Promoção ao Supremo Tribunal da juíza Fátima Galante foi suspensa pelo Conselho Superior da Magistratura

Rui Rangel e Fátima Galante foram ainda suspensos, formalmente, de funções, pelo Conselho Superior da Magistratura

O plenário do Conselho Superior da Magistratura ratificou hoje, por unanimidade, a suspensão preventiva de funções dos juízes desembargadores Rui Rangel e Fátima Galante, dois dos arguidos na 'Operação Lex'.

A decisão foi determinada na sexta-feira pelo vice-presidente deste órgão e hoje ratificada pelo plenário do Conselho Superior da Magistratura (CSM).

Em comunicado, o CSM explica que o plenário decidiu também por unanimidade suspender a promoção ao Supremo Tribunal de Justiça da juíza desembargadora Fátima Galante.

A promoção de Fátima Galante ao Supremo Tribunal de Justiça fica suspensa durante "a pendência do processo criminal" ao abrigo do artigo 108.º do Estatuto dos Magistrados Judiciais, ficando a vaga reservada até à decisão final.

Na sexta-feira, o vice-presidente do CSM determinou a suspensão preventiva dos desembargadores Rui Rangel e Fátima Galante com efeitos imediatos, após serem arguidos na 'Operação Lex', estando indiciados por crimes de corrupção/recebimento indevido de vantagens, de branqueamento, de tráfico de influência e de fraude fiscal.

Após a audição dos membros do conselho, o vice-presidente do CSM determinou suspender preventivamente os juízes desembargadores arguidos, com execução imediata, "por imperativo de relevante interesse público".

Na nota de imprensa de sexta-feira, o vice-presidente do CSM refere ainda que no inquérito criminal, que envolve os dois juízes do Tribunal da Relação de Lisboa, é indiciada "uma muito grave, dolosa e reiterada violação dos deveres profissionais a que se encontram adstritos os magistrados judiciais, suscetível de se repercutir na sua vida pública de forma incompatível com a credibilidade, prestígio e dignidade indispensáveis ao respetivo exercício funcional".

Além de Rui Rangel e de Fátima Galante, a 'Operação Lex' tem pelo menos outros dez arguidos, entre os quais o presidente do Benfica, Luís Filipe Vieira, o vice-presidente do clube Fernando Tavares e o ex-presidente da Federação Portuguesa de Futebol João Rodrigues.

Cinco dos arguidos que se encontravam detidos já foram ouvidos no Supremo Tribunal de Justiça, tendo saído todos em liberdade e um deles pagou uma caução de 25.000 euros.

Na operação, desencadeada a 30 de janeiro, foram realizadas 33 buscas, das quais 20 domiciliárias, nomeadamente ao Sport Lisboa e Benfica, à casa de Luís Filipe Vieira e dos dois juízes e a três escritórios de advogados.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Opinião

Os irados e o PAN

A TVI fez uma reportagem sobre um grupo de nome IRA, Intervenção e Resgate Animal. Retirados alguns erros na peça, como, por exemplo, tomar por sério um vídeo claramente satírico, mostra-se que estamos perante uma organização de justiceiros. Basta, aliás, ir à página deste grupo - que tem 136 000 seguidores - no Facebook para ter a confirmação inequívoca de que é um grupo de gente que despreza a lei e as instituições democráticas e que decidiu fazer aquilo que acha que é justiça pelas suas próprias mãos.

Premium

Margarida Balseiro Lopes

Falta (transparência) de financiamento na ciência

No início de 2018 foi apresentado em Portugal um relatório da OCDE sobre Ensino Superior e a Ciência. No diagnóstico feito à situação portuguesa conclui-se que é imperativa a necessidade de reformar e reorganizar a Fundação para a Ciência e a Tecnologia (FCT), de aumentar a sua capacidade de gestão estratégica e de afastar o risco de captura de financiamento por áreas ou grupos. Quase um ano depois, relativamente a estas medidas que se impunham, o governo nada fez.