Habitação. BE diz que proposta do PS é sua há anos

PS avançou com Lei de Bases da Habitação. Bloco e PCP pressionam socialistas para revisão da lei das rendas feita por Cristas.

"Isso é uma velha proposta nossa." Foi assim que ontem, em declarações ao DN, o deputado do Bloco de Esquerda Pedro Soares comentou o novo projeto do PS para que haja uma Lei de Bases da Habitação, na parte em que prevê que as novas urbanizações tenham quotas de habitação com preços acessíveis.

Ou seja, o partido "simpatiza com a ideia" avançada no projeto socialista - cuja principal autora foi a deputada Helena Roseta -, recordando Pedro Soares de que essas quotas chegaram a estar previstas num acordo que o BE fez com António Costa na câmara de Lisboa. Numa declaração ao DN, o PEV também disse apoiar a ideia. Os restantes partidos não comentaram.

O que o deputado bloquista também afirma é a expectativa do seu partido quanto à posição do PS sobre o projeto que o partido apresentará na próxima semana de revisão da atual lei das rendas (uma lei feita por Assunção Cristas quando era ministra do governo PSD-CDS liderado por Pedro Passos Coelho). Pedro Soares afirma que uma das intenções do BE nesta matéria é legislar sobre estabilização das rendas e dos respetivos contratos de arrendamento. Ontem, o presidente da Associação Lisbonense dos Proprietários considerou que a proposta do PS para uma Lei de Bases da Habitação, naquilo em que prevê a requisição de habitações devolutas, "é inconstitucional, típica de um Estado totalitário". "Estamos a assistir a medidas típicas de um Estado totalitário. A medida é claramente inconstitucional (...) Provavelmente vamos levar isto às instâncias internacionais. Temos previsto um encontro com uma delegação de proprietários europeus e colocaremos o assunto no quadro europeu das instituições internacionais", disse à Lusa Menezes Leitão.

Já quanto às quotas de habitações com preços acessíveis em novas urbanizações, Luís Lima, presidente da Associação dos Profissionais e Empresas de Mediação Imobiliária de Portugal (APEMIP), está bastante cético quanto à medida: "Não sei como é que o Estado vai fazer isso, não se pode obrigar ninguém a investir." O responsável admite que possa ser necessário "compensar o investidor, com um apoio fiscal, cedência de terrenos" ou "os outros ativos, que não sejam afetos a arrendamento, terão de ser vendidos por preços mais elevados". Os promotores podem inclusivamente "fugir para concelhos onde não sejam aplicadas quotas", alertou ainda.

O PS apresentou o seu projeto para uma Lei de Bases da Habitação, mas o que promete ser o próximo grande foco de pressão do BE e do PCP sobre o PS é a revisão da lei das rendas. O BE vai avançar e o PCP apresentou ontem um projeto de revogação "imediata" da lei de Cristas (que tratam como "lei dos despejos"). O PS não decidiu o seu sentido de voto.

Ler mais

Exclusivos

Premium

robótica

Quando os robôs ajudam a aprender Estudo do Meio e Matemática

Os robôs chegaram aos jardins-de-infância e salas de aula de todo o país. Seja no âmbito do projeto de robótica do Ministério da Educação, da iniciativa das autarquias ou de outros programas, já há dezenas de milhares de crianças a aprender os fundamentos básicos da programação e do pensamento computacional em Portugal.

Premium

Anselmo Borges

"Likai-vos" uns aos outros

Quem nunca assistiu, num restaurante, por exemplo, a esta cena de estátuas: o pai a dedar num smartphone, a mãe a dedar noutro smartphone e cada um dos filhos pequenos a fazer o mesmo, eventualmente até a mandar mensagens uns aos outros? É nisto que estamos... Por isso, fiquei muito contente quando, há dias, num jantar em casa de um casal amigo, reparei que, à mesa, está proibido o dedar, porque aí não há telemóvel; às refeições, os miúdos adolescentes falam e contam histórias e estórias, e desabafam, e os pais riem-se com eles, e vão dizendo o que pode ser sumamente útil para a vida de todos... Se há visitas de outros miúdos, são avisados... de que ali os telemóveis ficam à distância...

Premium

João César das Neves

Donos de Portugal

A recente polémica dos salários dos professores revela muito do nosso carácter político e cultural. A OCDE, no habitual "Education at a Glance", apresenta comparações de indicadores escolares, incluindo a remuneração dos docentes. O estudo é reservado, mas a sua base de dados é pública e inclui dados espantosos, que o professor Daniel Bessa resumiu no Expresso de dia 15: "Com um salário que é cerca de 40% do finlandês, 45% do francês, 50% do italiano e 60% do espanhol, o português médio paga de impostos tanto como os cidadãos destes países (a taxas de tributação que, portanto, se aproximam do dobro) para que os salários dos seus professores sejam iguais aos praticados nestes países."