Abatimentos de piso no Chiado, Anjos e Campo de Ourique

Trânsito teve de ser cortado

Um abatimento do piso na rua Garrett, no Chiado, em Lisboa, na sequência das fortes chuvas registadas, obrigou hoje ao corte temporário da circulação, informou a Proteção Civil. Situações semelhantes aconteceram nos Anjos e em Campo de Ourique.

De acordo com fonte da Proteção Civil Municipal, o buraco -- na parte pedonal da rua, em frente ao número 104 (pastelaria Benard) -- "tem dimensões consideráveis" e terá sido "causado pelas fortes chuvas".

O trânsito teve de ser cortado, mas pelas 14:20 foi reaberto.

Segundo a mesma fonte, o local mostra "alguns sinais" de poder continuar a abater. As autoridades deram já início aos trabalhos de reparação, que tiveram entretanto de ser suspensos devido à existência de tubos de gás.

"O pavimento da estrada começou a fissurar e aluiu, causando um buraco já com tamanho suficiente para caber um carro. Tendo em conta as previsões meteorológicas para os próximos dias estamos atentos e a avaliar a situação", afirmou.

Cerca das 14:00 estavam no local meios do Regimento de Sapadores Bombeiros de Lisboa, da Polícia Municipal e da Proteção Civil Municipal a avaliar os estragos causados e a cortar o trânsito.

A rua Garrett é uma das mais movimentadas artérias do Chiado.

Mas registaram-se pelo menos mais duas ocorrências semelhantes em Lisboa: uma na faixa de rodagem da rua de Angola, na freguesia dos Anjos, e outra na rua do Arco do Carvalhão, em Campo de Ourique, segundo fonte do serviço da Proteção Civil Municipal de Lisboa.

Na rua de Angola, a circulação foi totalmente cortada. Segundo a fonte, trata-se de um "abatimento contínuo" e é necessário retirar todas as viaturas que ali se encontram estacionadas.

"Este tipo de abatimento significa que o piso pode continuar a abater. Por razões de segurança as viaturas que estão estacionadas no local vão ser removidas", afirmou.

A rua de Angola é uma das vias perpendiculares à avenida Almirante Reis, no centro da cidade. O trânsito está cortado desde a manhã, sem haver ainda uma previsão para a reabertura.

Cerca das 14:30 estavam no local meios do Regimento de Sapadores Bombeiros de Lisboa, da Polícia Municipal e da Proteção Civil Municipal a avaliar os estragos causados e a cortar o trânsito.

Para Campo de Ourique, onde as chuvas também motivaram um abatimento de piso, estava a ser enviada maquinaria pesada cerca das 14:50.

Na rua do Arco do Carvalhão, indicou a fonte da Proteção Civil Municipal, o buraco provocado será maior do que o que foi registado na rua Garrett, no Chiado.

Das 423 ocorrências registadas no continente pela Autoridade Nacional de Proteção Civil (ANPC), entre as 00:00 e as 14:30 de hoje, a maioria ocorreu nos distritos de Lisboa, Santarém, Setúbal e Castelo Branco.

De acordo com a mesma fonte, o distrito de Lisboa registou 200 ocorrências, seguido de Santarém, com 50, Setúbal, com 30, e Castelo Branco, com 20.

As principais ocorrências dizem respeito a inundações, limpeza de vias e queda de árvores, salientou fonte da ANPC.

Ler mais

Premium

Ruy Castro

À falta do Nobel, o Ig Nobel

Uma das frustrações brasileiras históricas é a de que, até hoje, o Brasil não ganhou um Prémio Nobel. Não por falta de quem o merecesse - se fizesse direitinho o seu dever de casa, a Academia Sueca, que distribui o prémio desde 1901, teria descoberto qualidades no nosso Alberto Santos-Dumont, que foi o verdadeiro inventor do avião, em João Guimarães Rosa, autor do romance Grande Sertão: Veredas, escrito num misto de português e sânscrito arcaico, e, naturalmente, no querido Garrincha, nem que tivessem de providenciar uma categoria especial para ele.

Premium

João Taborda da Gama

Le pénis

Não gosto de fascistas e tenho pouco a dizer sobre pilas, mas abomino qualquer forma de censura de uns ou de outras. Proibir a vista dos pénis de Mapplethorpe é tão condenável como proibir a vinda de Le Pen à Web Summit. A minha geração não viveu qualquer censura, nem a de direita nem a que se lhe seguiu de esquerda. Fomos apenas confrontados com alguns relâmpagos de censura, mais caricatos do que reais, a última ceia do Herman, o Evangelho de Saramago. E as discussões mais recentes - o cancelamento de uma conferência de Jaime Nogueira Pinto na Nova, a conferência com negacionista das alterações climáticas na Universidade do Porto - demonstram o óbvio: por um lado, o ato de proibir o debate seja de quem for é a negação da liberdade sem mas ou ses, mas também a demonstração de que não há entre nós um instinto coletivo de defesa da liberdade de expressão independentemente de concordarmos com o seu conteúdo, e de este ser mais ou menos extremo.

Premium

Adolfo Mesquita Nunes

A direita definida pela esquerda

Foi a esquerda que definiu a direita portuguesa, que lhe identificou uma linhagem, lhe desenhou uma cosmologia. Fê-lo com precisão, estabelecendo que à direita estariam os que não encaram os mais pobres como prioridade, os que descendem do lado dos exploradores, dos patrões. Já perdi a conta ao número de pessoas que, por genuína adesão ao princípio ou por mero complexo social ou de classe, se diz de esquerda por estar ao lado dos mais vulneráveis. A direita, presumimos dessa asserção, está contra eles.