a ler-se no posto.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Henrique Burnay

Discretamente, sem ninguém ver

Enquanto nos Estados Unidos se discute se o candidato a juiz do Supremo Tribunal de Justiça americano tentou, ou não, há 36 anos abusar, ou mesmo violar, uma colega (quando tinham 17 e 15 anos), para além de tudo o que Kavanauhg pensa, pensou, já disse ou escreveu sobre o que quer que seja, em Portugal ninguém desconfia quem seja, o que pensa ou o que pretende fazer a senhora nomeada procuradora-geral da República, na noite de quinta-feira passada. Enquanto lá se esmiúça, por cá elogia-se (quem elogia) que o primeiro-ministro e o Presidente da República tenham muito discretamente combinado entre si e apanhado toda a gente de surpresa. Aliás, o apanhar toda a gente de surpresa deu, até, direito a que se recordasse como havia aqui genialidade tática. E os jornais que garantiram ter boas fontes a informar que ia ser outra coisa pedem desculpa mas não dizem se enganaram ou foram enganados. A diferença entre lá e cá é monumental.

Premium

Ruy Castro

À falta do Nobel, o Ig Nobel

Uma das frustrações brasileiras históricas é a de que, até hoje, o Brasil não ganhou um Prémio Nobel. Não por falta de quem o merecesse - se fizesse direitinho o seu dever de casa, a Academia Sueca, que distribui o prémio desde 1901, teria descoberto qualidades no nosso Alberto Santos-Dumont, que foi o verdadeiro inventor do avião, em João Guimarães Rosa, autor do romance Grande Sertão: Veredas, escrito num misto de português e sânscrito arcaico, e, naturalmente, no querido Garrincha, nem que tivessem de providenciar uma categoria especial para ele.

Premium

João Taborda da Gama

Le pénis

Não gosto de fascistas e tenho pouco a dizer sobre pilas, mas abomino qualquer forma de censura de uns ou de outras. Proibir a vista dos pénis de Mapplethorpe é tão condenável como proibir a vinda de Le Pen à Web Summit. A minha geração não viveu qualquer censura, nem a de direita nem a que se lhe seguiu de esquerda. Fomos apenas confrontados com alguns relâmpagos de censura, mais caricatos do que reais, a última ceia do Herman, o Evangelho de Saramago. E as discussões mais recentes - o cancelamento de uma conferência de Jaime Nogueira Pinto na Nova, a conferência com negacionista das alterações climáticas na Universidade do Porto - demonstram o óbvio: por um lado, o ato de proibir o debate seja de quem for é a negação da liberdade sem mas ou ses, mas também a demonstração de que não há entre nós um instinto coletivo de defesa da liberdade de expressão independentemente de concordarmos com o seu conteúdo, e de este ser mais ou menos extremo.