Marcelo Rebelo de Sousa fica internado dois dias após "cirurgia simples"

Operação a hérnia estava marcada para 4 de janeiro mas teve de ser feita de urgência no Hospital Curry Cabral

Marcelo Rebelo de Sousa já foi operado a uma hérnia umbilical e deverá ficar internado dois dias após uma "cirurgia simples", disse aos jornalistas o cirurgião Eduardo Barroso, na tarde desta quinta-feira, em conferência de imprensa no hospital Curry Cabral, em Lisboa.

Segundo Barroso, a intervenção estava prevista para o dia 4 de janeiro e deveria ter sido feita em ambulatório, mas o médico da presidência, Daniel Matos, avaliou esta manhã o presidente e considerou que a hérnia precisava de tratamento urgente "porque encarcerou", explicou Eduardo Barroso. Foi uma "cirurgia simples" e que correu bem, garantiu o cirurgião, explicando que foi necessária uma pequena recessão do intestino dado o encarceramento da hérnia umbilical.

O presidente foi operado pelas 14:00 e a intervenção levou cerca de hora e meia. Eduardo Barroso referiu ainda que um doente nesta situação - e Marcelo é um "doente igual aos outros", sublinhou - deverá ficar internado 48 horas. "Se ele quiser ir para casa mais cedo, se calhar vou vê-lo a casa", admitiu. Questionado pelos jornalistas se Marcelo estará em condições físicas e clínicas de dirigir aos portugueses uma mensagem de Ano Novo, o médico respondeu sem hesitar: "com certeza".

O médico da Presidência, Daniel Matos, acrescentou que não há nenhum impedimento para que Marcelo Rebelo de Sousa possa fazer a vida normal "a curto prazo".

As hérnias umbilicais são uma das formas mais comuns de hérnia abdominal. O encarceramento da hérnia significa que o seu conteúdo está fixo e é impossível a reinserção na cavidade abdominal, tornando-se assim a hérnia uma emergência cirúrgica: a intervenção pretende evitar inflamações potencialmente fatais.

Pouco antes de ser divulgada a nota de Belém a informar da intervenção cirúrgica do presidente, fonte da Associação Sindical de Juízes Portugueses (ASJP) revelara que o presidente tinha desmarcado a audiência com a associação prevista para as 13:00 desta quinta-feira. A fonte disse à agência Lusa que um elemento da casa civil da Presidência fez um telefonema para a presidente da ASJP "20 minutos antes das 13:00 a desconvocar a audiência".

Na agenda de hoje, Marcelo Rebelo de Sousa tinha prevista uma ronda de audiências com representantes dos juízes e dos magistrados do Ministério Público para discutir o pacto de justiça e os estatutos destas duas classes e uma cerimónia de entrega de insígnias a Carlos Ramos, que salvou várias pessoas no acidente ferroviário de Alcafache, em 1985.

Em 1 de janeiro, é tradicional o Presidente dirigir ao país uma mensagem de Ano Novo, que este ano deveria ser feita a partir de Vouzela, um dos concelhos afetados pelos incêndios de outubro, região que ia visitar nesses dias.

Em 31 de dezembro, o Presidente tinha planeado visitar os concelhos de Oliveira do Hospital, distrito de Coimbra, e no dia 01 de janeiro de 2018 iria a Arganil, também no distrito de Coimbra, Santa Comba Dão e Vouzela, ambos no distrito de Viseu, de onde iria fazer, em direto, a mensagem de Ano Novo.

Marcelo Rebelo de Sousa passou o dia de Natal em Pedrógão Grande, Figueiró dos Vinhos e Castanheira de Pêra, concelhos afetados pelos incêndios de junho.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Henrique Burnay

Discretamente, sem ninguém ver

Enquanto nos Estados Unidos se discute se o candidato a juiz do Supremo Tribunal de Justiça americano tentou, ou não, há 36 anos abusar, ou mesmo violar, uma colega (quando tinham 17 e 15 anos), para além de tudo o que Kavanauhg pensa, pensou, já disse ou escreveu sobre o que quer que seja, em Portugal ninguém desconfia quem seja, o que pensa ou o que pretende fazer a senhora nomeada procuradora-geral da República, na noite de quinta-feira passada. Enquanto lá se esmiúça, por cá elogia-se (quem elogia) que o primeiro-ministro e o Presidente da República tenham muito discretamente combinado entre si e apanhado toda a gente de surpresa. Aliás, o apanhar toda a gente de surpresa deu, até, direito a que se recordasse como havia aqui genialidade tática. E os jornais que garantiram ter boas fontes a informar que ia ser outra coisa pedem desculpa mas não dizem se enganaram ou foram enganados. A diferença entre lá e cá é monumental.

Premium

Ruy Castro

À falta do Nobel, o Ig Nobel

Uma das frustrações brasileiras históricas é a de que, até hoje, o Brasil não ganhou um Prémio Nobel. Não por falta de quem o merecesse - se fizesse direitinho o seu dever de casa, a Academia Sueca, que distribui o prémio desde 1901, teria descoberto qualidades no nosso Alberto Santos-Dumont, que foi o verdadeiro inventor do avião, em João Guimarães Rosa, autor do romance Grande Sertão: Veredas, escrito num misto de português e sânscrito arcaico, e, naturalmente, no querido Garrincha, nem que tivessem de providenciar uma categoria especial para ele.