Mais de metade das linhas de comboio está em mau estado

Relatório da Infra-Estruturas de Portugal diz que troço ferroviário Ovar-Gaia, na Linha do Norte tem "necessidade de intervenção urgente". E mais de metade das linhas de comboio está em mau estado

"Medíocres" ou "más" são classificações que recebem cerca de 60% das linhas de caminhos-de-ferro portuguesas, de acordo com um relatório da Infra-Estruturas de Portugal, de 2016, a que teve acesso o Público.

Os 35 quilómetros de Ovar-Gaia são considerados os mais problemáticos. A empresa pública que gere as infraestruturas portuguesas considera que há "necessidade de intervenção urgente", de acordo com o Público, citando o relatório de maio de 2017 e referente a 2016. "A vida útil dos ativos neste troço da Linha do Norte há muito que foi excedida e qualquer tipo de intervenção de manutenção produz efeitos pouco duradouros". De 1 a 8, recebe 1,9 de classificação.

Entre os piores classificados encontram-se ainda Tua-Pocinho (32 quilómetros), na Linha do Douro, e a via estreita de Espinho a Oliveira de Azeméis e de Aveiro a Sernada do Vouga (68 quilómetros).

Usando a mesma classificação de 1 a 8 para avaliar o desempenho, recebem menos de 3,2 as linhas de Cascais e da Cintura (Alcântara Terra-Braço de Prata), o Ramal de Tomar, o troço entre Lagos e Faro na Linha do Algarve e entre Entroncamento e Sarnadas (Vila Velha de Ródão). A rede suburbana de Lisboa está em pior estado do que a do Porto, diz ainda o relatório.

O relatório nota que "não se pretende aqui assinalar ativos que representam risco do ponto de vista de segurança de pessoas e bens" e que o conceito de "ativo crítico" pode avaliar indicadores de segurança, ambientais ou de desempenho. No entanto, refere o Público, tem sido nas linhas com pior desempenho que têm ocorrido descarrilamentos. Por exemplo, na linha da Beira Alta. Metade do seu percurso é considerado "medíocre".

Dos 20 descarrilamentos ocorridos nos últimos quatro anos, todos ocorreram em troços de linha considerados problemáticos.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Ricardo Paes Mamede

A "taxa Robles" e a desqualificação do debate político

A proposta de criação de uma taxa sobre especulação imobiliária, anunciada pelo Bloco de Esquerda (BE) a 9 de setembro, animou os jornais, televisões e redes sociais durante vários dias. Agora que as atenções já se viraram para outras polémicas, vale a pena revistar o debate público sobre a "taxa Robles" e constatar o que ela nos diz sobre a desqualificação da disputa partidária em Portugal nos dias que correm.

Premium

Rosália Amorim

Crédito: teremos aprendido a lição?

Crédito para a habitação, crédito para o carro, crédito para as obras, crédito para as férias, crédito para tudo... Foi assim a vida de muitos portugueses antes da crise, a contrair crédito sobre crédito. Particulares e também os bancos (que facilitaram demais) ficaram com culpas no cartório. A pergunta que vale a pena fazer hoje é se, depois da crise e da intervenção da troika, a realidade terá mudado assim tanto? Parece que não. Hoje não é só o Estado que está sobre-endividado, mas são também os privados, quer as empresas quer os particulares.