Marcelo diz que instituições como o Exército "sobrevivem pela credibilidade das suas lideranças"

Presidente da República presidiu à abertura solene do ano letivo na Academia Militar do Exército, na Amadora

A hierarquia do Exército e os novos oficiais do ramo ouviram esta quarta-feira Marcelo Rebelo de Sousa afirmar que as instituições sobrevivem "pela credibilidade das suas lideranças" e se "souberem respeitar-se e dar-se a respeitar".

O presidente da República e Comandante Supremo das Forças Armadas intervinha na sessão de abertura do ano letivo da Academia Militar do Exército, ramo marcado nos últimos anos por várias polémicas como a morte de recrutas, o furto nos paióis de Tancos ou o desconhecimento sobre todo o material desaparecido - e uma forte contestação interna ao atual chefe do Estado-Maior, general Rovisco Duarte.

"Não esqueçais nunca [...] que as instituições só sobrevivem e afirmam a sua pujança se souberem respeitar-se e dar-se a respeitar, todos os dias, pela verdade da sua conduta, pela coerência dos seus princípios, pela credibilidade das suas lideranças", declarou o Chefe do Estado.

Continuando a dirigir-se aos novos e futuros oficiais do Exército e da GNR, que também são formados na Academia Militar, Marcelo Rebelo de Sousa - que não falou aos jornalistas - sublinhou ainda que eles são "a garantia de que o prestígio" das duas instituições "será uma realidade permanentemente partilhada, sem dúvidas ou estados de alma, pelo todo nacional".

Alguns deles, adiantou Marcelo, irão cumprir "relevantíssimas missões de segurança, sempre tendo em atenção o que é ser-se uma força militar".

O Presidente da República lembrou ainda que a Academia Militar "é uma escola de líderes que formou mais de 15 mil alunos" desde 1790, "dos quais sete antigos presidentes da República - um dos quais fundador na nossa República democrática".

Ler mais

Exclusivos

Premium

Ruy Castro

À falta do Nobel, o Ig Nobel

Uma das frustrações brasileiras históricas é a de que, até hoje, o Brasil não ganhou um Prémio Nobel. Não por falta de quem o merecesse - se fizesse direitinho o seu dever de casa, a Academia Sueca, que distribui o prémio desde 1901, teria descoberto qualidades no nosso Alberto Santos-Dumont, que foi o verdadeiro inventor do avião, em João Guimarães Rosa, autor do romance Grande Sertão: Veredas, escrito num misto de português e sânscrito arcaico, e, naturalmente, no querido Garrincha, nem que tivessem de providenciar uma categoria especial para ele.

Premium

João Taborda da Gama

Le pénis

Não gosto de fascistas e tenho pouco a dizer sobre pilas, mas abomino qualquer forma de censura de uns ou de outras. Proibir a vista dos pénis de Mapplethorpe é tão condenável como proibir a vinda de Le Pen à Web Summit. A minha geração não viveu qualquer censura, nem a de direita nem a que se lhe seguiu de esquerda. Fomos apenas confrontados com alguns relâmpagos de censura, mais caricatos do que reais, a última ceia do Herman, o Evangelho de Saramago. E as discussões mais recentes - o cancelamento de uma conferência de Jaime Nogueira Pinto na Nova, a conferência com negacionista das alterações climáticas na Universidade do Porto - demonstram o óbvio: por um lado, o ato de proibir o debate seja de quem for é a negação da liberdade sem mas ou ses, mas também a demonstração de que não há entre nós um instinto coletivo de defesa da liberdade de expressão independentemente de concordarmos com o seu conteúdo, e de este ser mais ou menos extremo.

Premium

Bernardo Pires de Lima

Em contagem decrescente

O brexit parece bloqueado após a reunião de Salzburgo. Líderes do processo endureceram posições e revelarem um tom mais próximo da rutura do que de um espírito negocial construtivo. A uma semana da convenção anual do partido conservador, será ​​​​​​​que esta dramatização serve os objetivos de Theresa May? E que fará a primeira-ministra até ao decisivo Conselho Europeu de novembro, caso ultrapasse esta guerrilha dentro do seu partido?

Premium

Catarina Carvalho

O populismo na campanha Marques Vidal

Há uma esperança: não teve efeito na opinião pública a polémica da escolha do novo procurador-geral da República. É, pelo menos, isso que dizem os estudos de opinião - o número dos que achavam que Joana Marques Vidal devia continuar PGR permaneceu inalterável entre o início do ano e estas últimas semanas. Isto retirando o facto, já de si notável, de que haja sondagens sobre este assunto.