Ministério Público impede divulgação de análises da Celtejo

Foi aplicado o segredo de justiça à investigação. Continuam a ser retirados diariamente sacos de "lixo" do fundo do rio

O processo do inquérito denominado "Crime de Poluição no Rio Tejo" está em segredo de justiça por ordem do Departamento de Investigação e Ação Penal de Castelo Branco, informou o Ministério do Ambiente. O Ministério Público limita-se a reafirmar que o caso "se encontra em investigação". São os resultados das análises à Celtejo que estão por divulgar, pois os das outras "cinco entidades suspeitas" foram apresentados segunda-feira. E o DN verificou em Vila Velha de Ródão que estão a ser retirados sacos de lixo do local onde são feitas as descargas.

Já a fábrica de pasta de papel acusou a Inspeção-Geral da Agricultura, do Mar, do Ambiente e do Ordenamento do Território de "incompetência" na recolha das amostras nos coletores da empresa e vincou, em declarações à Lusa, que a situação "é profundamente penalizadora". A empresa adiantou que as amostras sempre foram recolhidas normalmente e que outras autoridades o fizeram em simultâneo sem que tenha havido qualquer problema.

Há mais de uma semana que técnicos da Xavisub estão junto ao local onde as celuloses de Vila Velha de Ródão fazem descargas. Retiram um líquido preto com um cheiro nauseabundo que colocam em sacos com a capacidade de um metro cúbico, em médias 12 sacos/dia. Para ser analisado pela Agência Portuguesa do Ambiente. Fonte do gabinete do ministro do Ambiente, Matos Fernandes, disse ao DN que não têm os resultados daquelas análises, esperando que o laboratório as conclua para a semana, mas que não poderão ser divulgadas dada esta decisão do DIAP.

Um comunicado da Inspeção-Geral da Agricultura, do Mar, do Ambiente e do Ordenamento do Território, informa que foi notificada pelo DIAP de Castelo Branco, de que todos os elementos já coligidos, bem como todos os demais elementos juntos e a obter se encontram sujeitos a segredo de justiça". Significa que "todos os órgãos, serviços, ou pessoas com contacto com o referido processo, estão impedidos de divulgar quaisquer informações, designadamente elementos de prova, resultados de análises ou de outras diligências".

Segunda-feira, o inspetor-geral do Ambiente Nuno Banza revelou, em conferência de imprensa, os resultados das análises à recolha de água das ETAR de Vila Velha de Ródão, de Abrantes e de Mação, bem como das celuloses Paper Prime e a Navigator. Informaram, então, que esperavam os resultados finais da análise à Celtejo. Apurados os valores das descargas de "cinco das seis entidades suspeitas" - ainda faltam as da Celtejo -, verificou-se que a ETAR de Abrantes "não cumpria", tendo sido objeto de processo de contraordenação.

O ministro do Ambiente prolongou por mais 30 dias as medidas impostas a 26 de janeiro, destacando-se a redução para metade do volume diário do efluente a ser rejeitado, podendo estas ser prolongadas por mais 30 dias. Em relação à licença e eventual redução de efluentes da Celtejo, fonte do ministério sublinha que a decisão só será conhecida a 1 de março.

Ler mais

Premium

Ricardo Paes Mamede

O FMI, a Comissão Europeia e a direita portuguesa

Os relatórios das instituições internacionais sobre a economia e a política económica em Portugal são desde há vários anos uma presença permanente do debate público nacional. Uma ou duas vezes por ano, o FMI, a Comissão Europeia (CE), a OCDE e o Banco Central Europeu (BCE) - para referir apenas os mais relevantes - pronunciam-se sobre a situação económica do país, sobre as medidas de política que têm vindo a ser adotadas pelas autoridades nacionais, sobre os problemas que persistem e sobre os riscos que se colocam no futuro próximo. As análises que apresentam e as recomendações que emitem ocupam sempre um lugar destacado na comunicação social no momento em que são publicadas e chegam a marcar o debate político durante meses.

Premium

João Gobern

Tirar a nódoa

São poucas as "fugas", poucos os desvios à honestidade intelectual que irritem mais do que a apropriação do alheio em conluio com a apresentação do mesmo com outra "assinatura". É vulgarmente referido como plágio e, em muitos casos, serve para disfarçar a preguiça, para fintar a falta de inspiração (ou "bloqueio", se preferirem), para funcionar como via rápida para um destino em que parece não importar o património alheio. No meio jornalístico, tive a sorte de me deparar com poucos casos dessa prática repulsiva - e alguns deles até apresentavam atenuantes profundas. Mas também tive o azar de me cruzar, por alguns meses, tempo ainda assim demasiado, com um diretor que tinha amealhado créditos ao publicar como sua uma tese universitária, revertido para (longo) artigo de jornal. A tese e a história "passaram", o diretor foi ficando. Até hoje, porque muitos desconhecem essa nódoa e outros preferiram olhar para o lado enquanto o promoviam.

Premium

Rogério Casanova

Três mil anos de pesca e praia

Parecem cagalhões... Tudo podre, caralho... A minha sanita depois de eu cagar é mais limpa do que isto!" Foi com esta retórica inspiradora - uma montagem de excertos poéticos da primeira edição - que começou a nova temporada de Pesadelo na Cozinha (TVI), versão nacional da franchise Kitchen Nightmares, um dos pontos altos dessa heroica vaga de programas televisivos do início do século, baseados na criativa destruição psicológica de pessoas sem qualquer jeito para fazer aquilo que desejavam fazer - um riquíssimo filão que nos legou relíquias culturais como Gordon Ramsay, Simon Cowell, Moura dos Santos e o futuro Presidente dos Estados Unidos. O formato em apreço é de uma elegante simplicidade: um restaurante em dificuldades pede ajuda a um reputado chefe de cozinha, que aparece no estabelecimento, renova o equipamento e insulta filantropicamente todo o pessoal, num esforço generoso para protelar a inevitável falência durante seis meses, enquanto várias câmaras trémulas o filmam a arremessar frigideiras pela janela ou a pronunciar aos gritos o nome de vários legumes.